Olhar Direto

Quarta-feira, 30 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

Soltura de adolescente que matou amiga no Alphaville tem confusão e PM acionada; vídeo e fotos

Da Redação - Wesley Santiago

16 Set 2020 - 11:05

Foto: Bruno Pinheiro - TV Vila Real

Soltura de adolescente que matou amiga no Alphaville tem confusão e PM acionada; vídeo e fotos
12h01 - A adolescente de 14 anos deixou, agora há pouco, o Complexo do Pomeri, onde estava cumprindo internação determinada pela Justiça na última terça-feira (15). Após o habeas corpus ser deferido pelo Tribunal de Justiça, seu pai, o empresário Marcelo Cestari, foi buscá-la e, após confusão na frente da especializada, a menina saiu pela porta dos fundos.

A Polícia Militar chegou a ser acionada para retirar os jornalistas da frente do local. O advogado da família Cestari, chegou a ir até a frente da delegacia, para pedir que a imagem da adolescente fosse preservada, como rege o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).





11h05 - O empresário Marcelo Cestari chegou ao Complexo do Pomeri, em Cuiabá, no fim da manhã desta quarta-feira (16) para levar sua filha para casa, após o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) conceder habeas corpus para a adolescente de 14 anos, que matou a amiga de mesma idade, Isabele Guimarães Ramos, no dia 12 de julho, no condomínio Alphaville.

Leia mais:
Justiça concede Habeas Corpus a adolescente acusada de matar amiga no Alphaville
 
A menor deverá ser liberada antes do almoço e seguirá para a residência da família Cestari. Ela deverá responder ao processo em liberdade, após a decisão do desembargador Rui Ramos desta quarta-feira. Ele entendeu que “a internação provisória é medida que se evidencia desproporcional".
 
Ao chegar no Complexo Pomeri, o empresário disse que a família está cumprindo todos os procedimentos que a Justiça determina. “Ontem, determinou a internação, nós a apresentação e agora houve a decisão para que ela saísse e viemos retirá-la”.

 

“Estamos a todo tempo sendo colaborativos, não existe nenhum criminoso, nenhuma pessoa que queira fugir ou coisa do tipo. Estamos prestando e dando satisfação a todo momento para a Justiça”, completou o empresário.

HC

A Justiça acaba de deferir Habeas Corpus para a adolescente de 14 anos, acusada de matar a amiga de mesma idade, Isabele Guimarães Ramos, no dia 12 de julho, no condomínio Alphaville, em Cuiabá. Ela se entregou na noite da última terça-feira (15), após ter sua internação decretada. No mesmo dia, seguiu para o Complexo do Pomeri, onde estava em cela isolada, por conta dos procedimentos do novo coronavírus.

"A decisão, em razão da sua ilegalidade, foi cassada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso em sede de Habeas Corpus Liberatório impetrado pela defesa. A menor responderá em liberdade à acusação que lhe foi imputada", disse o advogado da família, Artur Barros Freitas Osti, através de nota.

O desembargador ainda entendeu que a liberdade da menor para responder o processo em liberdade não oferece risco para sua segurança pessoal ou para a ordem pública, o que poderia justificar a sua internação. 

A chegada da adolescente na DEA, na noite de ontem, foi com o pai Marcelo Cestari. Logo após, chegaram também a mãe e a irmã, em um Corolla branco, poucas horas após a justiça decretar a internação. Os investigadores explicaram ao Olhar Direto que não houve apreensão pela Polícia. A adolescente se entregou após uma negociação de duas horas com a defesa. 

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) já havia informado pela manhã que o juízo da 2ª Vara da Infância e Juventude da Capital tinha recebido a representação contra a adolescente acusada de matar a amiga Isabele Guimarães Ramos no Condomínio Alphaville, em Cuiabá.

No caso, a adolescente responsável pelo disparo que matou Isabele Guimarães Ramos no condomínio Alphaville responderá por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso.
 
A Polícia indiciou ainda o empresário Marcelo Cestari, pai da jovem atiradora, pelos crimes de posse de arma de fogo, homicídio culposo (sem intenção de matar), por entregar a arma para adolescente e por fraude processual. Marcelo Cestari será julgado em outro processo.

No Pomeri, a adolescente passou a noite em um quarto separado, devido aos protocolos por conta do novo coronavírus. Apenas após sete dias é que ela seria integrada aos outros menores que estão na unidade. Sua saída deve acontecer ainda nesta quarta-feira.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet