Olhar Direto

Quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Notícias / Política MT

Conselho tem cinco dias para decidir se Reforma da Previdência de Bolsonaro será aplicada integralmente em MT

Da Reportagem Local - Carlos Gustavo Dorileo/Da Redação - Érika Oliveira

13 Nov 2019 - 11:30

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Conselho tem cinco dias para decidir se Reforma da Previdência de Bolsonaro será aplicada integralmente em MT
A minuta da proposta apresentada pelo Executivo ao Conselho do MT Prev na manhã desta quarta-feira (13), que define novas regras para o Regime Previdenciário do Estado, reproduz integralmente a Reforma da Previdência aprovada pelo Congresso esta semana. Os Poderes, que constituem o Conselho, pediram cinco dias para analisar o texto e decidir se encaminham o requerimento ao Legislativo, com eventuais mudanças, em formato de Proposta de Emenda Constitucional ou Projeto de Lei Complementar.

Leia mais:
“Se vier nos moldes da nacional, teremos problemas”, adverte líder do Governo sobre PEC da Previdência

“O que foi discutido hoje é justamente o que o governador Mauro Mendes quer, que é aderir a proposta do Governo Federal. Tão simples quanto isso. E, logicamente, nessa proposta os municípios também, provavelmente, deverão fazer parte. Realizaremos várias reuniões a partir de hoje para discutir essa proposta. Eles [o Conselho] querem entender o que foi aprovado em Brasília, querem detalhar essa situação, é mais uma forma de entender essa Reforma. Nós estamos dispostos a construir a melhor situação para o estado de Mato Grosso. Tudo aquilo que vier como sugestão para melhorar essa reforma federal, nós estamos abertos à discussão”, disse o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, após reunião realizada no Palácio Paiaguás.

Na noite da última terça-feira (12), conforme divulgado pelo Olhar Direto, o líder de Mauro Mendes (DEM) na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), demonstrou preocupação em ter de reunir os 15 votos necessários para aprovação de Emenda Constitucional, caso o documento seja enviado ao Legislativo neste formato.

“Se vier uma PEC nos moldes da nacional nós teremos problemas, porque vamos precisar de 15 votos. Se for Projeto de Lei Complementar, tratando individualmente cada categoria, aí vamos precisar de 13 votos. Temos que ver como vai ser tramitação e se teremos votos suficientes, até porque sabemos que tem deputados que são servidores. Essa conta vai precisar ser razoável”, alertou Dilmar.

Assim como no texto aprovado pela Câmara e pelo Senado no início desta semana, se mantida a minuta apresentada pelo Governo ao Conselho do MT Prev, entre as principais mudanças no Regime Previdenciário estão a fixação de idade mínima para se aposentar – de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres -, novas regras de transição para o trabalhador ativo, além de um teto fixado em R$ 5 mil.

De acordo com Mauro Carvalho, se aprovadas, as mudanças não serão suficientes para zerar o déficit previdenciário do Estado, que deverá atingir R$ 57 bilhões nos próximos 35 anos. “O déficit vai ser mitigado, não vai ser zerado. Mas nós já temos uma tabela pronta de como vai ser comportar a previdência nos próximos 10 anos. Depois o déficit continua, mas com certeza muito menor do que o que temos hoje”, ponderou.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • marcelo
    14 Nov 2019 às 08:17

    Então Mauro Mendes e seus secretários são os Salvadores da Pátria? Estão realmente preocupados com MT? alguem tem dúvida que após os 4 anos de governo, essa cambada estará fazendo companhia para Silval.

  • moacir
    14 Nov 2019 às 08:14

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Servidor
    13 Nov 2019 às 16:16

    ESTE GOVERNADOR NÃO TEM CAPACIDADE DE FAZER UMA REFORMA DE ACORDO COM AS NOSSAS NECESSIDADES DAI TEM QUE COPIAR O QUE O GOVERNO FEDERAL IMPÔS? GOVERNADOR PRIMEIRO FAÇA O DEVER DE CASA E REPASSE OS ESTABILIZADOS QUE FORAM APOSENTADOS COMO EFETIVOS, DEVOLVA OS APOSENTADOS DO TCE, TJ, AL/MT, MPE E ASSIM TEREMOS SUPERAVIT....

  • Contribuinte
    13 Nov 2019 às 16:14

    O governo tem parcelado os salários desde o inicio do ano. Todos os meses ouvimos que R$ 5.500,00 (primeira parcela) quita 80% da folha. Conclusão: 80% dos servidores estão abaixo do teto do INSS.

  • alexandre
    13 Nov 2019 às 12:51

    O governo quebrou o fundo, e quer que o servidor pague a conta, greve geral.....

  • Contribuinte
    13 Nov 2019 às 12:07

    E os inativos do TCE e da AL continuarão a ser pagos pelo Executivo?

Sitevip Internet