Olhar Direto

Terça-feira, 02 de março de 2021

Notícias / Ciência & Saúde

Incidência de câncer de pele é alta em Mato Grosso; cuidados desde a infância são fundamentais para prevenção

Da Assessoria

17 Dez 2020 - 10:02

Foto: Oncolog

Incidência de câncer de pele é alta em Mato Grosso; cuidados desde a infância são fundamentais para prevenção
Mato Grosso é um estado privilegiado, com belezas naturais e sol durante todo o ano. O que é perfeito para quem quer se refrescar em rios, cachoeiras ou mesmo na piscina. No entanto, esse mesmo sol é responsável pelo envelhecimento e pelo câncer de pele. Com a chegada do verão, época em que os índices de raios ultravioletas estão mais intensos, o cuidado deve ser redobrado.

Leia mais:
Veja onde fazer teste rápido da Covid-19 e RT-PCR em Cuiabá pelo SUS


A incidência de câncer de pele é maior no estado do que em outras regiões do país, porém a baixa notificação é um fator que compromete as estatísticas. Entretanto, os profissionais que atuam em Mato Grosso asseguram que o número de pessoas diagnosticadas com a doença no estado é alto. A Campanha Dezembro Laranja deste ano visa alertar sobre a doença, destacando a importância dos cuidados com o sol desde a infância.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia pontua que os hábitos de exposição solar das crianças são capazes de influenciar no envelhecimento e no desenvolvimento do câncer de pele. A doença tem fator acumulativo e, geralmente, têm incidência maior entre os 60 e 70 anos.

Desta forma, é importante cultivar hábitos de fotoproteção como o uso de óculos de sol, blusas com proteção UV, bonés, chapéus, filtro solar com proteção superior a 30 e evitar a exposição solar entre 9h e 15h. O cirurgião oncológico Rafael Sodré Vasconcellos, da clínica Oncolog, explicou que com a exposição solar as células podem sofrer mutações até se tornarem cancerígenas.

“Quando você é exposto desde criança até a fase adulta, isso é um fator de risco. Os tumores costumam aparecer na fase idosa e se esses tumores de pele não forem tratados no início podem virar casos bem graves, até com cirurgias mutiladoras. Existem pacientes que perdem o nariz, que perdem a orelha”, afirmou o profissional.

Dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam que o câncer de pele corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país. Por ano, são 185,4 mil novos casos registrados. Existem dois tipos de carcinomas: os melanomas e os não melanomas.

“O não melanoma pode ser dividido em basocelular e espinocelular. Baso representa cerca de 79% dos tumores de pele, enquanto o espino tem 20%. O melanoma é o mais raro e corresponde a apenas 10% da doença. A diferença é a origem do tumor. O melanoma vem de uma célula que dá o pigmento à pele, já o não melanoma vem da camada mais superficial da pele”, explicou.

Apesar de menos recorrentes, os cânceres melanomas têm capacidade maior de disseminação e, por isso, são mais agressivos. Riscos incluem a metástase e o comprometimento de órgãos como pulmão, cérebro e fígado. Nos casos menos graves, a doença pode ser resolvida com cirurgia.

Diagnóstico precoce é fundamental para evitar que a doença se espalhe. É preciso ficar atento às feridas que coçam, descamam, mudam de cor e não cicatrizam com facilidade. Consulta com dermatologista, clínico geral ou médico oncologista é recomendada para melhor avaliação.

“Uma coisa importante é que existem áreas do corpo que a gente não enxerga, como por exemplo as costas. Então é preciso pedir para outra pessoa olhar e ficar atento a esse tipo de lesão. A gente pega bastante paciente que não conseguiu perceber a ferida, só viu quando já estava sangrando na camisa, por exemplo, então é perceber também as áreas em que não é possível enxergar direito”, finalizou.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet