Olhar Direto

Domingo, 19 de setembro de 2021

Notícias | Política MT

REEDIÇÃO DO FEEF

Gilberto afirma que filantrópicos terão “prejuízo” com nova lei que destina 20% para assistência social

04 Ago 2021 - 09:47

Da Redação - Airton Marques / Do Local - Max Aguiar

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Gilberto afirma que filantrópicos terão “prejuízo” com nova lei que destina 20% para assistência social
O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou que os hospitais filantrópicos que eram beneficiados com os recursos do extinto Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF) ficarão no prejuízo com a aprovação do projeto de lei 600/2021, que mantém por dois anos o pagamento de contrapartida pelo gozo de incentivos fiscais ou financeiros relacionados ao ICMS em Mato Grosso.

Leia também:
Valor apreendido em casa de secretário durante operação corresponde a R$ 70 mil

É que o projeto aprovado pela Assembleia Legislativa (ALMT) em 19 de julho reduziu de 16 para apenas três os setores que continuam obrigados a dar tal contrapartida. São eles: as esmagadoras de soja e de milho e fabricantes de óleos vegetais, exceto óleo de milho.

Além disso, O FEEF era destinado exclusivamente para a saúde, agora 20% serão destinados para o Fundo de Apoio às Ações Sociais de Mato Grosso (FUS/MT).

“Os hospitais filantrópicos tiveram determinado prejuízo nas últimas alterações do FEFF. O fundo reduziu sua base de arrecadação e foi distribuído para mais hospitais, então, aqueles que originalmente recebiam sofreram um baque nesse repasse. Esperamos agora o fluxo que irá existir com a nova lei aprovada para que possamos mensurar isso. Se tira de um lugar, logicamente diminui o repasse”, afirmou.

Dentro do fundo da saúde, o texto retira os 20% para a Assistência Farmacêutica e acrescenta ao montante previsto para as Santas Casas, hospitais e entidades filantrópicas (que fica com 80% dos recursos destinados à Saúde). O texto ainda estabelece que a distribuição do percentual previsto para as unidades de saúde obedecerá critérios de produção e complexidade acertado conforme disposto em portaria a ser editada para este fim pela Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Apesar da redução de recursos para algumas unidades de saúde, Gilberto avalia que o projeto aprovado é positivo, já que destina parte do arrecadado para a assistência social. “A área social demanda de mais investimento, pois a população está sofrendo com a pandemia. O importante é que os recursos sejam aplicados de forma correta e iremos torcer para que mais famílias possam ser atendidas na área social”.

Remanescente

O secretário, no entanto, negou a existência de saldo remanescente do FEEF para os filantrópicos. O tema foi até debatido pelos parlamentares, que apontaram a existência de R$ 77 milhões não utilizados pela SES. O presidente, Max Russi (PSB) chegou a apresentar emenda ao projeto (que nem foi votada), para o montante também fosse destinado para a saúde e assistência social.

“Na secretária de Saúde, parte dos recursos do FEFF é destinada para assistência farmacêutica e para atenção básica de saúde. Então, na gestão da secretaria, nós temos uma conta corrente e, à medida que vamos fazendo aquisição de medicamentos, nós utilizamos. Esse saldo não é de um recurso dos hospitais, mas saldo do superávit do orçamento do estado que tivemos e que não foi gasto nas áreas que podemos gastar. Em 30 meses de gestão, não temos um único atraso nos repasses para os 141 municípios”, pontuou.
 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet