Olhar Direto

Terça-feira, 22 de setembro de 2020

Notícias / Política MT

Toninho diz que julgamento de Abílio será político e que 'inimigos' do parlamentar devem confirmar cassação

Da Redação - Érika Oliveira

14 Dez 2019 - 16:30

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Toninho diz que julgamento de Abílio será político e que 'inimigos' do parlamentar devem confirmar cassação
Presidente da Comissão de Ética da Câmara de Vereadores de Cuiabá, o vereador Toninho de Souza (PSD) afirmou que o processo de cassação de Abílio Júnior (PSC) deve efetivar a perda do mandato do parlamentar, pois em sua avaliação o colega cultivou “inimizades” dentro do Parlamento. Pivô de várias polêmicas na Câmara Municipal nos últimos anos, Abilio responde ainda por supostos excessos cometidos fora do Parlamento.

Leia mais:
Abílio se desculpa com Juca do Guaraná e admite que pode ter sido usado por servidora

“O julgamento, ele é político, é do Plenário. Nós fizemos o nosso papel de levantar as informações a respeito das acusações que pesam contra o Abílio, mas é o Plenário que decide. Cabe a cada vereador dar o seu voto. O que eu vejo é que o Abilio perdeu o foco. Ele criou uma serie de inimizades dentro do Parlamento. O adversário do Abilio sempre foi o prefeito, a gestão do Emanuel Pinheiro. O erro do Abilio foi pessoalizar e atirar para tudo quanto é lado, ao invés de focar na gestão e não no pessoal do prefeito. Ele trouxe essa briga pessoal para dentro da Câmara. Então, hoje ele tem uma série de inimigos dentro do Parlamento. E isso vai pesar muito na votação contra ele. Ele deu o tiro errado. Pelo comportamento dele, pelo grau de inimizade que ele criou aqui, fica difícil. Na política dizem que as divergências brigam, mas o homem não pode brigar. O Abilio transpôs essa situação”, avaliou Toninho.

O pedido de cassação de Abilio foi protocolado por seu suplente, Oséias Machado (PSC). O documento cita diversas situações, de acordo com Oséias, ‘incompatíveis com o decoro parlamentar, por abuso das prerrogativas constitucionais asseguradas ao vereador’.

Dentre as situações citadas pelo suplente, estão publicações em suas redes sociais e discussões com outros vereadores ocorridas em Plenário. Ao longo da investigação, surgiu como testemunha contra o vereador Elizabete Maria de Almeida, servidora do Hospital São Benedito. O depoimento dela, no entanto, acabou sendo favorável ao parlamentar. Ela disse ter presenciado uma reunião na casa do vereador Juca do Guaraná (Avante) em que o prefeito Emanuel Pinheiro teria aparecido e oferecido dinheiro para comprar votos pela perda do mandato de Abílio.

As informações repassadas pela testemunha foram encaminhadas para a Delegacia Fazendária (Defaz) e Gaeco, porque, segundo a Comissão de Ética, o conteúdo foge da alçada da investigação sobre ética parlamentar.

Na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador Juca do Guaraná entregou imagens do circuito interno do condomínio em que mora e registros de entrada e saída de visitantes para provar que Elizabete Jamais esteve no local. Ele confirma que se reuniu com vereadores em casa e sustenta que as imagens apresentadas pela denunciante são fragmentos de postagens feitas pelos próprios participantes do evento.

Esta semana, durante sessão, Abílio se desculpou com Juca, admitiu que pode ter sido usado pela servidora Elizabete Maria de Almeida e pediu fim do ‘espetáculo’ que virou a briga dos dois.

“Isso é reflexo da extensão dessa pessoalidade. E aí eu não falo só de Abílio, mas da oposição em si, que age com muito rancor, com muito ódio. Nessa situação, por exemplo, não tiveram o cuidado de esperar os devidos esclarecimentos. Ela chegou à Comissão de Ética, eu não trouxe isso para dentro do processo, mas fiz o que deveria ser feito que foi levar ao Ministério Público. A oposição, na ânsia de atingir o prefeito, na ânsia de atingir alguns vereadores aqui dentro, já tornou tudo aquilo verdade. Ao passo que ao longo desse período não se confirmou tudo aquilo que saiu na imprensa. O Ministério Público ainda vai concluir sua investigação, mas o próprio Abilio ao pedir desculpa já reconhece que aquela situação não era do tamanho que ele colocou. Ele assumiu que errou. Mas esse arrependimento veio na hora certa? Veio tarde? Isso é o Plenário que vai dizer”, pontuou Toninho.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet