Olhar Direto

Terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Notícias / Cidades

Mato Grosso teve o 2º maior aumento de nascimentos do Brasil; maioria é menino

da Redação - Isabela Mercuri

08 Dez 2019 - 11:52

Foto: Reprodução / Pixabay

Mato Grosso teve o 2º maior aumento de nascimentos do Brasil; maioria é menino
O estado de Mato Grosso teve o segundo maior aumento no número de nascimentos no Brasil em 2018, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além disso, a maioria destes nascimentos é de menino, e a idade das mães tem aumentado desde 2008.

Leia também:
Número de casamentos em MT cresce e estado tem a 2ª menor taxa de divórcio do Centro-Oeste

A pesquisa foi realizada a partir dos registros de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais, informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de divórcios, declarados pelas Varas de Família, Foros ou Varas Cíveis e os Tabelionatos de Notas, que por força da Lei n. 11.441, de 04.01.2007, passaram a realizar escrituras de divórcios consensuais que não envolvessem filhos menores ou incapazes.

Em Mato Grosso, nasceram 52.552 pessoas em 2017, e 56.961 pessoas em 2018. O aumento foi de 8,4%, atrás somente de Roraima, que teve um aumento de 13,4% (apesar de ter o menor número total de nascimentos).       

Em nível nacional, foram registrados 2.895.062 nascidos vivos em 2018. São Paulo teve o maior número de nascimentos (605.441). Os dados são referentes aos nascidos vivos, sem contar os sem especificação do lugar de residência da mãe, ignorados e estrangeiros.

Mães mais velhas

A idade das mães na ocasião do parto mudou muito de 2008 até 2018. No último ano, diminuíram as mães de 20 a 24 anos, e aumentaram aquelas de 25 a 29 anos (25,2% do total). Em Mato Grosso, a participação dos grupos de 20 a 24 e 25 a 29 anos de idade equivalem a 26,09% e 24,54%, respectivamente, e o número das de 30 a 39 anos de idade também aumentou, em uma taxa de 30,07%. Os filhos foram, em 51,33% do total, meninos em Mato Grosso, e em 50,6% das vezes também meninos, em Cuiabá.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ana Luzia
    09 Dez 2019 às 01:25

    Esse excesso de mão de obra barata vai servir pra que? Não temos industria, nem temos direito de trabalhar como chineses comunistas, indianos etc... A multiplicação da pobreza é um machismo que reproduz a escravidão.

Sitevip Internet