Olhar Direto

Segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Notícias / Cidades

Vídeo mostra soltura de onça-pintada que teve as patas queimadas durante incêndios no Pantanal

Da Redação - José Lucas Salvani

20 Out 2020 - 16:35

Foto: Reprodução

Vídeo mostra soltura de onça-pintada que teve as patas queimadas durante incêndios no Pantanal
Um vídeo divulgado pela Ampara Animal, nesta terça-feira (20), mostra o momento exato da soltura de Ousado, a onça-pintada que teve as patas queimadas durante os incêndios no Pantanal. O animal, que se tornou símbolo da destruição do bioma, foi solto em Poconé (a 102 km de Cuiabá), na região do Porto Jofre, mesmo local onde foi resgatado pela primeira vez.

Leia mais:
Vídeo mostra dificuldades de resgate a indígena atacado por onça no Pantanal

Segundo informações (via Catraca Livre), Ousado passou 36 dias em tratamento no Instituto de Preservação e Defesa dos Felídeos da Fauna Silvestre do Brasil em Processo de Extinção (Nex), em Corumbá de Goiás (GO).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Aquele momento que estávamos sonhandoooo, o PRIMEIRO VÍDEO da soltura do Ousado, onça capturada pela equipe da AMPARA com as quatro patas queimadas. Ele passou por tratamento intenso e, pouco mais de um mês depois, pôde ser solto na natureza, no Pantanal, no SEU lugar! Estamos em êxtase e queremos dividir essa vitória com vocês que tanto nos ajudaram! 😭😭 Obrigada, obrigada, obrigada!! Agradecemos especialmente a todos que colaboraram na nossa VAKINHA. Palavras nunca serão o bastante para descrever esse sentimento, de devolver um animal ao seu habitat!! A união de forças dessa ação se encontra aqui: 👇🏽 AMPARA Animal, @amparasilvestre , @aecopan, @ibamagov, @icmbiocenap, @jaguaridproject, @nex_noextinction, PANTHERA, @sema.matogrosso #pantanalemchamas #todospelopantanal #somostodospantanal #somostodossilvestres #emdefesadosanimais #protecaoanimal #amparanaopara

Uma publicação compartilhada por AMPARA Animal (@amparanimal) em



O animal protagonizou a série “Livre Acesso”, da Luisa Mell. Em entrevista, uma das voluntárias envolvidas no regaste, Eduarda Fernandes, detalhou como aconteceu. “Um dos piloteiros de pesca disse que tinha uma onça deitada no corixo negro, que é um dos corixos do Parque Estadual. Fomos lá e ele realmente não estava nada bem. Não conseguia andar e quando andava encostava as patas muito devagar no chão”.

A onça foi resgatada no Parque Estadual Encontro das Águas, em Poconé - região de Porto Jofre (Pantanal Mato-grossense). A região foi uma das mais atingidas pela força do fogo, tendo cerca de 85% da área destruída, segundo o Instituto Centro Vida (ICV).

Segundo as informações do Governo do Estado, a localidade conhecida pela alta concentração de onças pintadas teve 51 mil hectares, do total de 108 mil hectares, queimados pelo fogo iniciado há cerca de oito dias. Esse total representa mais de 71 mil campos de futebol.

“Mato Grosso está enfrentando uma situação de calamidade, especialmente no Pantanal, e os bombeiros estão em uma operação de guerra contra o fogo. Precisamos nos valer das melhores técnicas existentes no país e no mundo”, disse a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti, que defende o uso de retardantes para controlar os incêndios florestais, em setembro.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet