Olhar Direto

Domingo, 20 de janeiro de 2019

Notícias / Política MT

Governo estuda programa de demissão voluntária para servidores de empresas extintas

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

11 Jan 2019 - 11:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Governo estuda programa de demissão voluntária para servidores de empresas extintas
O Governo do Estado estuda criar um programa de demissão voluntária para servidores lotados nas seis empresas públicas previstas para serem extintas, conforme o projeto de reforma administrativa encaminhado pelo governador Mauro Mendes (DEM) ao Poder Legislativo nesta quinta-feira (10).

Leia também
Arena Pantanal e reabertura dos museus serão prioridade para secretário de Cultura, Esporte e Lazer


A informação foi confirmada pelo próprio Governo, com a justificativa de que as demissões voluntárias ajudariam a viabilizar a extinção das seis entidades, entre mistas e públicas. No entanto, nenhum detalhe de como o programa irá acontecer foi divulgado.

A Agência de Desenvolvimento Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá (Agem) será uma das empresas extintas. Pela proposta, suas atividades serão executadas pela MT Participações e Projetos (MT Par).

O Executivo ainda pede a autorização para a extinção da Agência de Fomento de Mato Grosso (MT Fomento), da Central de Abastecimento (Ceasa), da Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e da Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI).

O projeto também deixa claro que os servidores dos órgãos desmembrados serão redistribuídos e remanejados para outros órgãos, por meio de decreto do governador, caso o projeto seja aprovado pelo legislativo.

Além das extinção das empresas, o projeto também prevê a extinção de nove secretarias com o objetivo de reduzir a máquina pública sem a perda na qualidade dos serviços, garantindo a economia de recursos públicos.

O governador Mauro Mendes aguarda que a proposta, assim como as outras três batizadas como ‘Pacto por Mato Grosso’ seja aprovada pela Assembleia Legislativa ainda neste mês de janeiro.

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zeze
    12 Jan 2019 às 08:53

    Agora é a hora dos insatisfeito, os que gostam de greve não percam tempo meu,nós desempregados estamos esperando de braços abertos.

  • Ex eleitor
    11 Jan 2019 às 23:30

    FAZ O PLANO DE DEMISSÃO VOLUNTÁRIA NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA, TCE, MOE,DEFENSORIA, ALIÁS TODO LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO

  • Juca da Silva
    11 Jan 2019 às 23:16

    Os Funcionários da MTI estão com medo de perder R$ 15,000,00 por mês aí fica com argumentos furados chegaaaaaa !!

  • SEBASTIAO CANUTO
    11 Jan 2019 às 18:00

    Calma Maurinho!!! Conheça o Estado primeiro.... vc disse que não sabia como estava o Estado. Agora diz que ja conhece o suficiente para poder querer extinguir empresas púbicas. A coisa e mais embaixo... Quem vai assumir as funcções sociais dessas empresas? Quem vai apoiar o pequeno produtor que produz o alface e a cebolinha, cenoura, batata, beterraba, que temos que importar fora do Estado? Quem vaia assumir os sistemas públicos de TI que fazem as engrenagens do Estado rodar, que hoje esta a cargo da empresa MTI? E os dados sigilosos? Enfim precisa-se estudar tudo isso antes de simplesmente extinguir....Quando os governadores Jayme, Dante fizeram reformas estruturais no Estado, fizeram em seu segundo ano de governo, quando conheciam as potencialidades e fraquezas de cada órgão. Ainda é muito cedo para se pensar em simplesmente extinguir.... Veja essa questão da locação de veiculos, quando da proposta inicial falaram que traria economicidade ao Esatdo, ante a frota propria, hoje, estamos nas mãos das empresas de locação de veiculos, saude, segurança e todos os órgãos que precisam de veiculos...

  • Marcos
    11 Jan 2019 às 17:59

    Conversa fiada do Mauro... se o problema do Estado fossem as empresas estatais. O problema são os incentivos gigantescos concedidos às empresas amigas. Mais de 7 bilhões de incentivo e como retorno, apenas 400 empregos. Sem contar nos débitos inscritos na dívida ativa, mais de 40 bilhões ao todo que já estão quase prescrevendo. Por quais motivos a PGE não cobra essas empresas devedoras? A quem interessa? O Mauro não vai mexer nesse bolo, até porque deve ter as empresas dele no meio. Agora, a quem interessa fechar algumas estatais? A MTI que ele alardeia não ser necessária, se parasse hoje, pararia o Estado. Ela faz gestão hoje de mais de 180 sistemas. Será que o interesse é entregar à empresa amiga dele a Ábaco? Basta pedir para ver o quanto a Ábaco aumentou em contratos na prefeitura na gestão Maura. População, abra o olho.

  • CARLOS
    11 Jan 2019 às 13:19

    O MM está muito enganado qto a viabiliadade de algumas empresas públicas, na minha visão ele têm interesses por trás disso tudo, como a MTI mesmo, o seu amigão dos empresários de TI, como a ÁBACO E STELMAT, ninguém patrocina campanha sem ter retorno né, más estamos de olho, se essas empresas entrarem é por que têm coisa por trás mesmo.

  • JUSTO VERISSÍMO
    11 Jan 2019 às 13:13

    MAURO MENDES VAI DE VAGAR, SEU MANTADO E PASSAGEIRO E ANALISANDO SERA SOMENTE 04 ANOS NOS MOLDES DE PEDRO TAQUES, NÃO CONFUNDE ESTADO COM SUAS EMPRESAS PRIVADAS.

  • Jackson
    11 Jan 2019 às 12:31

    Todas essas empresas são cabides de emprego, por esse motivo acho que não serão extintas, porque como os novos deputados vão acomodar os companheiros!!!

  • servidor do detran
    11 Jan 2019 às 11:29

    deveria implementar este "programa de demissão voluntária" junto ao DETRAN/MT, bem como para todas Secretarias e Autarquias do Estado.

  • Matheus Sirilo
    11 Jan 2019 às 11:20

    Se!! essas extinções,resolvessem,o problema de MT. Tudo bem!!, mas o problema não são elas,por sinal são mau geridas. São usadas por politicos,para serem cabides de emprego. Veja o caso da Metamat!!,quase não tem funcionários de carreira,e sua folha de pagamento não pesa tanto. Por sinal!! O estado de Mt,se desenvolveu graças ao agronegócio. Graças também,a chegada dos povos do sul. Já pensou se Mt,trabalhasse,firme na produção de minérios???. A Metamat,seria a Petrobras de Mt. Pois nosso estado é muito rico em minerais. Já a Empaer,graças aos trabalhos social que ele presta no campo, impede que a região metropolina,seja invadidas por bolsões de pobreza(favelas),aumento da violência. A Empaer,é o governo no campo,prestando importantes serviços. Infelizmente!! O trabalho social,é igual o de saneamento,ou seja não é percebido,lamentavelmente.

Sitevip Internet