Olhar Direto

Terça-feira, 11 de maio de 2021

Notícias | Política BR

DISPUTA AO SENADO

Coronel evita falar em apoio direto a Medeiros, mas garante seguir qualquer decisão de Bolsonaro: “minha função é ser leal”

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Coronel evita falar em apoio direto a Medeiros, mas garante seguir qualquer decisão de Bolsonaro: “minha função é ser leal”
Descoberta pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no ano passado, a Coronel Fernanda, que disputou as eleições suplementares ao Senado, se mantém firme no propósito de seguir a ordem do capitão, mesmo que seja para apoiar o nome do deputado federal José Medeiros (Podemos) na disputa pela senatoria em 2022.

Leia também:
Veja vídeo: Bolsonaro diz a apoiadores que Medeiros é seu candidato ao Senado em 2022

Medeiros foi o nome citado por Bolsonaro, quando o presidente foi questionado por seguidores que saíram de Mato Grosso para vê-lo em Brasília.

Fernanda, que agora se dedica a reorganizar vida pessoal e profissional (com projeto de abrir um escritório de advocacia), evitou falar diretamente que irá apoiar Medeiros ao Senado, mas garantiu seguir o que Bolsonaro definir.

“Estou na missão que o presidente me der. Quando vim em 2020, foi a convite do próprio presidente, não teve ninguém intermediando. Agradeço a ele por tudo, pois foi uma oportunidade que tive para crescer, ver a política de outra forma. Diante dessa declaração do presidente, eu vou apoiá-lo. Minha função é ser leal. O que ele achar que for melhor para o momento, vou apoiá-lo”, declarou ao Olhar Direto.

A coronel também espera Bolsonaro para definir qual partido se filiará e se será novamente candidata. Demonstra que independente da votação expressiva na corrida ao Senado, irá aceitar o espaço que seu padrinho político indicar.

“Não tenho conversado sobre política com ninguém, muitas pessoas tem me questionado, mas estou aguardando. O presidente, no último dia da campanha, me disse que eu faço parte do projeto dele”, afirmou.

Fernanda enfrentou Medeiros na eleição suplementar marcada pelo racha da direito, que lançou ao menos cinco representantes. Na ocasião, a coronel recebeu apoio do presidente e terminou disputa em segundo lugar, com 293.362 votos (20,49%). O deputado ficou em quarto, com 139.922 votos (9,70%).

Comentários no Facebook

Sitevip Internet