Olhar Direto

Sábado, 16 de dezembro de 2017

Opinião

Posturas que deixam saudades

Autor: Graci Ourives de Miranda

24 Nov 2017 - 17:09

A maior nobreza de caráter de cada um dos cidadãos, enquanto presente aqui neste espaço chamado ‘Terra’, deveria ser:  o ecossistema equilibrado e com mais justiça. Assim, todos vivendo bem-estar.

É importante que a sociedade tenha movimentos de colaboração e ações efetivas para melhorar o cotidiano do próximo, gerando união e estabilidade social.

Todos que contribuem para que o mundo seja transformado com sensatez e equilíbrio, isto faz a diferença. Então, são justamente estes cidadãos humanos que nos deixam saudades.

Alguns bons da sociedade partiram, mas, o legado de amor, participação e comprometimento para ajudar o próximo ainda se fazem presente.

 As boas ações são inesquecíveis, citamos exemplos de: Leuby Corrêa da Costa Barros, professora, 1944/2017; e, Gilson Duarte de Barros-GDB, políticos/jornalista/advogado,(1941/2008).Labutaram: Democracia plena.

 Convido o leitor a refletir sobre a poesia de: Michelle Leite de Barros, neta, advogada. (17/11/2017)

 “À minha amada vó Bi.”
O mais incrível é saber que eu tive a senhora.
Eu tive o seu amor, o seu abraço, o seu colo.
Eu tive a senhora nas minhas conquistas e nas minhas derrotas.
Eu tive a senhora e não há nada mais maravilhoso que isso.
Eu tive as conversas à mesa da cozinha no café da manhã.
Eu tive os bolinhos de chuva preparados em Mimoso.
Eu tive o balançar da rede quando criança que insiste em não dormir.
Eu tive o leite preparado pelas suas mãos.
Mas, e agora?
O que farei sem poder te olhar mais?
Sem apreciar a sua risada quando eu fazia uma das minhas gracinhas só para ver o seu sorriso?
O que me restou?
Tanta coisa.
Restou te encontrar em sonhos.
Restou sentir seu cheiro no pijama que guardo comigo.
Restou a última foto do meu aniversário em que esteve presente.
Eu sempre terei a senhora.
Eu sempre vou procurar no céu a estrela que mais reluzir.
Lá estarão seus olhos cuidando de mim.
Lá estará a minha paz.
Das mais bonitas lembranças da minha vida,
A eterna vó Bi vai estar.
Sua bondade, força e ternura são inesquecíveis.
Vá com Deus, porque daqui, eu vou seguir te amando.
Michelle Leite de Barros.”

     Quantas marcar maravilhosas podemos causar em um jovem. Esperamos que todos mudem de posturas após conhecer “vó-Bi”, a professora Leuby, portava tanto com os amigos, quanto com seus familiares: doçura, intelectualidade e esperançosa. Ações que comprovam a luta da família pela coletividade.

“Certa companhia de teatro de MT também esteve hospedada na integralidade na residência da família, sendo aproximadamente 25 atores e atrizes, (...). Se deslocaram de Brasília a Barra do Garças, quando fretaram um ônibus e levaram 31 índios xavantes (...)O cacique Juruna se hospedava na casa da família de Gilson de Barros(...), com todo apoio da Dona Leuby.” “História Dona Leuby.” In: “Mulheres de Matto Grosso”, (2015).

Sociedade, unamo-nos pela paz, pela arquitetura moderna e pelo equilíbrio do ecossistema. Assim, foram as ações do casal: Leuby e Gilson. Deixaram-nos saudades.  

    Sejamos céleres para amar o próximo, e equilibrar o mundo tecnológico com o ecossistema. Assim deixaremos o mundo com rastros colorido em todos os tons, e de amor.

Referência:
MIRANDA, Graci Ourives de. Mulheres de Matto Grosso. 1ª Ed. Cuiabá: Ed. Gráf.Print, 2015.
 
Graci Ourives de Miranda – professora Português/literaturas: Língua Portuguesa e inglês/literatura inglesa. Formada UFMT. Registro LP9614565/DEMEC/SP-SP.  Especialização História Social-UFMT. Curso -USP-SP: “Prática de ensino da língua inglesa”.02 artigos científicos-UFMT.04 Livros publicados, sendo 1- obra científica.
<go.miranda@uol.com.br>
 
Sitevip Internet