Olhar Direto

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Cidades

Presos da PCE denunciam maus-tratos, falta de atendimento de saúde e calor excessivo em celas

Da Redação - Wesley Santiago

21 Set 2019 - 15:26

Foto: Reprodução

Presos da PCE denunciam maus-tratos, falta de atendimento de saúde e calor excessivo em celas
Os presos da Penitenciária Central do Estado (PCE) relataram a defensores públicos do Estado, que fazem um mutirão e integram a força-tarefa que revisa processos, faz correções e ouve os presos desde segunda-feira (16), que têm problemas de saúde decorrentes de hérnias, úlceras, dores de dentes, entre outros. Além disto, reclamaram do calor excessivo e da falta de oportunidade para trabalhar.

Leia mais:
Após visitas na PCE, agentes apreendem novos chips, celulares e até tinta para esconder buracos em parede; vídeo
 
“Eles ficaram muito contentes com a nossa presença, pois além de informá-los sobre o que acontece com eles do ponto de vista penal, entregamos a todos um documento com o número de processo ou processos que respondem, o total de anos que estão condenados, quanto precisam cumprir para ter progressão de regime e também ouvimos os seus problemas”, informou o defensor público que atua na comarca de Primavera do Leste, Nelson Souza Júnior.
 
O defensor público que atua em Campo Novo dos Parecis, Paulo Grama, conta que dos 13 que atendeu, todos relataram vontade de trabalhar e reclamaram que desde o ano passado essa possibilidade foi suspensa. “Eles afirmam que querem e precisam trabalhar. E dos que ouvi, um afirma que tem uma hérnia inguinal e que em decorrência desse problema sente muitas dores, outro disse que precisa de dentista, também sente dores e um terceiro, disse que é epilético e que está sem acompanhamento médico e medicamentos”.
 
As hérnias inguinais ocorrem na região da virilha, quando há protrusão de conteúdo da cavidade abdominal, normalmente parte do intestino, pelo canal inguinal. Além dos problemas de saúde, os presos também reclamaram da falta de ventilação nas celas, da qualidade da água que consomem e da superlotação.
 
As celas dos chamados “cubículos” tem tamanho de três metros por seis e nelas ficam trancados de 35 a 40 presos. Todas essas informações, além das relacionadas aos processos analisados e as providências tomadas por cada defensor público, constarão de um relatório individual que será entregue à segunda defensora pública-geral, Gisele Berna, que coordena o mutirão carcerário. A partir delas, providências serão tomadas para buscar soluções para os problemas.
 
Os defensores afirmam que em relação aos processos analisados, até o momento, foram encontrados erros de cálculo para contagem da pena, observados casos em que presos já têm requisitos técnicos legais para progressão de regime, porém, nenhum caso absurdo de violação de lei. Os processos de presos provisórios começaram a ser analisados na quinta-feira (19/9) à tarde. E que em relação aos problemas internos da PCE, tudo que for identificado como irregular será apresentado e negociado com os gestores do sistema.
 
“Para nós o mais importante é fazer o atendimento, que deveria ser algo comum, mas está acontecendo em regime especial, numa situação de exceção, por falta de defensores, pois apenas três colegas são responsáveis por ao menos 1,9 mil presos. E no interior não é diferente, cito o caso de Rondonópolis, onde está o presídio da Mata Grande, com mais de 1,5 mil presos e lá um defensor terá essa atribuição”, afirma a defensora pública Giovanna Santos.
 
A coordenadora do mutirão, Gisele Berna, afirma que o modelo de atendimento em regime especial está sendo adotado pela primeira vez em Mato Grosso, tendo como modelo a metodologia adotada no projeto “Defensoria Sem Fronteiras”, e, caso os resultados sejam positivos, a Administração Superior estudará a possibilidade de fazer o mesmo em comarcas do interior.
 
Os profissionais afirmam que o primeiro dia de atendimento na PCE foi tranquilo, tanto por parte da administração do local que possibilitou o trabalho, como pela recepção que tiveram dos detentos.

40 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ares
    23 Set 2019 às 14:52

    Sulimenzi sem mímimi sem vitimismo por favor e não faça essa comparação esdrúxula de criminosos com animais os animais não merecem tal comparação O SOL NASCE PARA TODOS

  • Teodorico Montemayor - CP-45
    23 Set 2019 às 09:20

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Sulimenzi Ribeiro
    22 Set 2019 às 21:20

    Eu acho que eles já está pagado por seus erros porque ser tratado como animais será que se fosse um familiar deles seria tratado assim . Eles devia arrumar cursos e trabalho pra eles melhorar não sofrimento pra eles sair pior do que entraram.

  • Regis Santana
    22 Set 2019 às 11:17

    Não querem sofrer na cadeia? então não cometam crimes. Antes de estarem ai, esses vagabundos já fizeram muitas famílias sofrerem aqui fora. Na vida há dois caminhos: o Caminho certo e o errado. Escolheram o errado? Então arque com as consequências.

  • João
    22 Set 2019 às 10:43

    Parabéns aos defensores públicos! Acredito que o sistema prisional só piora, porque a população ainda não evolui emocionalmente. Depois que o ser humano é jogado dentro daquelas celas imundas, num sistema pré histórico, ninguém quer mais saber, e acha que está resolvido o problema, ou seja, esconde o filho feio da sociedade e tudo bem. Pois deveríamos saber da prestação de conta de tudo, como gastos de água, luz, comida, sistemas de qualificação, gastos com saúde. Se esse preso tem chance de voltar pra sociedade, pois afinal, mais cedo ou mais tarde, estarão de volta nas ruas, convivendo conosco, na nossa comunidade, se ele teve qualificação dentro da unidade, sorte a nossa, se ele foi torturado, estuprado, se entrou como ladrão de galinhas e conviveu com traficantes e homicídas, azar pra todos. Então, em cima disso muita gente enriquece, políticos, se elegem, e a sociedade crítica mas não intervém com soluções positivas e inteligente. Hoje vc que critica, pode até garantir por vc e seus filhos, não estarem lá, mas do jeito que a corrupção se alastra, e o povo padece com os problemas sociais, vc não pode garantir a sua geração. Afinal, fica fácil o presidente se eleger falando de bandido, ele pode, pois já garantiu ele e a família dele na política, mamando dinheiro do povo.

  • ZE NINGUÉM
    22 Set 2019 às 09:36

    APRENDAM COM OS POLITICOS SEUS IMBECIS. ESTUDEM E TENHAM CURSO SUPERIOR, AI VCS BAO PRA CELA ESPECIAL OU DOMICILIAR. ENTENDAM COMO BEM QUISEREM

  • Dom Quixote de La Mancha
    22 Set 2019 às 09:17

    Até parece ser real....os defensores tem que olhar as vítimas,,,,,bandidos sempre não há recuperação.....conversa fiada

  • Dom Quixote de La Mancha
    22 Set 2019 às 09:17

    Até parece ser real....os defensores tem que olhar as vítimas,,,,,bandidos sempre não há recuperação.....conversa fiada

  • silvio lopes de Moraes
    22 Set 2019 às 08:59

    tipo assim ,a sociedade é vítima deles e eles querem agora chamar atenção da sociedade que eles ferraram ,para uma dificuldade na prisão,não vai rolar não.

  • silvio lopes de Moraes
    22 Set 2019 às 08:57

    AQUI FORA TAMBÉM TA FODA O CALOR ,ALGUÉM PODE INFORMAR ISSO PRA ELES.PRISÃO É COISA PRA MALUCO,SEM ESSA DE QUE É COISA PRA HOMEM.