Olhar Direto

Quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Notícias / Política MT

Deputados vão à Bolívia avalizar compra de gás e Botelho diz que convênio vai baratear botijão

Da Redação - Érika Oliveira

25 Set 2019 - 08:10

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Deputados vão à Bolívia avalizar compra de gás e Botelho diz que convênio vai baratear botijão
Pelo menos sete deputados estaduais estarão com o governador Mauro Mendes (DEM) na Bolívia, nesta quinta-feira (26), para acompanhar a assinatura do contrato para o fornecimento do gás boliviano para Mato Grosso. Momentos antes de embarcar, o presidente da Assembleia Legislativa Eduardo Botelho (DEM) considerou que o convênio poderá baratear o custo do botijão de cozinha, que atualmente, na Capital, custa em média R$ 100,00. 

Leia mais: 
Mauro Mendes firma sociedade com governo boliviano para reativar termelétrica em Cuiabá 

“Lá vai ter uma feira de negócios que vai reunir mais de 20 países. E vai ter a assinatura do convenio para a compra do gás boliviano, para trazer para cá, para utilizarmos em carros e até para ser envazado e poder vender para as casas por um preço mais barato”, declarou o democrata. 

Os deputados viajam já nesta quarta-feira (25). Segundo Botelho, integram a comitiva os deputados Xuxu Dal’Molin (PSC), Dilmar Dal’Bosco (DEM), Janaina Riva (MDB), Ondonir Bortolini (PSD), Max Russi (PSB) e Paulo Araújo (PP). Este último acompanha Mendes desde a semana passada, em viagem aos Estados Unidos. 

Mendes esteve na Bolívia em maio para dar início às tratativas da comercialização do gás boliviano e do fornecimento de ureia - fertilizante usado nas plantações de soja, de cana de açúcar e que também serve para alimentar o gado - em solo mato-grossense. Durante encontro com o presidente Evo Morales, o chefe do Executivo assinou um termo de desenvolvimento de mercado com o Governo boliviano. 

O fornecimento do GNV a Mato Grosso foi interrompido no ano passado e, desde então, o duto que liga a Bolívia até Cuiabá está parado com 5 milhões de metros cúbicos do produto armazenados. Isto aconteceu porque a empresa proprietária do gasoduto, a Gás Ocidente Mato Grosso (GOM), não renovou o contrato de transporte. 
 
O trabalho do Governo de Mato Grosso é pela retomada do fornecimento do gás de forma ininterrupta, tanto para beneficiar as empresa e o setor industrial do Estado quanto para o cidadão, como é o caso do gás GLP.  
 
De acordo com o termo assinado, serão realizados estudos visando desenvolver as ações necessárias para que a empresa pública UPFB comercialize o gás natural para Mato Grosso e também da ureia. Isso inclui o desenvolvimento de infraestrutura e operação das redes de gás no Estado. 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Contra corrupção
    25 Set 2019 às 12:53

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Wagner Cordeiro
    25 Set 2019 às 10:00

    Entendi.Se os seis Deputados não avalizarem o contrato não será assinado.Sendo assim aplaudamo-los.

  • Chico Bento
    25 Set 2019 às 09:15

    O GLP assim como todo combustível está muito caro no Mato Grosso. Se os governantes não derem um jeito de baratear esses produtos, MT poderá ficar inviabilizado para produzir e até morar! Tem mais: O custo da telefonia e energia elétrica no nosso estado extrapola qualquer orçamento doméstico e empresarial. Cuidem disso também senhores deputados.

  • Teka Almeida
    25 Set 2019 às 09:13

    Seguem sete deputados para fazer turismo com o dinheiro SUADO do povo. Botijão de cozinha, que na Capital custa em média R$ 100,00, isso foi em 2018, esse ano paguei R$ 110,00, para baixar os empresários tem que ter menos ganancia e o governo deixar de arrochar o trabalhador em tantos imposto, ai sim o preço baixa.

  • osvaldo
    25 Set 2019 às 08:26

    Vixi não seria melhor ir uma pessoa especialista nesse assunto em vez de ir 06 deputados que provavelmente não entende sobre isso. Isso significa somente isso: Farra com o dinheiro público

Sitevip Internet