Olhar Direto

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Cidades

Nova proposta de 7.05% de reajuste põe fim à greve da Educação em Cuiabá

Da Redação - Thaís Fávaro

09 Out 2018 - 16:55

Foto: Assessoria

Nova proposta de 7.05% de reajuste põe fim à greve da Educação em Cuiabá
Professores aceitam nova proposta de reajuste salarial de 7,5% da Prefeitura de Cuiabá e colocam fim à greve da Educação que teve inicio na segunda-feira (1). As unidades escolares voltam a funcionar normalmente a partir de quarta-feira (10).

Leia mais
Após anúncio de greve dos professores, Emanuel cita valorização de servidores e reafirma diálogo

A Prefeitura de Cuiabá propõe recomposição salarial de 7,5%. A nova proposta contempla ainda o encaminhamento da Lei Orgânica dos Trabalhadores da Educação para apreciação e votação, publicação de todos os processos de elevação de nível paralisados e pagamentos dos respectivos retroativos, realização de Concurso Público e outros ítens e  foi encaminhada esta tarde ao Sintep.

A recomposição salarial de 7,5%  ficou, pela nova proposta, da seguinte forma: 3,35% relativos ao RGA (Reajuste Geral Anual) mais 4%, este percentual a título de ganho real, a ser aplicado da seguinte forma, 2,0% no próximo mês de dezembro e mais 2,0% ao longo do mês de fevereiro de 2019, para todos os profissionais da Educação.
“Os 4% de reajustes, de ganho real, representam um investimento aproximado de R$ 20 milhões por ano, que a gestão Emanuel Pinheiro está fazendo na Educação.

Para conseguir honrar esse compromisso, a Prefeitura terá que rever a implantação de programas como o de reestruturação da rede física, recebida pela atual gestão em condições lastimáveis, abertura de novas unidades, liberação de verbas emergenciais entre outros programas”, explicou o secretário de Educação do Município, Alex Vieira Passos.

Com esses avanços, representados pelos outros nove pontos reivindicados pelo Sindicato, a gestão está implantando o maior programa de valorização dos profissionais da Educação já apresentado. Os ganhos reais vão superar o montante de R$ 150 milhões, distribuídos nos próximos 6 anos, representado pela Lei Orgânica dos Trabalhadores da Educação mais o aumento real.

As unidades escolares que haviam paralisado suas atividades, voltam a funcionar normalmente a partir desta quarta-feira (10).

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • RAFAEL CESAR
    10 Out 2018 às 07:03

    Lamentável os profissionais da educação terem suas reivindicações atendidas e continuar entregando um ensino de péssima qualidade, e antes que venham criticar, quando foi que alguém viu professor fazer greve para ter melhores condições, por material didático, por autoridade em sala de aula? tudo se resume a salário aumentou a greve acabou. Lamentável.

  • Servidora
    09 Out 2018 às 21:28

    Tá precisando dar um sacode assim na prefeitura de Varzea Grande. Salário baixo, falta de estrutura, nem ajuda com transporte temos, pra quem ganha 1096,00 tirar 200,00 para ir trabalhar faz falta no orçamento. Difícil viver sob o cabresto dos Campos.

  • Marcos
    09 Out 2018 às 19:12

    Lamentável a necessidade de uma pressão para os nossos governantes, pensarem um pouco no investimento da categoria da "educação". Esta que a base da nossa nação! Enquanto os seus próprios salários são maximizados do dia para noite. Acima dos seus 10% de aumento...

Sitevip Internet