Olhar Direto

Sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Notícias / Meio Ambiente

Instituto aponta que 85% do desmate em MT é ilegal; impunidade impulsiona

Da Redação - Fabiana Mendes

11 Dez 2019 - 11:55

Foto: Christiano Antonucci/ Secom-MT

Instituto aponta que 85% do desmate em MT é ilegal; impunidade impulsiona
Levantamento do Instituto Centro de Vida (ICV) aponta que 85% dos desmates mapeados pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), entre agosto de 2018 e julho de 2019, foram ilegais. A combinação de desmatamento ilegal e impunidade é apontada como o principal motor da devastação das florestas de Mato Grosso.

Leia mais:
Sema já aplicou R$ 380 milhões em multas; estimativa de R$ 700 mi até o fim de 2019

Ao todo, foram derrubados 1.685 km² de florestas em Mato Grosso. O número representa 17% do total registrado em toda a Amazônia (o segundo maior percentual, atrás apenas do Pará) e um aumento de 13% em relação ao período anterior. Segundo o relatório, o resultado sinaliza que o ritmo de destruição da floresta no estado "continua alarmante".

Com a maior taxa de desmatamento dos últimos onze anos, 2019 teve mais que o dobro da área desmatada em 2012, que foi de 757 km². Isso também significa que é o quinto ano consecutivo que o estado mantém taxas superiores a 1.480 km²/ano, se distanciando das metas de redução do desmatamento assumidas em 2015, durante a Conferência do Clima em Paris.

A situação é potencializada pelas falhas na fiscalização, que não consegue conter o desmatamento ilegal nem mesmo em áreas já incluídas no Cadastro Ambiental Rural (CAR). De acordo com o ICV, 56% de todo desmatamento (959 km²) ocorreu justamente em propriedades rurais com cadastro já realizado pelo menos uma vez, ou seja, com localização, limites e proprietários conhecidos do Poder Público.

Nesse grupo, mais da metade das derrubadas se concentrou em imóveis rurais grandes (acima de 1.500 hectares), seguidos dos imóveis médios, que possuem entre 400 e 1.500 hectares (28%). Os polígonos foram superiores a 50 hectares em 82% dos casos de desmatamento em imóveis privados.

"Metade de todo desmatamento em áreas cadastradas ocorreu, portanto, em grandes imóveis rurais e em polígonos maiores que 50 hectares, ou seja, facilmente detectável pelos sistemas de monitoramento via imagens de satélite", aponta o relatório do ICV.

E ainda, ao separar o desmatamento autorizado e analisar somente o ilegal, o estudo identificou que 74% de toda a ilegalidade aconteceu em apenas 1.065 imóveis rurais, o que representa pouco mais de 1% do total de imóveis cadastrados. "Ou seja, são poucos os imóveis rurais que descumprem a legislação florestal e colocam em risco a legalidade e sustentabilidade da produção agropecuária de Mato Grosso.".

Municípios

Com 196 km² de novas áreas abertas, Colniza foi o município com maior área de floresta desmatada em Mato Grosso em 2019. O segundo lugar no ranking ficou com a vizinha Aripuanã, com 156 km². "Estes, com outros 6 municípios, responderam por 52% de todo o desmatamento mapeado, que se concentrou principalmente nas regiões Norte e Noroeste", diz o estudo.

Quando considerada no âmbito dos municípios, a prevalência da ilegalidade fica ainda mais evidente: dos 70 municípios do estado onde houve algum registro de derrubadas no período analisado pelo Inpe, em 34 a ilegalidade foi de 100%.

"Outros 36 municípios apresentaram alguma área com desmatamento legal, mas ainda assim a média de legalidade entre eles foi de apenas 20%", aponta o ICV. Nova Mutum foi o município com maior área desmatada legalmente (27 km²), seguido por Cláudia (22 km²) e União do Sul (21 km²).

Assentamentos e áreas protegidas

Também houve registro de desmatamento em projetos de assentamentos (PA) da reforma agrária (11% do total), sendo o PA Nova Cotriguaçu e o Japuranomam os que tiveram as maiores áreas abertas em 2019, respondendo por 14% de toda a floresta derrubada nesta categoria. 

As áreas protegidas, por sua vez, responderam por apenas 1,2% das áreas desmatadas, sendo 1,1% em terras indígenas e 0,1% em unidades de conservação.

(As informações são da assessoria de imprensa) 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Albizia
    11 Dez 2019 às 22:20

    O ICV DIZ QUE É FALHA DA FISCALIZAÇÃO PELA DEVASTAÇÃO DA FLORESTA E A REALIDADE É QUE O GOVERNO DE MATO GROSSO COM A MAIORIA DOS DEPUTADOS VIVEM LEGISLANDO A FAVOR DAS CAUSAS PRÓPRIAS, ISTO É REVOGANDO LEI DA FISCALIZAÇÃO DE DEFESA DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DO INDEA COM MAIS DE 40 anos. E TAMBÉM CRIANDO LEIS QUE AMPLIA O LIMITE PARA DESMATAR, TUDO ISSO É SIMPLESMENTE PARA AFROUXAR A FISCALIZAÇÃO DO DESMATAMENTO ILEGAIS E DO TRANSPORTE DE MADEIRAS ILEGAIS COMO A CASTANHEIRA, O PIQUI E A SERINGUEIRA PROIBIDAS DE CORTE E TANTAS OUTRAS.

  • Talisia
    11 Dez 2019 às 14:57

    A REALIDADE É UMA SÓ CONTRA A DEVASTAÇÃO, A FLORESTA DO ESTADO DE MATO-GROSSO VEM SOFRENDO BASTANTE COM O DESMATAMENTO ILEGAL A MUITO TEMPO. A BUSCA INCESSANTE PELO LUCRO A CORRUPÇÃO E O COMODISMO DAS NOSSAS AUTORIDADES SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS DESTE TRÁGICO PROBLEMA, E TAMBÉM A PORTA DO ESTADO ESTÁ ABERTA ( SEM FISCALIZAÇÃO ) PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS COMO A CASTANHEIRA,O PIQUI, E A SERINGUEIRA(PROIBIDAS DE CORTE) E TANTAS OUTRAS, E AINDA MAIS A FISCALIZAÇÃO E A IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS SEMPRE INCOMODOU E INCOMODA A MAIORIA DOS DEPUTADOS O GOVERNO OS FAZENDEIROS E AQUELAS MADEIREIRAS QUE QUEREM ANDAR NA ILEGALIDADE, A FLORESTA NÃO É SÓ PARA A PRESENTE GERAÇÃO MAIS TAMBÉM PARA AS FUTURAS GERAÇÕES.

  • CHIRRÃO
    11 Dez 2019 às 14:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ptolomeu
    11 Dez 2019 às 13:52

    Quem é esse instituto? Trabalha para quem? É brasileiro? Ou apenas mais uma ONG?

Sitevip Internet