Olhar Direto

Sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Notícias / Cidades

“Mães pela Diversidade MT” emite nota de repúdio por atitudes homofóbicas da última semana

Da Redação - Isabela Mercuri

02 Jul 2020 - 10:04

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

“Mães pela Diversidade MT” emite nota de repúdio por atitudes homofóbicas da última semana
O grupo “Mães pela Diversidade MT” emitiu uma nota de repúdio em relação a duas atitudes homofóbicas que aconteceram no estado de Mato Grosso na última semana. Uma delas, inclusive, protagonizada por um apresentador de televisão.

Leia também:
Defensoria pede indenização de R$ 100 mil a apresentador de TV após atos homofóbicos

Mulher diz ser “profeta de Deus” e agride vendedor de passagens em rodoviária; veja vídeo
 
“Quando um LGBTQI+ é agredido, exposto ao vexame e diminuído nesta sociedade discriminatória e violenta, dói o coração de todas as Mães pela Diversidade que, irmanadas nesta dor, gritam por respeito a seus filhos. Respeitem nossos filhos”, afirma a nota.
 
O primeiro caso aconteceu na cidade de Alta Floresta (791km de Cuiabá), no último dia 17 de junho. Nesta data, o apresentador Welerson de Oliveira Dias, da TV Nativa/Record, fez comentários sobre o defensor público Vinicius Ferrarin, ironizando o “jeito gay” dele de ser. O profissional ainda imitou trejeitos e tentou ridicularizar o defensor.
 
Em resposta, a Defensoria Pública de Mato Grosso ingressou com uma ação civil pública (ACP) contra a TV Nativa, afiliada da TV Record em Alta Floresta, na pessoa de sua sócia-proprietária, Vera Lúcia Cardoso, e contra o apresentador de TV e radialista no município, solicitando uma indenização de R$ 100 mil por dano moral coletivo contra a comunidade LGBTI.
 
Já no dia 28 de junho, outro caso ganhou repercussão nacional: o de uma mulher, identificada como Rosenete Ribeiro Taques, que foi presa por agredir e ameaçar um vendedor de passagens, no Terminal Rodoviário de Lucas do Rio Verde (a 330 quilômetros de Cuiabá). Em vídeo gravado por uma testemunha também mostra a suspeita praticando crime de homofobia contra a vítima e dizendo ser “profeta de Deus”.
 
Segundo o grupo ‘Mães pela Diversidade’, o mais impressionante é que ninguém interferiu neste caso. “Tanto João Victor quanto Vinicius afirmam que nunca se sentiram tão impotentes, sem forças para reagir aos ataques”, lamentaram.
 
Leia a íntegra da nota:
 
NOTA DE REPÚDIO
RESPEITEM NOSSOS FILHOS - MÃES PELA DIVERSIDADE MT CONTRA A HOMOFOBIA

 
Duas situações vergonhosas, registradas nos últimos dias em Mato Grosso e que tiveram repercussão nacional, mostram como a homofobia pode ser cruel, humilhante, vexatória e perigosa à vida da população LGBTQIA+.
 
Dia 17 de junho, em Alta Floresta, o apresentador Welerson de Oliveira Dias, da TV Nativa/Record, expôs o defensor público Vinicius Ferrarin, em rede de televisão, ironizando o “jeito gay” dele de ser. Imitou trejeitos, tentou ridicularizá-lo. O evento foi o estopim de uma série de insultos que o apresentador já vinha dirigindo ao defensor. Um absurdo inaceitável, um jornalismo desprezível.
 
O outro caso aconteceu neste domingo (28), justamente no Dia do Orgulho LGBTQIA+. Uma mulher, identificada como Rosiane Ribeiro, dizendo-se “serva de Deus”, não somente insultou um jovem trabalhar de 23 anos, João Victor da Silva Pedroso, que estava a serviço no guichê da Rodoviária de Lucas do Rio Verde, como também pegou uma barra de ferro e atentou contra ele e os equipamentos do local, pelo simples fato dela ter percebido que ele é homossexual e acreditar que isso é “coisa do diabo”. O impressionante é que ninguém, nenhum dos presentes, interferiu.
 
Tanto João Victor quanto Vinicius afirmam que nunca se sentiram tão impotentes, sem forças para reagir aos ataques.
 
Diante disso, a organização não-governamental Mães pela Diversidade MT vem a público repudiar tais ofensivas e se solidarizar com os dois rapazes ofendidos em sua dignidade. Nessa hora, não importa classe social, a homofobia fere e iguala todos.
 
Mas não, eles não estão sozinhos. Responsáveis por essas vergonhas serão acionados judicialmente e igualmente cobrados socialmente.
 
Quando um LGBTQI+ é agredido, exposto ao vexame e diminuído nesta sociedade discriminatória e violenta, dói o coração de todas as Mães pela Diversidade que, irmanadas nesta dor, gritam por respeito a seus filhos. Respeitem nossos filhos!
 
É tempo de extirpar a homofobia de Mato Grosso. Não é vergonha ser quem se é. Amar quem se quer. Construindo um mundo onde todos podem usufruir de direitos e dignidade.
 
Coordenadora do Mães pela Diversidade MT, Josi Marconi

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Chacal
    02 Jul 2020 às 14:58

    Estamos vivendo uma época do empoderamento homossexual, se continuar assim os heterossexuais sentirão vergonha de sua situação.

  • Dora Avent.
    02 Jul 2020 às 14:53

    Ô notícia sem futuro!!

  • Laura
    02 Jul 2020 às 14:40

    Absurdo mesmo é após ler uma notícia desse tipo, ver comentários como os da Mariana e do Vanderlei. O mundo em uma pandemia nos últimos meses... E a homofobia ocorrendo há tantas dezenas, centenas de anos.. e ferindo, matando pessoas simplesmente por serem quem são e por amarem. Incrível como as pessoas se preocupam e se intrometem na vida e no amor alheio e encontram argumentos para justificar ou diminuir as agressões gratuitas que gays sofrem. Que os homofóbicos fiquem dentro dos armários e sintam vergonha... Pq a população glbtqi estão nas ruas e serão felizes sim.

  • Van Damme
    02 Jul 2020 às 14:11

    Minha solidariedade ao apresentador.

  • Paolo
    02 Jul 2020 às 13:49

    Kkkkkkkkk cada uma de quem não tem oq fazer.

  • Eita
    02 Jul 2020 às 13:24

    Esse povo que acha que é mimi sempre aparece. Se não faz diferença pra vcs pq comentar? Em vez de vigiar vida alheia deveriam vigiar os políticos rolando com nosso dinheiro nos bordéis da vida com as travestis enquanto matam elas na frente das câmeras. Se não ta legal pra todos não ta legal pra ninguém.

  • Brenno
    02 Jul 2020 às 13:02

    É só aparecer uma notícia com tema homossexual, que aparecem pessoas criticando, né Mariana e Vanderlei? Dizendo que tem coisa mais importante. Uma coisa não anula a outra. Daí você lê comentários com pessoas preocupadas com pandemia, com guerra, com fome, mas que no dia a dia não dão um pio em relação a esses temas. É pra dar risada viu Kkkkkkk

  • Vanderlei Borges de Freitas
    02 Jul 2020 às 12:44

    Esse site não tem nada mais importante para noticiar ? O mundo gira só em torno da causa gay ? Vão procurar fazer alguma coisa de útil para " toda " a sociedade . A humanidade enfrenta uma pandemia sem precedentes e vocês preocupados com isso ?

  • Mariana
    02 Jul 2020 às 11:20

    Já não se fazem mães como antigamente. É tanto vitimismo, que que dá até raiva.

Sitevip Internet