Olhar Direto

Quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Notícias / Picante

Grampolândia Pantaneira II

Naco parecia querer desempenhar função de advogado de Paulo Prado

Da Redação

05 Out 2019 - 06:15

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Grampolândia Pantaneira II
Contrariando a inércia sobre a supervisão do termo de cessão das placas supostamente utilizadas por policiais em interceptações clandestinas, o Ministério Público mostrou postura incisiva para concluir que o procurador Paulo Prado não teve participação na Grampolândia Pantaneira. Na quarta-feira (2), durante entrevista coletiva, o coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, Domingos Sávio, parecia querer desempenhar a função de advogado, defendendo o colega em todas a perguntas feitas por jornalistas. Sem muitas explicações, os procuradores de Justiça presentes asseguraram ter a convicção de que a placa não foi cedida por Prado para a montagem do escritório clandestino de escutas.

Mais Picantes

Sitevip Internet