Olhar Direto

Quinta-feira, 27 de julho de 2017

Opinião

​Possibilidades de sentido na vida

Autor: Raul Bruno

12 Jul 2017 - 16:55

Dos mistérios da vida, a questão sobre existência de um sentido é uma das mais intrigantes. Perguntar-se sobre isso incomoda, assusta, intimida, fascina ou, até mesmo, entedia. Contudo, independente da maneira como preferimos abordar esse questionamento, viver com um vazio não é normal. Quando um homem relata a um veículo de comunicação seu desespero existencial por ter perdido esposa e filha num acidente, ou quando nos damos conta do aumento do número de suicídios, evidencia-se a relevância deste tema.
 
Mas não é de hoje que se fala sobre isso. No período da Segunda Guerra Mundial, o psicólogo judeu Viktor Frankl passou por alguns dos piores lugares criados pelo ser humano: os campos de concentração nazistas. Apesar de todo o sofrimento e provações, manteve uma postura de esperança pelo significado da própria vida, experiência relatada no best-seller mundial “Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração”.Após a sua libertação, publicou as bases de uma escola psicológica de psicoterapia que renovou a importânciade questões básicas recorrentes no cotidiano.
 
Quais são suas tarefas? O que você ainda não concluiu? Quais projetos ou sonhos você sempre quis realizar, mas ainda não conseguiu? Por quem você é responsável? Quais são suas principais conquistas? O que aprendeu da vida que gostaria de passar adiante?
 
Em última análise, é a própria vida que nos questiona sobre o sentido que lhe atribuímos. Somos livres para escolher, apesar de condicionamentos biológicos e psicológicos; e somos responsáveis,em face a essa liberdade, por agir e ser aquilo que ninguém mais pode em nosso lugar. Ou seja, somos únicos e insubstituíveis. E não é preciso muito. É possível criar, por meio das artes e do trabalho, por exemplo; amar, visualizando no outro algo que ele ainda pode vir a ser de melhor; e, inclusive, sofrer, em momentos nos quais isso se mostra inevitável. Em todas essas atitudes, há valores que nos orientam a uma vida plena de sentidos.
 
A necessidade de algo pressupõe a própria existência do que a satisfaz. Por que sentimos sede? Se há sede, é porque deve haver água. Se o homem anseia por um sentido para a própria vida, assumimos que há variadas possibilidades de concretização desse sentido no mundo. Como disse o poeta William Ernest Henley, “eu sou o mestre do meu destino, eu sou o capitão da minha alma”.
 
Raul Bruno, 24, é estudante de Psicologia na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e olha para os passageiros em ônibus coletivos, se perguntando o que os move a seguir em frente.
Sitevip Internet