Olhar Direto

Terça-feira, 15 de junho de 2021

Notícias | Cidades

se converteu na cadeia

Assembleia de Deus diz que homem preso por roubo é cooperador e não pastor da igreja

Pastor José Genésio (esq.) e Pastor Ildo Rodrigues

Pastor José Genésio (esq.) e Pastor Ildo Rodrigues

Após Raimundo Nonato de Souza, 48 anos, ter sido preso por roubo na última sexta-feira (7) em Rondonópolis (219km de Cuiabá) e ter sido noticiado que ele era pastor, a igreja Assembleia de Deus se manifestou, afirmando que o homem foi batizado quando estava preso e que não era pastor, mas sim cooperador da igreja. O assaltante foi preso novamente.

Leia também:
Pastor é preso e confessa ter roubado dois bancos e joalheria 

Segundo o pastor Ildo Rodrigues, secretário adjunto da diretoria da igreja evangélica Assembleia de Deus em Rondonópolis, representante direto do pastor José Genésio da Silva, presidente da IEAD na cidade, Raimundo é um membro cooperador da igreja que se converteu no presídio da Mata Grande, para onde acaba de retornar.
 
Raimundo foi preso novamente durante assalto que resultou na subtração de R$ 40 mil, em uma agência bancária local. “Ele foi batizado nas águas, encontrou Jesus e como não podemos ter acesso a todos os atos da comunidade evangélica que existe dentro do presídio, Raimundo acabou, por algum momento, orando com seus irmãos de cela, louvando ao senhor e por seu perfil, eventualmente, pode ser que ali adquiriu certa liderança entre os dele. Mas isso jamais teve o crivo da igreja, a ponto de lhe ser atribuída tal nomenclatura”, detalhou Ildo.
 
Ildo ainda explicou que o pastor responsável pelos trabalhos da Assembleia de Deus na Mata Grande era Eli Alves, que morreu de Covid-19 em janeiro de 2021. “Raimundo chegou a ser solto pelo bom comportamento que acumulou, aqui fora o acolhemos, constituiu família e tornou se nosso cooperador, o que, obviamente, tem uma distância enorme até a posição de pastor”, reiterou.
 
O pastor diz que a igreja lamenta o fato, mas reforçou que apoia integralmente o trabalho da polícia e da Justiça no caso. “Infelizmente, não podemos prever e muito menos impedir uma situação dessas. Muitos são os que nestas condições jamais retornam à sua antiga vida, mas há alguns que caem e a partir disso nós esperamos que a justiça dos homens faça seu trabalho, não nos resta mais nada. Deus, em sua infinita misericórdia, sempre estará de braços abertos pra ele e pra todos nós”, finalizou Ildo.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet