Olhar Direto

Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Notícias / Política MT

Autoridades e empresários temem mandados e auxiliam investigação da Sema; indicações políticas apuradas

Da Redação - Wesley Santiago

06 Dez 2018 - 08:11

Foto: Reprodução

Casa em condomínio de luxo foi alvo de mandado

Casa em condomínio de luxo foi alvo de mandado

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) e a Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema) parecem ter encontrado apenas a ‘ponta do iceberg’ na questão das investigações sobre supostas fraudes que aconteceram na Secretaria de Meio Ambiente (Sema). Temendo medidas cautelares, autoridades, empresários e engenheiros têm auxiliado nas investigações.

Leia mais:
Casa em condomínio de luxo também é alvo de operação que apura fraude na Sema; fotos
 
Desde a deflagração da primeira fase da operação, autoridades engenheiros e empresários têm se apresentado espontaneamente para esclarecer fatos praticados com irregularidades, auxiliando as investigações e evitando a deflagração de novas medidas cautelares.
 
Outros fatos que identificam a fragilidade no sistema têm sido apurados, indo desde a contratação de servidores mediante indicações políticas, falta de atualização dos dados geoespaciais da Sema, vulnerabilidades no módulo de análise, ausência de maior transparência e compartilhamento insuficiente de informações entre servidores, defasagens nas estruturas de tecnologia, ausência de metas, necessidade de ajustes na legislação e uniformização de procedimentos.
 
Os dois órgãos também continuam tratativas com a atual gestão da pasta e equipe de transição do novo governo para firmar Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), com o objetivo de adotar medidas visando fechar o cerco contra a corrupção.
 
Segundo o MP, já foi proposta ação penal contra seis investigados, incluindo duas empresas de consultoria ambiental, pela prática de crimes ambientais (como desmatamentos ilegais, falsificações e inserções de dados falsos em procedimentos ambientais) e por organização criminosa.
 
Estão sendo investigados aproximadamente 600 Cadastros Ambientais Rurais suspeitos de terem sido fraudados. Nesta terceira fase da Operação, o Ibama identificou fraudes em diversos Cadastros, que foram aprovados pela Sema de forma ilegal. Trata-se de trabalho de inteligência que demanda conhecimentos técnicos na área de geotecnologias e processamento de informações tecnológicas.
 
Até o momento, a Operação Polygonum, realizada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso e Delegacia Especializada de Meio Ambiente, contabilizou mais de 20 prisões e dezenas de buscas e apreensões nas suas três fases.
 
A operação é originária de investigação da Delegacia do Meio Ambiente em conjunto com o Ministério Público, decorrente de esquema detectado no sistema de regularização e monitoramento de propriedades rurais e instrumentalizados no Cadastro Ambiental Rural (CAR).
 
O nome da operação, Polygonum, faz referências a medidas geométricas de áreas, referenciadas em dados de propriedades, terrenos e cálculos de desmatamento.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • De olho
    06 Dez 2018 às 10:57

    E tal de Bruno demoro mais pego ostentava mesmo ano passado foi pra fortaleza casar e levou a família inteira pagando tudo....chegou sua hora

  • Maria
    06 Dez 2018 às 08:50

    A REALIDADE É UMA SÓ SENHORES PROMOTORES DO MPE, A FLORESTA DO ESTADO DE MATO-GROSSO VEM SOFRENDO BASTANTE COM O DESMATAMENTO ILEGAL A MUITO TEMPO. A BUSCA INCESSANTE PELO LUCRO E O COMODISMO DAS NOSSAS AUTORIDADES SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS DESTE TRÁGICO PROBLEMA, E TAMBÉM A PORTA DO ESTADO ESTÁ ABERTA ( SEM FISCALIZAÇÃO ) PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS COMO A CASTANHEIRA (PROIBIDA DE CORTE) E TANTAS OUTRAS, E AINDA MAIS A FISCALIZAÇÃO E A IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRAS SEMPRE INCOMODOU E INCOMODA A MAIORIA DOS DEPUTADOS E AQUELES QUE QUEREM ANDAR NA ILEGALIDADE, A FLORESTA É PARA A PRESENTE E AS FUTURAS GERAÇÕES.

Sitevip Internet