Olhar Direto

Segunda-feira, 06 de abril de 2020

Notícias / Política MT

Senador descarta impeachment, mas alerta Bolsonaro: não pode desautorizar o próprio ministro

Da Redação - Érika Oliveira

26 Mar 2020 - 18:47

Foto: Assessoria de imprensa

Senador descarta impeachment, mas alerta Bolsonaro: não pode desautorizar o próprio ministro
Em Brasília cumprindo agenda parlamentar virtualmente, o senador Wellington Fagundes (PL) informou nesta quinta-feira (26) que o Congresso já está analisando as medidas de enfrentamento ao coronavírus, o que inclui a possibilidade de auxílio financeiro à população mais carente e a manutenção das ordens de quarentena para conter a pandemia. Paralelo à isto, os congressistas tentam aliviar a crise política provocada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e amenizar os ânimos da oposição ao Governo, que defende o impeachment. 

Leia mais: 
Ministro da Saúde contraria Bolsonaro: se esse vírus não gostasse de calor, Cuiabá estaria bem 

“Ainda é momento de ficar em casa, do isolamento. É claro que não podemos deixar de ter abastecimento, os prefeitos não podem tomar medidas drásticas que prejudiquem isso e é nessa linha que precisamos evoluir. Mas a disputa política não pode estar presente nesse momento, nós temos que salvar vidas, cuidar das pessoas. Por isso é que temos que ter equilíbrio dos gestores públicos, da classe política e de todos os Poderes. Um presidente da República não pode jogar nas costas dos outros a responsabilidade, a culpa lá na frente não será de prefeitos ou de governadores, será de todos nós. Temos que cuidar da economia sim, mas com planejamento. Aqui no Congresso não estamos trabalhando com a hipótese de impeachment do presidente, porque nesse momento seria muito pior, mas o presidente não pode desautorizar o seu ministro da Saúde”, alertou Fagundes. 

A fala do senador foi uma resposta a jornalistas, durante videoconferência, que questionaram Wellington sobre as declarações do presidente esta semana. Em pronunciamento em rede nacional de televisão, Bolsonaro encorajou a população a retomar suas atividades rotineiras e criticou governadores e prefeitos que promoveram quarentena em suas regiões. 

Bolsonaro culpou os meios de comunicação por espalharem, segundo ele, uma sensação de "pavor". E disse que, se contrair o vírus, não pegará mais do que uma "gripezinha". Além disso, justificou que o número de mortes na Itália tem relação com o clima do país. “Grande parte dos meios de comunicação foram na contramão. Espalharam exatamente a sensação de pavor, tendo como carro-chefe o anúncio do grande número de vítimas na Itália, um país com grande número de idosos e com o clima totalmente diferente do nosso”. 

“Tudo que aconteceu no mundo o Brasil tem a oportunidade de ver, aprender e pôr em prática aquilo que deu certo em outros países. O que o Brasil fez inicialmente através do Ministério da Saúde foi obedecer às recomendações da OMS. Foi um choque inicial. E agora começou a preocupação com a economia, porque realmente não pode parar completamente. Há a recomendação ainda do home office, do isolamento, é uma necessidade e nós vamos ter que nos adaptar. Mas as coisas não podem ser feitas de forma atordoadas, o presidente da República precisa ter unicidade em seu Governo. O Mandetta vinha fazendo um trabalho excelente, não pode o presidente praticamente contradizer as orientações dele e que haviam sido recomendadas pela OMS. É uma visão não só econômica, é política em primeiro lugar. O Governo Federal atrasou as medidas e foi por isso que os estados se adiantaram, foi o que gerou esse conflito. Essa briga política pode gerar o País a um caos ainda maior”, reforçou o senador. 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcos
    27 Mar 2020 às 10:52

    Encrivel como um presidente depreparado faz com uma nação , nao fez um planejamento já no mês de janeiro sobre essa pandemia , ainda passou os meses brigando mais sem dar solução , colocou no começo o povo dentro de casa mas sem dar assistência , agora mudou de opinião porque a economia não aguenta ninguém dentro de casa , e com isso obrigando os governadores ter uma solução , colocar o povo dentro das casa , mas como se tudo mundo depende de trabalhar ..mas povo votou queria um presidente assim , elegeu ele sem um projeto para pais ....mas ainda tem muitos insiste que ele não e cupado de nada ...e até lá ele vai prejudicar muito o Brasil com a falta de preparo e planejamento ....comecem agora a pegar corona vírus no seu serviso que isso vai ser normal , hospitais cheios com trastorno , e muitas pessoas morrendo sem esclarecimento só vai falar morreu de gripe ...

  • Dudu
    27 Mar 2020 às 09:39

    Quem tem o exército e a população de bem ao seu lado, não teme qualquer tipo de ameaça!

  • lucenar pinto
    27 Mar 2020 às 09:00

    complicado, bom, cobrar esses sujeito depois, para o bem ou para o mal.

  • josé de souza
    26 Mar 2020 às 22:28

    OS APOSENTADOS ESTÃO PEDINDO QUE ATRAVÉS DO SENHOR SENADOR WF QUE A CX. ECONOMICA ATENCIPA O DÉCIMO, SEM BUROCRÁCIA, E U JURO MAIS EM CONTA

  • Zumbi
    26 Mar 2020 às 20:18

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet