Olhar Direto

Domingo, 22 de outubro de 2017

Notícias / Política BR

Planalto adota cautela com Blairo Maggi após operação, diz Folha de São Paulo

Da Redação - Patrícia Neves

14 Set 2017 - 15:36

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Planalto adota cautela com Blairo Maggi após operação, diz Folha de São Paulo
Alvo do cumprimento de mandados de busca e apreensão pela Polícia Federal na manhã de hoje, 14, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP), será mantido no cargo. O Planalto, de acordo com reportagem da Folha de São Paulo, adotou uma postura de cautela, mas reconhece que as acusações de obstrução de justiça são graves. 

Leia Mais:
Maggi afirma que nunca autorizou ações para obstruir justiça ou pagamentos ilícitos a Eder Moraes

Além da apartamento de Maggi (na Asa Sul, em Brasília), um escritório da empresa Amaggi (em Cuiabá) e a casa de Rondonópolis pertencentes, foram alvos da 12ª fase da operação Ararath (batizada como Malebolge) autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. 

Segundo a reportagem, o  governo quer dar tempo para que o ministro se explique e vai levantar dúvidas sobre a delação premiada que embasou a operação de busca e apreensão em endereços ligados a Blairo nesta quinta-feira (14). Assessores presidenciais afirmam que não há perspectiva de que o ministro deixe o cargo.

Leia a íntegra da reportagem aqui

Veja nota de esclarecimento emitida pelo ministro:

"Sobre a operação realizada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (14), esclarecemos que:

1. Nunca houve ação, minha ou por mim autorizada, para agir de forma ilícita dentro das ações de Governo ou para obstruir a justiça. Jamais vou aceitar qualquer ação para que haja "mudanças de versões" em depoimentos de investigados. Tenho total interesse na apuração da verdade.

2. Ratifico ainda que não houve pagamentos feitos ou autorizados por mim, ao então secretário Eder Moraes, para acobertar qualquer ato, conforme aponta de forma mentirosa o ex-governador Silval Barbosa em sua delação.

3. Jamais utilizei de meios ilícitos na minha vida pública ou nas minhas empresas. Sempre respeitei o papel constitucional das Instituições e como governador, pautei a relação harmônica entre os poderes sobre os pilares do respeito à coisa pública e à ética institucional.

4. Por fim, ressalto que respeito o papel da Justiça no cumprimento do seu dever de investigação, mas deixo claro que usarei de todos os meios legais necessários para me defender e reestabelecer a verdade dos fatos.

Blairo Maggi"


Leia a íntegra da reportagem aqui

 
Sitevip Internet