Olhar Direto

Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Notícias / Cidades

Empresas da Argentina, Portugal e Espanha demonstram interesse no VLT de Cuiabá

Da Redação - Wesley Santiago

21 Jul 2018 - 17:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Empresas da Argentina, Portugal e Espanha demonstram interesse no VLT de Cuiabá
Mesmo depois de duas Copas do Mundo, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ainda continua uma incógnita. Mesmo assim, empresas europeias e até da própria América do Sul estão interessadas em administrar o modal. O secretário adjunto do VLT, José Picolli, explicou ao Olhar Direto que a expectativa é que, em horários de pico, o máximo de passageiros será de 250.

Leia mais:
Governo não se arrepende de 'cautela' com obras do VLT e entrega edital até fim de agosto
 
“Nós temos algumas empresas que já demonstraram interesse, são da Argentina, Portugal e Espanha. Porém, ainda precisamos definir aqui como será a licitação. Se vai operar e terminar, ou só operar. Teremos o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) e vamos ver como irá se desenvolver”, disse o secretário.
 
Picolli ainda afirmou que o trecho mais rentável do VLT será o do Coxipó. Durante o horário de pico, a expectativa é que os trens transportem cerca de 250 passageiros, sendo que a capacidade é para 400 (73 sentados). No máximo, a previsão é que 28 composições estejam transitando pelos trilhos entre Cuiabá e Várzea Grande pelas 32 estações e quatro terminais.
 
A implantação do VLT deverá criar diversos empregos: “Aqui, nós estimamos que deve criar 600 empregos diretos e 1.800 indiretos. Por isso nós lutamos tanto para implantar este modal aqui. Além de melhorar o transporte coletivo, também estará dando renda para muitas famílias. É praticamente uma cidade que nós temos aqui no Centro de Manutenções”, disse o secretário.
 
VLT
 
As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tiveram início em 2012, com previsão de conclusão em março de 2014, três meses antes da Copa do Pantanal Fifa 2014, tendo Cuiabá como uma das sedes – quatro jogos foram realizados na Arena Pantanal José Fragelli. Alegando não ter recebido por parcela considerável do que já havia realizado, o Consórcio VLT paralisou as obras em dezembro de 2014.
 
Após a posse, o governador Pedro Taques determinou auditoria nas obras e no contrato do Consórcio VLT. Constatou-se superfaturamento e falhas pontuais, como a aquisição antecipada das locomotivas e vagões do VLT supostamente por causa de um período de baixa do dólar.
 
Em fins de 2015, por determinação do juiz Ciro Arapiraca, da Seção Judiciária de Mato Grosso, houve a retomada das conversações do governo com o Consórcio VLT, para que as obras pudessem ser concluídas. Após a delação premiada de Silval Barbosa, revelando que houve corrupção, o contrato foi rompido. No início, o valor do projeto foi fixado em R$ 1,447 bilhão.

25 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • JCARLOS
    23 Jul 2018 às 16:52

    blá blá blá blá bla

  • Luís Lima
    23 Jul 2018 às 15:45

    Sinceramente o VLT já virou lenda igual mula sem cabeça curupira e outros ele nunca vai rodar vai só servi de palanques para políticos e se vier verba Federal iram roubar de novo igual Silval Riva Sérgio Ricardo Eder Moraes e cia Ltda fez no governo passando

  • Maria
    23 Jul 2018 às 12:06

    Porque vcs invéis desse falatório, não põe logo em prática, deixa pra aclamar qdo tiver tudo concluído, nóis tá cheio de saber desse noticiário sobre vlt, tudo concluído nois aplaude bem assim.

  • Zeca
    23 Jul 2018 às 10:23

    Muito bem, vamos entregando tudo para os estrangeiros, pois eles têm capacidade e competência para gerir e administrar as coisas públicas que os incompetentes e corruptos brasileiros não são capazes!

  • José Pedro
    22 Jul 2018 às 15:06

    Tem que dar um fim no lobby que não quer o VLT. Isto inclui fábrias de caminhões, fábricas de pneus, fábrias de recauchutadoras de pneus.

  • AGUINALDO BARBOSA
    22 Jul 2018 às 14:23

    O povo não interessa para os políticos. A unica coisa que interessa para eles é dinheiro.

  • Rocha
    22 Jul 2018 às 13:04

    Argentina ???? Cruzesssss

  • João
    22 Jul 2018 às 10:20

    Discursos sobram, já resultados...

  • Joao
    22 Jul 2018 às 09:51

    A empresa ganhadora deverá ser a mesma que vai terminar e operar o sistema. Assim não haverá problemas de implantação de todos o sistema, já que que operar não vai querer gasta com infraestrutura ou refazer obras

  • moreira
    22 Jul 2018 às 09:31

    Será que os VLTs ainda funcionam???

Sitevip Internet