Olhar Direto

Domingo, 28 de fevereiro de 2021

Notícias / Cidades

"Policial militar não é justiceiro", diz comandante geral sobre confronto com dois mortos em Cuiabá

Da Redação - Fabiana Mendes / Da Reportagem Local - Max Aguiar

22 Jan 2021 - 17:01

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Jonildo José de Assis, comentou sobre o confronto entre bandidos e o Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam), na tarde desta sexta-feira (22), no bairro Novo Colorado, região do Sucuri, em Cuiabá. Dois criminosos foram mortos na ação.

Leia mais:
Dois bandidos morrem em confronto com policiais da Rotam em Cuiabá

“Uma situação que acontece. Situação onde nossa Instituição de maneira proporcional garantindo a vida do cidadão, ela dá uma resposta aceitável e a ideia é justamente essa, como eu gosto de dizer: O policial militar não é justiceiro. Nós não fazemos justiça com a própria mão, mas não admitiremos de maneira alguma o enfrentamento contra os policiais ou atentados contra a vida dos cidadãos. Iremos defender o cidadão”, disse Assis em entrevista ao Olhar Direto, na tarde desta sexta-feira (22), durante entrega das 250 viaturas às forças de segurança de Mato Grosso.

Segundo a Polícia Militar, a ocorrência começou com um sequestro em que os criminosos pediam R$ 2 mil de resgate. A vítima, uma idosa de 63 anos, teria sido rendida por volta das 10h, no bairro Jardim Cuiabá, e colocada no seu carro Sandero Stepway. 

Eles chegaram a libertar a vítima e na fuga, se deparam com uma viatura da PM. No veículo estavam cerca de cinco criminosos, sendo que dois deles morreram em uma troca de tiros.

Duas armas de fogo e um simulacro foram apreendidas. Um dos tiros efetuados pelo suspeito atingiu a pistola de um policial quando ainda estava no coldre, no colete.

Além do Batalhão Rotam, a ação mobilizou policiais do 10º Batalhão e Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

Entrega das viaturas
 
A entrega faz parte do Programa Mais MT, que prevê uma série de investimentos, sendo R$ 766 milhões somente em segurança pública.

Além de modernizar a frota, dando melhores condições de trabalho aos servidores que estão na ponta, o novo contrato de locação vai gerar uma economia de mais de R$ 17 milhões. O contrato de prestação de serviço atual está orçado em R$ 26,8 milhões pelo período de 30 meses. Já o contrato anterior previa pelo mesmo período e quantidade de veículos o montante de R$ 43,8 milhões.

As 250 viaturas serão distribuídas pelas seguintes forças de segurança: Polícia Militar, com 109 viaturas; Polícia Judiciária Civil (PJC), com 102 viaturas; Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) com 17 veículos; Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), com 12 viaturas; Corpo de Bombeiros Militar (CBM), com cinco viaturas e Sistema Socioeducativo, com mais cinco veículos.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet