Olhar Direto

Quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Notícias / Política MT

Governador considera melhora nas contas do Estado e decide não prorrogar decreto de calamidade financeira

Da Redação - Érika Oliveira

19 Nov 2019 - 17:26

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Governador considera melhora nas contas do Estado e decide não prorrogar decreto de calamidade financeira
O governador Mauro Mendes (DEM) anunciou no final da tarde desta terça-feira (19), via assessoria de imprensa, que decidiu não prorrogar o decreto de calamidade financeira que vigorava desde janeiro em Mato Grosso. Em breve nota, o Governo justifica que a decisão foi tomada com base na “razoável melhoria da gestão fiscal do Governo do Estado de Mato Grosso ao longo de 2019”.

Leia mais:
Governo deve definir nesta segunda-feira se renova decreto de calamidade em Mato Grosso

Mendes definiu o estado de calamidade em janeiro, após se reunir, em Brasília, com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Na ocasião, o governador de Mato Grosso apresentou as dificuldades financeiras do Estado ao Governo Federal, expondo dívidas de quase RS 4 bilhões.

O decreto de Mendes foi aprovado pela Assembleia Legislativa no mesmo mês, mas já em maio o próprio Ministério da Economia anunciou que o entendimento do Tesouro era de que a decretação de calamidade financeira não abria aos governadores a possibilidade de parcelar ou atrasar dívidas, nem suspender gastos, nem descumprir os limites da lei, justamente o que Mauro Mendes viabilizava.

À época da divulgação da nota pelo Ministério da Economia, Mendes lamentou o “descarte” do decreto e asseverou que isto não mudava a “realidade lamentável” dos estados. Alguns dias depois, ao ser cobrado novamente por declarações de opositores que classificavam a calamidade financeira anunciada como “ação política”, o governador se irritou.

Em julho, quando se encerrou a vigência do primeiro decreto de calamidade financeira, o governador assumiu a melhora das contas do Estado e afirmou que o Governo tinha saído do patamar de calamidade. Na ocasião, disse que ainda analisava a pertinência da renovação do decreto, mas dias depois alegou déficit de R$ 2,25 bilhões e prorrogou a decretação por mais 120 dias.

O decreto de calamidade deu a Mendes a possibilidade de executar ações no sentido de amenizar os efeitos da crise econômica em Mato Grosso, como por exemplo a suspensão do pagamento de hora extra a servidores e a revisão de Planos de Cargos, Carreiras e Salários (PCCSs).

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jordan Sali
    20 Nov 2019 às 11:08

    Sempre haverá um amanhã. Taques destruiu MT. Mauro Mendes está salvando. A caminho da reeleição.

  • Policial Revoltado
    20 Nov 2019 às 05:50

    Pague a progressão dos policiais civis. Nosso sindicato é fraco e não conseguirá nada nesse sentido. Não deixe isso para o ano que vem. Estamos cansados desse descaso

  • José maria
    20 Nov 2019 às 00:03

    Pagar hora extra de servidor? Gostaria de saber quais servidores estão recebendo horas extras..... se alguém receber deve ser só a panelinha amigo do rei

  • Moacir
    19 Nov 2019 às 21:17

    Será que ele vai começar a trabalhar? Até agora nenhuma obra inaugurada.

  • Eleitor
    19 Nov 2019 às 17:42

    GOVERNADOR O SENHOR NÃO VAI PRORROGAR O DECRETO DA CALAMIDADE PORQUE NINGUEM MAIS ACREDITA NESTA CRISE FABRICADA PELO SENHOR E O SECRETÁRIO DE FAZENDA..GOVERNADOR O ESTADO PREVIA ARRECADAR 19,7 BILHOES EM 2019, E ATE DIA 2 DE NOVEMBRO JÁ RECEBEU MAIS DE 28 BILHOES, COMO FALAR EM CRISE. ENTAO GOVERNADOR JÁ PASSOU DA HORA DE PAGAR OS SALARIOS RIGOROSAMENTE EM DIA, PAGAR O RGA E O 13º RIGOROSAMENTE EM DIA.. CHEGA DE FALAR EM CRISE.

Sitevip Internet