Olhar Direto

Sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Notícias | Cidades

Paralisação

Por reajuste de salário, mais de 30 mil trabalhadores da construção civil ameaçam entrar em greve no Estado

Foto: Reprodução

Trabalhadores podem paralisar atividades a partir de 8 de abril.

Trabalhadores podem paralisar atividades a partir de 8 de abril.

Por reajuste de 11,57% sobre os salários, cerca de 30 mil trabalhadores da construção civil de Cuiabá e região metropolitana ameaçam entrar em greve, a partir do dia 8 de julho. Na data eles se reunirão com o Sindicato da Indústrias Civil do Estado de Mato Grosso (Sinduscom), para a apresentação das propostas. Na segunda-feira (20), o Sindicato ofereceu aditivo de 6,4%%, mas o valor foi repudiado pelas representações laborais e trabalhadores presentes.

Leia mais:
Governo do Estado deve cortar ponto de grevistas que descumprem decisão judicial

De acordo com a categoria, o percentual é inferior ao da inflação, cuja média é de 9,8%, Além disso, o pagamento seria realizado em duas vezes, sendo uma no salário de julho, retroativo a maio; e outra em novembro. A partir desta terça (21), os sindicatos percorrerão os canteiros de obras para explicar aos trabalhadores o impasse nas negociações e para mobilizá-los em caso de paralisação geral.

Além da Capital, a mobilização envolve sindicatos de trabalhadores da construção e mobiliário de todo o Estado, exceto região sul. O entendimento dos sindicatos é de que as categorias não podem ser penalizadas pelo  contexto político e econômico que o país atravessa, uma vez que o cenário é de inflação e queda do poder de compra dos salários.
 
Eles lembram que o setor da construção teve crescimento recorde nos últimos anos, graças à explosão de obras pelo país, o que não justifica as alegações dos empresários sobre a crise. As entidades são filiadas à Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso (FETIEMT). 

A decisão pela possível paralisação foi tomada em assembleia realizada nesta segunda-feira (20) entre representantes da FETIEMT, sindicatos filiados e uma comissão de operários de construtoras locais.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet