Olhar Direto

Sábado, 07 de dezembro de 2019

Notícias / Cidades

Desistência do VLT pode obrigar Mato Grosso a devolver mais de R$ 1 bilhão para a União

Da Redação - Wesley Santiago

03 Dez 2019 - 11:26

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Desistência do VLT pode obrigar Mato Grosso a devolver mais de R$ 1 bilhão para a União
Caso o governador Mauro Mendes (DEM) decida por desistir de continuar as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), Mato Grosso terá que devolver mais de R$ 1 bilhão para a União. A informação foi confirmada ao Olhar Direto pelo senador Wellington Fagundes (PL), nesta terça-feira (03). Vale lembrar que o Executivo contratou, por meio milhão de reais, uma empresa que fará o estudo de viabilidade e também demonstrará se é possível trocar o modal pelo Bus Rapid Transit (BRT).

Leia mais:
Governo contrata estudo de quase R$ 500 mil e não descarta mudança do VLT para BRT
 
“[A continuidade do VLT] depende da decisão do governador. A União é o agente financiador, através da Caixa. Qual modelo e se vai dar continuidade, Mauro Mendes que irá propor. Se o governo quiser mudar para outro sistema, o Estado terá que devolver o dinheiro que já foi aplicado. Isso seria um complicador enorme”, disse Wellington Fagundes.
 
Questionado sobre o montante que teria que ser devolvido, o senador explica que seria o que já foi aplicado na obra, que ultrapassa a cifra de R$ 1 bilhão. O valor ainda seria corrigido para números atuais, o que irá encarecer ainda mais a conta.
 
“O ministério tem quase R$ 300 milhões disponíveis para a conclusão do VLT. A possibilidade de conseguir mais também é possível. O mais sensato seria dar continuidade na obra. Tem que concluir. Não precisa nem ser o projeto original, pode diminuir o trajeto e adequar”, explicou Fagundes.

Vale lembrar que apesar da melhora nas contas, o Governo do Estado ainda enfrenta dificuldade financeira e luta pela aprovação de uma reforma da previdência, além de outros que deverão surgir. O enxugamento de gastos e o reequilíbrio financeiro seriam bastante prejudicados com a possível dívida de mais de R$ 1 bilhão.
 
A empresa de consultoria Oficina Engenheiros Associados sagrou-se vencedora de licitação realizada pelo Governo do Estado e será a responsável por confeccionar estudo de viabilidade do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande. Ao todo, o Executivo pagará quase R$ 500 mil pelo serviço. No levantamento, a determinação também prevê análise da viabilidade da implantação do Bus Rapid Transit (BRT).
 
O objeto da contratação, segundo o edital, engloba também a atualização dos dados de demanda e da matriz origem e destino dos usuários do sistema de transporte coletivo, dimensionamento da oferta e modelagem da rede integrada de transporte da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.
 
Em 12 de julho deste ano, o Governo do Estado criou um Grupo de Trabalho (GT) com o propósito de encomendar estudo de viabilidade técnica junto à Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana, por intermédio da portaria nº 1674, órgão vinculado ao Ministério de Desenvolvimento Regional. O empreendimento tem contrato de financiamento no Programa Pró-Transporte, e se encontra atualmente paralisado.
 
Mesmo ‘empacado’, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) continua a ter um gasto considerável aos cofres públicos. No total, da gestão de Pedro Taques (PSDB) até a atual de Mauro Mendes (DEM), já foram desembolsados mais de R$ 600 milhões para o pagamento de empréstimos aos bancos federais. Na última segunda-feira (11), ficou definida a criação de um Grupo de Trabalho da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) para acompanhar os trâmites da equipe técnica do Executivo.
 
O vice-presidente do Instituto de Engenharia de Mato Grosso, Jorge Rachid Jorge, lembrou que o VLT já consumiu mais de R$ 1,6 bilhão. Ele citou como exemplo que, no governo de Pedro Taques, foram pagos somente de empréstimos aos bancos federais mais de 500 milhões de reais e, que em dez meses no atual governo já foram desembolsados de R$ 120 milhões.
 
A Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) autorizou a instalação de um grupo de trabalho para acompanhar, sugerir, fiscalizar e analisar os estudos do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), que serão feitos pelo governo federal, via Secretaria Nacional de Mobilidade e Serviços Urbanos. O requerimento havia sido feito pelo deputado estadual, Wilson Santos (PSDB), ex-secretário de Cidades na gestão de Pedro Taques (PSDB).
 
VLT
 
O Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) foi escolhido como modal de transporte a ser implantado em Cuiabá e Várzea Grande ainda no período anterior à participação de Cuiabá na Copa do Mundo de 2014.
 
O investimento total a ser feito pelo governo do estado corresponderia a R$ 1,477 bilhão, por meio de um empréstimo contraído junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
 
Após cinco anos, as obras estão paralisadas e sem perspectiva de retorno. No dia 1º de novembro, o Diário Oficial da União (DOU) publicou a decisão administrativa do governo federal em prorrogar por 120 dias o estudo a respeito da viabilidade do VLT.
 
A prorrogação do prazo de conclusão do estudo veio do Ministério de Desenvolvimento Regional, por causa da complexidade do modal e do levantamento de informações.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Maressa
    04 Dez 2019 às 13:31

    SEM NENHUMA BASE essa notícia. No VLT não existe nenhum recurso "dado" pela União. É um empréstimo por meio da CAIXA que o Governo do Estado está pagando e por obrigação encontra-se em dia. Portanto, não tem nada pra devolver. Contudo, ainda é dinheiro público e deve ser tomada a melhor decisão para o funcionamento de um transporte decente.

  • Cláudia
    04 Dez 2019 às 07:00

    Tem que entrar com ação de improbidade administrativa e prevaricação do ex Governador Pedro Taques e o atual Mauro Mendes por abandonarem à obra, pela inércia administrativa e por terem contratados consultorias apenas para gastar dinheiro do contribuinte sem nemhum objetivo prático!!

  • nonato
    04 Dez 2019 às 06:35

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jorge
    03 Dez 2019 às 21:56

    Falta por o trilho. Como explicar para.as futuras gerações que tínhamos todo material, máquinas. Que essas máquinas foram trazidos de fora! Atravessou o oceano, o país até chegar aqui e mesmo assim não fomos capazes de instalar um trilho!

  • Cristiane Mathias
    03 Dez 2019 às 15:41

    Logico!!! muito dinheiro pra ser roubado.. aqui no MT nada sai do papel.. a corrupção nao deixa... viva a corrupção sem fim .. sem punição..

  • Zeca
    03 Dez 2019 às 14:10

    Ontem haviam contratado uma empresa para levantar a viabilidade da construção do VLT. Agora já falam em desistência. Nossos governantes não são nada sérios!

  • CIDADÃO ATENTO
    03 Dez 2019 às 14:08

    Como é TRISTE e VERGONHOSO termos no Brasil governos CORRUPTOS que cometem tais desmandos com o dinheiro do contribuinte. Poderíamos ter uma infraestrutura muito melhor, ruas com bons asfaltos, tratamento de água e esgoto, boas escolas e hospitais para todos etc. Todavia, o que vemos é que os CORRUPTOS estão todos soltos, desfrutando do produto da roubalheira (Silval e Cia, Éder Moraes, José Riva, entre outros, já condenados e que estão mais soltos que arroz de primeira). MUDA BRASIL! ! !

  • Pedro luis
    03 Dez 2019 às 11:49

    Vale lembrar que deputado Emanuel Pinheiro foi o presidente na assembleia da comissão que visualizou o VLT. É só perguntar a ele o que foi apurado e o porque o projeto empacou.

Sitevip Internet