Olhar Direto

Segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Notícias | Cidades

voltando aos poucos

Prefeito de Chapada diz que Véu de Noiva sofre consequências de secas de 2019 e 2020 e promete limpezas de calha

18 Set 2021 - 16:05

Da Redação - Isabela Mercuri / Do local - Airton Marques

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Prefeito de Chapada diz que Véu de Noiva sofre consequências de secas de 2019 e 2020 e promete limpezas de calha
O prefeito de Chapada dos Guimarães, Osmar Froner (MDB), afirmou que a cachoeira Véu de Noiva, que foi fotografada praticamente sem água na última semana, sofre ainda consequências das secas rigorosas de 2019 e 2020. De acordo com ele, no entanto, o rio Coxipózinho, que corre para a cachoeira, está voltando aos poucos.

Leia também:
Veja detalhes dos projetos do governo para Véu de Noiva e Portão do Inferno

“Desde o início de julho nós tivemos um exaurimento muito grande de várias nascentes nossas, já no início do mês de julho estávamos abastecendo oito comunidades rurais com caminhão pipa. E percebendo isso, requeremos da Defesa Civil um relatório e ela nos indicou decretar situação de emergência”, lembrou Froner.

Segundo o prefeito, atualmente há 22 comunidades com dificuldade de abastecimento. “Nós estamos atendendo com pipa, fomos contemplados pela Defesa Civil nacional com garrafões de água, estamos perfurando sete poços artesianos com recursos próprios e seis poços num convenio com a Funasa, ligando água, socorrendo a população e junto com a população”, explicou.

Especificamente em relação ao Véu de Noiva, o prefeito explicou que a cachoeira Véu de Noiva tem sua água do rio Coxipózinho, que está em um polo perigoso e sofreu muito com as secas de 2019 e 2020, mas que está voltando aos poucos.

“Há também uma grande reivindicação sobre os bombeamentos de irrigação, mas o Coxipózinho sempre teve algumas hortaliças exploradas no seu percurso e que exigiram que os produtores reduzissem sua captação. Nós estamos fazendo um trabalho de limpeza da calha do Coxipózinho, que ficam folhas, árvores caídas para que tão logo venha a chuva possa retomar e reativar esse ponto turístico. Mas ele é muito cíclico, o lago do Manso está com 14% do seu volume, está com uma cota de 279, falta um metro para ficar na mínima, e é bastante drástica a situação nossa, estamos nesse enfrentamento”, argumentou.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet