Olhar Direto

Segunda-feira, 17 de junho de 2019

Notícias / Política MT

Após um dia, governo rescinde com empresa contratada para gerenciar Samu

Da Redação - Wesley Santiago

11 Jan 2019 - 09:38

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Após um dia, governo rescinde com empresa contratada para gerenciar Samu
Durou menos de 24 horas o contrato entre o governo do Estado e a empresa Med Security Serviços Médicos EPP, escolhida para gerir os serviços do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), em Mato Grosso. A rescisão unilateral foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) que circula nesta sexta-feira (11).

Leia mais:
Sem salários, maioria dos médicos desiste de plantão e Samu atende com equipe reduzida

 
Na publicação, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirma a rescisão unilateral do contrato com a Med Security, contratada na última quinta-feira (10) para gerir os serviços do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).
 
O novo contrato previa redução de despesas ao Poder Público: o valor do plantão, que até então custava R$ 1.480,00, passava a ser oferecido por R$ 1.195,00.
 
A validade do contrato era de seis meses, no valor de R$ 2,8 milhões, valor inferior ao estabelecido no contrato anterior.
 
Entre os motivos apontados está a inexecução total ou parcial do contrato e atraso injustificado no início do serviço.

Serviços prejudicados

A maioria dos médicos que atuam no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) decidiu não mais fazer plantão. A decisão foi tomada por conta dos mais de seis meses de salários atrasados da categoria e da maneira como uma nova empresa foi contratada, em caráter emergencial, para tocar os serviços. 

Uma fonte que preferiu não se identificar relatou ao Olhar Direto que os médicos decidiram não fazer o plantão da noite da última quinta-feira (10), data em que a nova empresa foi contratada. Porém, o atendimento à população não foi interrompido, já que pelo menos dois profissionais se mantiveram no plantão junto com a equipe de  enfermeiros. A reportagem esteve na noite de ontem na base conhecida como “alpha 1” do Samu e constatou uma viatura saindo para um atendimento.

O que preocupa ainda mais os médicos são suspeitas sobre a nova empresa escolhida e o temor de que os problemas que se arrastam há meses se agravem ainda mais. A categoria aponta que a empresa escolhida para assumir os serviços é recém-criada e tem uma capital social de apenas R$ 1 mil.

O caso

A polêmica em torno do Samu começou na última terça-feira (08), quando os médicos enviaram à imprensa uma carta onde relatam condições indignas de trabalho e ameaçavam demissão em massa por conta de seis meses no atraso de salários. Eles pontuaram também sobre a falta de medicações básicas, falta de luvas, macas, ambulâncias – que por vezes não estão funcionando e até mesmo a falta de local apropriado para manter as medicações.Na tarde do mesmo dia, o secretário informou que todos os serviços estariam mantidos e prometeu ainda uma solução imediata.

O secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, explicou que a contratação emergencial ocorreu para garantir a manutenção dos serviços prestados pelo Samu no Estado. Isso porque a antiga gestão da secretaria deixou de efetuar os pagamentos para a empresa que até então realizava o atendimento móvel de urgência. Consequentemente, a empresa também não remunerou os cerca de 60 médicos contratados, que estão há seis meses sem receber.

Impasse jurídico
 
A licitação cujo objeto é a prestação de serviço de atendimento móvel de urgência havia sido vencida pela empresa Pró-Ativo Gestão da Saúde e Clínica Médica Ltda-Me. Todavia, o conselheiro Moisés Maciel, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), determinou nesta semana a anulação do resultado da licitação.
 
Ele também determinou que a empresa Neomed Atendimento Hospitalar Eireli – que havia ofertado gerenciar o serviço por um preço menor – fosse reabilitada no certame.
 
Desta forma, o secretário Gilberto Figueiredo cumpriu a decisão e o processo licitatório voltou para a fase de habilitação, necessitando ainda de outros trâmites legais para ser novamente concluído.
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz
    11 Jan 2019 às 22:50

    Infelizmente são essas decisões, sem devido estudo que afunda o estado e traz esse caus que tamos vendo, um gestor de pulso e de diálogo, pederia prorogaria o contrato da empresa até abril uma nova licitação, que provavelmente vai ser a mesma, mas a arrogância de mostrar mal feito do gestor prevalece para esse povo soberbos, pra eles o povo que se lasque, já vi esse filme, pelo visto vão reprisar de novo.

  • SEBASTIAO CANUTO
    11 Jan 2019 às 18:03

    É assim que se pretende governar, Maurinho? tomando decisões de afogadilho? tendo que voltar atrás depois pois foi mau assessorado? aiaiaia devagar com o andor que o Santo é de barro, senhor Governador.... Coisa pública merece zelo.

  • Jefferson
    11 Jan 2019 às 11:22

    Alguém na secretaria do estado deve ter algum déficit de inteligência: 6 MESES SEM RECEBER!

  • SUPER MANÉ
    11 Jan 2019 às 10:49

    MÉDICOS DEMITAM-SE POR FAVOR ! SENÃO IRÃO TODOS ADOECER , E PELO JEITO QUE A COISA ANDA , O ESTADO NÃO IRÁ PROVIDENCIAR O SAMU PARA VOCÊS ! GESTORES IRRESPONSÁVEIS E O CAOS NA SAÚDE , SEMPRE A MESMA COISA , TROCAM-SE APENAS OS NOMES E DATAS ...

Sitevip Internet