Olhar Direto

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Mauro Mendes é notificado por desmatamento ilegal em reserva extrativista na Amazônia

Da Redação - Érika Oliveira

03 Out 2019 - 15:54

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Mauro Mendes é notificado por desmatamento ilegal em reserva extrativista na Amazônia
Relator das contas de Governo do exercício de 2019, o conselheiro Guilherme Maluf notificou o governador Mauro Mendes (DEM) para que encaminhe informações ao Tribunal de Contas do Estado sobre irregularidades encontradas na Reserva Extrativista (Resex) Guariba - Roosevelt, localizada entre os municípios de Colniza e Aripuanã. Inspeção do órgão identificou que as terras estão sendo alvo de invasão para criação de gado, plantação de pastagem, construção de pontes ilegais para escoamento de madeira e desmatamento de cerca de 21 quilômetros quadrados somente este ano.

Leia mais:
Nos EUA, Mauro defende que países ricos compensem preservação e destaca 63% de território protegido

A Resex Guariba Roosevelt possui 164 mil hectares estabelecidos no Decreto Estadual 952/96 e os limites mais recentes haviam sido determinados no decreto 59/2015 da unidade de conservação, que integra o Mosaico da Amazônia Meridional.

A Resex foi criada em 1996, pelo então governador Dante de Oliveira, para assegurar a proteção e a subsistência de uma comunidade seringueira cuja história remonta ao primeiro ciclo da borracha, ainda no século 19. Além do látex, cerca de 300 moradores se dedicam à extração do óleo de copaíba, borracha e da castanha do Brasil – atividades cujo requisito principal é a disponibilidade de áreas preservadas de floresta amazônica.

As irregularidades apontadas pelo TCE foram identificadas a partir de uma inspeção da Secretaria de Controle Externo de Saúde e Meio Ambiente do Tribunal, que esteve na unidade de conservação em maio deste ano.

Maluf deu um prazo de cinco dias para que Mendes encaminhe informações sobre o caso o órgão e, posteriormente, apresente ainda um Plano de Ações para regularização da unidade de conservação.

Desmatamento identificado pelo Inpe

Segundo auditores públicos externos da Secex Saúde e Meio Ambiente do TCE/MT, na Representação de Natureza Externa (RNI) apresentada a Maluf, o Sistema de Monitoramento do Instituto de Pesquisas Espaciais - INPE( Podes, Deter e SAD) demonstrou um desmatamento ilegal de 7,4 Km2, em 2018. Até agosto deste ano, o Sistema de Alerta do Desmatamento - SAD do Instituto do Homem Brasileiro -IMAZON apontou 10 Km2 de área desmatada na reserva extrativista.

As irregularidades apontadas pelos satélites foram, então, constatadas in loco pelos auditores, assim como a presença de diversas madeireiras instaladas nas adjacências da unidade de conservação, muitas, segundo o órgão, ilegais.

"De acordo com os dados apresentados, a Resex foi a sexta área mais desmatada entre as UC do bioma Amazônia, apesar de ser a menor em extensão territorial. Se comparada, por exemplo, com as UCs APA Triunfo do Xingu e a Resex Chico Mendes,  foi a que mais sofreu desmatamento ilegal em agosto de 2019", diz trecho da RNI.

Outro lado

Em nota, o Governo esclareceu que a Secretaria de Meio Ambiente tem realizado ações de fiscalização na região desde agosto e que mais de R$ 80 milhões em multas já foram aplicados. Além disso, afirmou que um relatório das diligências está em finalização e será encaminhado aos órgãos de controle. Leia a integra

Para fins de publicidade e transparência, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente informa que o gerente regional da Unidade de Conservação Reserva Extrativista Guariba Roosevelt foi nomeado no dia 4 de setembro, conforme publicação em Diário Oficial. A Pasta acatou a indicação feita pelas associações de extrativistas.
 
No final de agosto e início de setembro, a Sema, por meio da Coordenadoria de Unidades de Conservação, realizou duas ações fiscalizatórias para investigação de denúncias de crimes ambientais, como destinação inadequada de resíduos sólidos, invasão e extração ilegal de madeira. O relatório técnico está em finalização e cópia dele será enviado para a Superintendência de Gestão de Processos Administrativos e Autos de Infração (SGPA) da Sema e para os órgãos de controle. Novas incursões até a unidade estão programadas para os próximos meses.
 
Além disso, o Governo de Mato Grosso, por meio da ‘Ação Integrada de Contenção de Desmatamentos e Queimadas no Bioma Amazônico’, está enviando constantemente equipes para região garantindo a presença do Estado coibindo a ação de infratores. Desde o início da ação, foram aplicados R$ 87,4 milhões de multas e embargados 15634 hectares. Dessa forma, a Sema reitera seu compromisso em implementar políticas públicas visando a conservação ambiental para a sustentabilidade.

 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Rubens Tadeu Reynaud
    04 Out 2019 às 09:02

    Daqui a 50 anos a floresta amazonica nao vai mais existir. Ficara igual o deserto do Saara. Alias estao na mesma latitude.

  • Servidor
    04 Out 2019 às 08:51

    Olhar Direto, arrumem o título da notícia pois da forma que está fica parecendo que o Governador está praticando desmatamento ilegal. Vão acabar tomando um processo nas costas.

  • Ricardo
    03 Out 2019 às 23:31

    Com Mauren no comando esperava o que ? Vamos vender carro que é melhor meu povo... Afff Maria

  • areal
    03 Out 2019 às 18:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • joao
    03 Out 2019 às 18:02

    Deve ser afastado imediatamente do cargo, ou por o cargo a disposição.

  • Moacir
    03 Out 2019 às 17:53

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet