Olhar Direto

Quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Notícias / Política MT

Selma diz que Coronel Fernanda foi inventada por Galli e significa "segunda facada" em Bolsonaro

Da Redação - Max Aguiar

24 Set 2020 - 10:28

Foto: Rogério Florentino Pereira/ OD

Selma diz que Coronel Fernanda foi inventada por Galli e significa
A ex-juíza Selma Arruda (Podemos), que atualmente é a principal cabo eleitoral do pré-candidato ao Senado, Reinaldo Morais (PSC), fez críticas duras ao ex-deputado federal Victório Galli (Patriotas) por ter "criado" a candidata Coronel Rúbia Fernanda (Patriotas) e ter "empurrado" guela abaixo do presidente Jair Bolsonaro nessa eleição. 

Leia mais:
Emanuel lamenta inércia da AL e leva denúncia contra Mendes a Brasília

"Com todo o respeito, eu não a conheço, mas ela foi inventada pelo Victório Galli  e colocada guela baixo ao presidente da República como se fosse uma pessoa certa, porque é uma mulher. Isso é um discurso vago", disse Selma.

Para Selma, que foi eleita senadora em 2018 com mais de 600 mil votos e teve o mandato cassado por crimes eleitorais no ano seguinte, Bolsonaro está recebendo uma segunda facada ao apoiar a candidata de Mato Grosso porque ela é casada com outro militar que foi candidato a deputado federal em 2018 pelo PV, partido de esquerda e que é contra toda ideia do presidente. 

"Ele [Jair Bolsonaro] foi forçado pelo [Victório] Galli para apoiar o coronel, ele havia optado por não apoiar ninguém. Então não é uma coisa espontânea, é uma coisa que foi forçada. Eu digo mais. Eu vejo como uma segunda facada, porque essa coronel é casada com uma pessoa que foi candidato a deputado federal do PV, que é um partido totalmente de esquerda e diferente, mas pegar a pessoa, levar ao presidente e dizer que nasceu de direita, é uma traição política que o Vitório galli está fazendo com ele", comentou Selma em visita ao Olhar Direto. 

A eleição suplementar ao Senado só acontece em Mato Grosso devido Selma ter sido cassada e o cargo ter ficado vago. Com isso, para não haver uma perda política para Mato Grosso, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o terceiro colocado na última eleição, naquela situação foi o candidato Cárlos Fávaro (PSD), assumisse a cadeira até que houve um novo pleito. 

Por conta disso, Selma nessa campanha irá se licenciar do partido em que está filiada, que é o Podemos e tem o candidato José Medeiros como opção ao Senado, para apoiar Reinaldo Morais, empresário do ramo de frigorífico de suínos. 

Ainda na entrevista, os disparos de Selma não pararam por aí. Ao críticar a candidatura da Coronel Fernanda, Selma ainda afirmou que nem em Sinop ela caminhou com ele. Quem teve total abertura do presidente foi um dos suplentes de Reinaldo. 

"Ele foi forçado pelo Galli para apoiar o coronel, ele havia optado por não apoiar ninguém. Tanto é que na vinda dele em Sinop ele mal se aproximou da coronel e ao contrário, ele gravou vídeo e abraçou o Gilberto Catani (PRTB) que é o suplente do Reinaldo. O que o Galli está fazendo com ele é se aproveitando não apenas da situação de ter sido deputado federal, mas por ser religioso também, o que acaba dando uma abertura do Galli com o presidente. Isso levou até o presidente a contrariar o laço com Medeiros", revela Selma. 

Segundo a ex-senadora, ela ainda continua tendo relações amigáveis com o presidente Jair Bolsonaro e sempre "Com todo o respeito, eu não a conheço, mas ela foi inventada pelo Victório Galli  e colocada goela abaixo ao presidente da República como se fosse uma pessoa certa, porque é uma mulher. Isso é um discurso vago", disse Selma.

Para Selma, que foi eleita senadora em 2018 com mais de 600 mil votos e teve o mandato cassado por crimes eleitorais no ano seguinte, Bolsonaro está recebendo uma segunda facada ao apoiar a candidata de Mato Grosso porque ela é casada com outro militar que foi candidato a deputado federal em 2018 pelo PV, partido que não se alinha ao presidente. 

"Ele [Jair Bolsonaro] foi forçado pelo [Victório] Galli para apoiar o coronel, ele havia optado por não apoiar ninguém. Então não é uma coisa espontânea, é uma coisa que foi forçada. Eu digo mais. Eu vejo como uma segunda facada, porque essa coronel é casada com uma pessoa que foi candidato a deputado federal do PV, que é um partido totalmente de esquerda e diferente, mas pegar a pessoa, levar ao presidente e dizer que nasceu de direita, é uma traição política que o Vitório Galli está fazendo com ele", comentou Selma em visita ao Olhar Direto. 

A eleição suplementar ao Senado só acontece em Mato Grosso devido ao fato de Selma ter sido cassada e o cargo ter ficado vago. Com isso, para não haver uma perda política para Mato Grosso, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o terceiro colocado na última eleição, naquela eleição, Carlos Fávaro (PSD), assumisse a cadeira até um novo pleito. 

Por conta disso, Selma nessa campanha irá se licenciar do Podemos, partido em que está filiada e lançou a candidatura de José Medeiros como opção ao Senado, para apoiar Reinaldo Morais, empresário do ramo de frigorífico de suínos. 

Ao criticar a candidatura da Coronel Fernanda, Selma ainda afirmou que nem em Sinop ela caminhou com ele. Quem teve total abertura do presidente foi um dos suplentes de Reinaldo. 

"Ele [Bolsonaro] foi forçado pelo Galli para apoiar o coronel, ele havia optado por não apoiar ninguém. Tanto é que na vinda dele em Sinop ele mal se aproximou da coronel e ao contrário, ele gravou vídeo e abraçou o Gilberto Catani (PRTB) que é o suplente do Reinaldo. O que o Galli está fazendo com ele é se aproveitando não apenas da situação de ter sido deputado federal, mas por ser religioso também, o que acaba dando uma abertura do Galli com o presidente. Isso levou até o presidente a contrariar o laço com Medeiros", declara Selma. 

Segundo a ex-senadora, ela ainda continua tendo relações amigáveis com o presidente Jair Bolsonaro e sempre que pode, ambos conversam por telefone, mas o presidente, segundo a ex-magistrada, é um homem mais reservado. "Nós conversamos. Continuo amiga dele. Mas não é nada de bom dia, boa tarde não. Ele prefere falar mais com homens. Porém, temos nossa amizade sim", revelou. 
que pode conversam por telefone, mas o presidente, segundo a ex-magistrada, é um homem mais reservado. "Nós conversamos. Continuo amiga dele. Mas não é nada de bom dia, boa tarde não. Ele prefere falar mais com homens. Porém, temos nossa amizade sim", revelou. 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet