Agro Olhar

Sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Notícias / Agronegócio

Blairo Maggi afirma que Brasil tem um dos melhores sistemas de fiscalização do mundo e pede que consumidor denuncie

Da Redação - Ronaldo Pacheco

20 Mar 2017 - 11:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Blairo Maggi afirma que Brasil tem um dos melhores sistemas de fiscalização do mundo e pede que consumidor denuncie
O ministro da Agricultura e Pecuária, senador mato-grossense Blairo Maggi (PP), afirmou que o Brasil possui um dos melhores sistemas do mundo em  fiscalização tanto da criação de gado quanto da industrialização da carne. “O  sistema de controle é eficiente, certamente um dos melhores do planeta, mas não é infalível. Vamos continuar implementando, no Ministério da Agricultura, todas as medidas para evitar que ocorram episódios como este novamente”, afirmou Maggi, para a reportagem do  Olhar Direto, nesta segunda-feira (20), via assessoria, se referindo ao Serviço de Inspeção Federal (SIF),
 
“A própria população deve confiar em nossos produtos e ajudar o governo a fiscalizar. Assim, quando verificar que há algo errado, que faça a denúncia ao Ministério e demais órgãos competentes”, observou o titular do Mapa, que vai passar todo o dia em reuniões, principalmente com representantes de países importadores de produtos brasileiros.
 
Leia Mais:
- Temer pede celeridade em auditorias e garante que PF investiga "desvios de condutas" de funcionários

- Possível restrição às carnes significaria uma grande crise ao Brasil, afirma Maggi diante 'Carne Fraca'
 
Blairo Maggi está preocupado, também, em tranquilizar o mercado interno. “O queremos dizer para a população é que fique absolutamente tranquila. Nosso sistema de fiscalização é um dos mais respeitados do mundo. Se perceberem qualquer problema, que comuniquem ao Ministério da Agricultura, que tomaremos a providências”, argumentou ele.
 
Em entrevista anterior, o secretário executivo do Mapa,  Eumar Novacki, já tinha anunciado que Maggi afastou ps 33 servidores investigados. “O ministro Blairo Maggi determinou o afastamento de todos os servidores envolvidos. São 33 servidores que estamos instaurando procedimentos. Daremos suporte à Polícia Federal para informações e estamos tomando todas as medidas administrativas e informando o Ministério Público Federal”, afiançou Novacki, braço direito do ministro.
 
O secretário afirmou ainda que o Mapa já vinha, desde o ano passado, tomando medidas para evitar falhas no processo de fiscalização e inspeção. Ele ponderou, no entanto, ser impossível impedir desvios individuais.
 
Entenda o caso
 
A Operação 'Carne Fraca' foi deflagrada na última sexta-feira (17), pela Polícia Federal, para combater corrupção de agentes públicos federais e crimes contra Saúde Pública. O esquema seria liderado por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio e envolve empresas líderes do mercado.
 
Foram detectadas fraudes na JBS e BRF. Em quase dois anos de investigação, a Polícia Federal detectou que as Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura nos estados do Paraná, de Minas Gerais e Goiás “atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público”. Algumas empresas chegavam a comprar notas fiscais falsas para justificar a compra de carne podre. Era utilizado ácido ascórbico para maquiar as carnes. 
 
As ordens judiciais foram expedidas pela 14.ª Vara da Justiça Federal de Curitiba e foram  cumpridas em sete estados: São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás.
 
O nome da operação faz alusão à conhecida expressão popular em sintonia com a própria qualidade dos alimentos fornecidos ao consumidor por grandes grupos corporativos do ramo alimentício. A expressão popular demonstra uma fragilidade moral de agentes públicos federais que deveriam zelar e fiscalizar a qualidade dos alimentos fornecidos à sociedade.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Wagner
    20 Mar 2017 às 15:24

    Votei no Sr. para Governador. Não votei para o Senado. assisti a entrevista dada pelo sr. Parabéns, foi no ponto,ou pontos. Mas acho que o sr. entrou numa fria,ao aceitar o cargo de Ministro com este cambaleante governo.Este presidente não manda em absolutamente nada. eis a prova que caiu em seu colo. uma operação da República de Curitiba acabando com o setor produtivo da carne, . Toda midia sabia ,menos o Ministro.

  • Hugo
    20 Mar 2017 às 15:09

    NAO ADIANTA. ENQUANTO TIVER SER HUMANO CONTROLANDO, FISCALIZANDO, ORGANIZANDO....... SEMPRE HAVERA PROPINA E SUBORNO.

  • JEFERSON MATOS
    20 Mar 2017 às 14:56

    O sistema de fiscalização brasileiro é o mais fraco que existe: facilmente burlável.

  • Tendo trabalho, Ministro?
    20 Mar 2017 às 14:33

    Tendo trabalho para desmentir a operação da PF, ministro? E os produtores rurais, estão bravinhos, preocupados? Quando a vítima do arbítrio, do abuso de poder, do julgamento midiático não é o Lula ou outro petista, a coisa não fica tão engraçada, né?

  • Fiscal Agropecuário INDEA
    20 Mar 2017 às 14:09

    SR GOVERNADOR PEDRO TAQUES Operação "Carne fraca" LEI 10.041 *COMPARTILHEM* O Indea é como nossa segunda casa. Nesta casa, todos sempre foram recebidos e tratados com respeito e dignidade. Fomos evoluindo com o tempo e com as necessidades. Nossas ações junto aos produtores orientando, pesquisando, tratando e certificando todas as ações efetuadas pelos mesmos, pois é de nossa atuação junto ao campo, que resultam melhores resultados e, com estes melhores a competitividade melhora também. O Indea atua há décadas junto aos produtores mesmo com todas as dificuldades impostas a nós. Nunca nos abstivemos de efetuar nosso trabalho nas diversas áreas. Trabalhamos com afinco, não importando se era noite ou dia, se estava sob o sol ou sob a chuva se era início ou final de semana. Cumprimos nosso dever de socorrer, orientar, coletar, diagnosticar, enfim tudo que fosse necessário para que nossos companheiros, os produtores sentissem que não estavam sozinhos nessa empreita tão laboriosa. Conseguimos enfim. Apesar de estarmos sendo preteridos pelos poderes, que são sabedores de nossas necessidades básicas para desenvolvermos nosso trabalho com presteza e eficiência. Sabedores que são da importância de nosso trabalho, no que tange a abastecer de informações os organismos nacionais e inter

  • ziraldo
    20 Mar 2017 às 13:03

    quero ver ministro que, nao sabe a diferença entre vitamina c e d quando a uniao europeia sentar o porrete nessa falta de vergonha,vão parar de comprar papelão por carne, e ainda barrar tudo que é produto que venha do Brasil

Sitevip Internet