Olhar Direto

Sábado, 12 de junho de 2021

Notícias | Política MT

1,2 milhão de imunizantes

Queiroga quer que Sputnik vá para a União; Mauro sugere que PNI entregue doses primeiro a MT

Foto: Mayke Toscano / Secom MT

Queiroga quer que Sputnik vá para a União; Mauro sugere que PNI entregue doses primeiro a MT
O governador Mauro Mendes (DEM) participou, nesta terça-feira (20), de uma reunião com o ministro da Saúde Marcelo Queiroga e outros governadores para discutir o destino das doses da Sputnik negociadas pelos estados. Queiroga sinalizou que a União quer pagar pelas vacinas e, com isso, que elas fiquem no Programa Nacional de Imunização. Mauro, por sua vez, fez a contraproposta de as doses virem para MT, e o número ser ‘descontado’ das remessas seguintes de vacinas contra a Covid-19.

Leia também:
Wellington diz que Anvisa deve aprovar Sputnik, mas doses irão para a União

Ao todo, o Estado de Mato Grosso adquiriu 1,2 milhão de doses da vacina contra a covid-19. A reunião ocorreu na tarde desta terça-feira (20), por videoconferência, com a participação dos governadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste que compraram a Sputnik V.

 “Eu tenho defendido que o Estado de Mato Grosso prefere, em primeiro lugar, pagar pelas vacinas para que nós fiquemos com essas vacinas aqui no estado”, afirmou o governador.



Mauro relatou que, caso não seja possível essa primeira alternativa, que o Ministério da Saúde inclua no PNI as doses, mas as entregue apenas aos estados que fizeram a compra, como forma de antecipar as doses que já o Ministério já iria entregar.

“Ou seja, nós recebemos as vacinas aqui, aplicamos na nossa população, e as futuras entregas do PNI seriam descontadas e mandadas para os demais estados para poder futuramente reequilibrar essa conta em todo o país”, explicou.

De acordo com informações da assessoria de imprensa, a proposta de antecipação das doses, com a compensação, foi defendida por todos os governadores que adquiriram a Sputnik V. Marcelo Queiroga adiantou que irá encaminhar a proposta para análise da procuradoria do Ministério.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet