Olhar Direto

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Rosana Martinelli reclama que foi “penalizada” por gestão Taques e judicializa cobrança de repasses

Da Redação - Érika Oliveira

19 Set 2019 - 18:10

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Rosana Martinelli reclama que foi “penalizada” por gestão Taques e judicializa cobrança de repasses
A prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PL), afirmou que judicializou a cobrança de R$ 3,5 milhões que não foram pagos ao município desde a gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB), referente a repasses na área da saúde. Segundo ela, a Prefeitura já precisou gastar cerca de R$ 80 milhões de seu orçamento próprio para cobrir o rombo deixado pelo tucano.

Leia mais:
Figueiredo critica cálculo de Emanuel e judicialização de repasse: 'preocupado em arrumar confusão'

“Nós fomos muito penalizados pelo Governo anterior em relação à Saúde. Não pagou os recursos, aproximadamente R$ 3,5 milhões, então nós judicializamos o que ficou para trás. O Governo atual está pagando a parte dele, o que esperamos agora é receber os atrasados. Nós sofremos muito pela omissão do Estado. O município gastou em média 34%, R$ 80 milhões de orçamento próprio para manter os atendimentos. Estamos utilizando recursos próprios para fazer cirurgias, e precisamos avançar ainda mais nessa área”, disse Martinelli, em entrevista ao Olhar Direto.

Ao assumir o Governo do Estado, Mauro Mendes (DEM) herdou somente na área da saúde mais de R$ 600 milhões em dividas, entre pagamentos a fornecedores e repasses aos municípios. Parte deste passivo já foi pago.

“Nós já pagamos mais de R$200 milhões dos restos a pagar. Hoje o Estado de Mato Grosso, em relação aos repasses do município, está rigorosamente adimplente e já amortizou muito das dívidas que o Governo passado deixou. O governador Mauro Mendes assumiu um compromisso com os prefeitos que até o final da gestão deles, ou seja, até o final do ano que vem, ele vai fazer todo o esforço para quitar esse débito existente”, disse o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, esta semana.

Martinelli afirmou que deu um “voto de confiança” ao atual Governo e disse que vem mantendo uma boa relação com a atual gestão, mas destacou a necessidade de o Estado reassumir sua função no que diz respeito à alta complexidade.

“Nosso Hospital Regional tinham 115 leitos e o Taques passou para 55, isso causou um problema muito sério. Hoje está próximo de 100 [leitos], o Governo atual está regularizando. O município faz a parte básica, mas o Estado precisa cumprir com sua parte. Queremos que credenciem médicos para que a cirurgia cardíaca seja feita lá, para que os pacientes não precisem vir para Cuiabá. A alta complexidade é competência do Estado e acaba que sobrecarregou a nossa UPA em função da omissão do Governo anterior”, pontuou.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeca
    20 Set 2019 às 08:10

    Não foram pagos ... que tipo de conversa mais sem nexo! Governo faz repasse para os municípios, não pagamento. O correto é: não repassou, deixou de repassar, menos pagar!

  • Saulo
    19 Set 2019 às 20:22

    O povo vai sentir por muito tempo o desgoverno de Taques, tinha que ter sido caçado logo no primeiro ano de governo. Taques nunca mais.

Sitevip Internet