Olhar Direto

Quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Notícias / Educação

Proporcionar ensino integral não é sobrecarregar a criança, avisa educadora

Da Redação - Thaís Fávaro

27 Set 2018 - 16:41

Foto: Lucas Ninno

Proporcionar ensino integral não é sobrecarregar a criança, avisa educadora
A psicopedagoga, Marcia Bezerra, tem mais de 30 anos de experiência na área da Educação em Cuiabá, e explica que o ensino integral é uma oportunidade de oferecer atividades que complementem a rotina das crianças, mas que não pode ser feito de qualquer maneira para não sobrecarregar os alunos.
 
Leia mais
Blog de estudante cuiabano de 14 anos ganha selo Nacional de Educação Financeira

As escolas não são apenas transmissoras de conhecimento. “É preciso ter claro que não podemos ficar concentrados em um único objetivo, fazemos parte de algo maior, nosso foco é a formação integral das crianças. O mundo atual necessita muito mais de conexão, parceria entre a escola e a família, a fim de que se tornem partícipes na formação dos futuros cidadãos. Assim, teremos no futuro pessoas mais conscientes de seu papel no mundo, pessoas com posicionamento, que sabem o que querem para suas vidas e o que desejam fazer”, explica a psicopedagoga Márcia Bezerra, que tem mais de 30 anos de experiência na área da Educação em Cuiabá (MT).
 
O ensino integral é uma oportunidade de oferecer atividades que complementem a rotina das crianças, salienta Márcia. Mas isso não pode ser feito de qualquer maneira, avisa. “É preciso proporcionar bem-estar a elas e colocar-lhes à disposição opções diferenciadas que ampliem o que é visto no ensino regular. Afinal, o que determina sua evolução é a curiosidade e a riqueza de ideias que nascem da interação entre elas”, diz.
 
Segundo a psicopedagoga, não se pode sobrecarregar os alunos com tarefas e lições, sufocando-os com uma rotina típica dos adultos. “As obrigações, deveres e o estudo acadêmico devem estar presentes, assim como outras atividades que contemplem o desenvolvimento integral dos alunos. Precisamos criar oportunidades para os alunos ampliarem habilidades e estarem sempre motivados e confiantes em seu processo”, orienta.
 
Para Márcia, uma proposta de atividade para o turno integral precisa trazer opções variadas, como: acompanhamento das lições de casa, estudos dirigidos para provas semanais, oportunidade de ir além na exploração dos conteúdos de cada ano. Oficinas que utilizam diferentes linguagens expressivas, trabalhos manuais, musicalização e artes também são importantes. Além de experiências que auxiliam no estudo de outra língua, como inglês, atividades físicas e o incentivo à boa alimentação, exemplifica.
 
O prazer de estudar precisa e deve estar presente, frisa. “O ideal é que as crianças saiam da escola, no fim do dia, repletas do desejo de voltar e dar continuidade ao que estavam fazendo. Se consegue isso colocando muita qualidade nessa entrega e dando um sentido para as atividades”, salienta. “Acredito que assim a educação integral, que se espelha no desenvolvimento integral do aluno, contribui para uma formação completa e que atenda às demandas de um novo contexto, de uma nova realidade social e de mundo”, finaliza a educadora.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Bacana
    27 Set 2018 às 23:40

    Integral? Estudei assim... Obrigado

  • Elisa
    27 Set 2018 às 20:15

    Escola integral não é a melhor opção para o aluno. É apenas a saída pra falta de tempo dos pais. Criança nenhuma gosta de ficar o dia inteiro no colégio, por melhor que ele seja.

Sitevip Internet