Olhar Direto

Terça-feira, 29 de setembro de 2020

Notícias / Cidades

OAB externa preocupação com situação de presos em cadeia; 79 infectados

Da Redação - Wesley Santiago

06 Ago 2020 - 15:54

Foto: Reprodução/Ilustração

OAB externa preocupação com situação de presos em cadeia; 79 infectados
A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional de Nova Mutum, externou a sua preocupação com as condições dos presos que estão na Cadeia Pública da cidade, devido ao alto número de infectados pela Covid-19. No local, foi dado o início ao procedimento de interdição temporária da Cadeia Pública de Nova Mutum, para vedar a entrada de novos presos na unidade, até que o risco de contaminação de novos ingressos se normalize.

Leia mais:
Mais dois servidores morrem vítima do novo coronavírus 

A Ordem tem acompanhado a situação da cadeia pública desde o inicio da pandemia e disse ter testemunhado esforços da administração e da Corregedoria da unidade para evitar o contagio dos presos e dos servidores, seja por meio de suspensão das visitas, das famílias, ou até mesmo de advogados, pelo aumento de higienização das celas, aumento no fornecimento de água para os detentos e acréscimo do tempo de banho de sol, dentre outros.
 
Atualmente existem 79 presos que apresentam resultado positivo para Covid-19. Estes estão isolados dos que testaram negativo. Dentre os servidores, dez contraíram a doença, sendo que um deles está em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva em Cuiabá.
 
Entre os presos, não há nenhum caso grave, sendo que a maioria se apresenta atualmente assintomática, e os demais apenas sintomas leves, como dor de cabeça e dores no corpo. Eles estão sendo medicados.
 
“Assim, é importante destacar que em 23/07/2020, através da Portaria 006/2020/VEP, foi dado início ao procedimento de interdição temporária da Cadeia Pública de Nova Mutum, para vedar a entrada de novos presos na unidade, até que o risco de contaminação de novos ingressos se normalize”, diz trecho da nota.
 
Os presos que pertencem a grupo de risco, foram colocados em prisão/regime domiciliar, com monitoramento eletrônico, pelo prazo de 60 (sessenta) dias, ou até que fosse restabelecida a segurança para suas saúdes.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet