Olhar Direto

Terça-feira, 15 de junho de 2021

Notícias | Política MT

SEM INTERFERÊNCIAS

Emanuel garante não temer investigação sobre medicamentos vencidos e elogia presidente de CPI

06 Mai 2021 - 14:34

Da Redação - Airton Marques / Do Local - Max Aguiar

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Emanuel garante não temer investigação sobre medicamentos vencidos e elogia presidente de CPI
O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) garantiu não interferir nos trabalhos da Câmara de Cuiabá, que deve instalar a CPI sobre os medicamentos vencidos encontrados no Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos da Capital (CDMIC). Sem temer os resultados da investigação, o emedebista elogiou o presidente da comissão, Lilo Pinheiro (PDT), e garantiu que a oposição pode ficar tranquila quanto a condução da investigação.

Leia também:
Bancadas do PV e Cidadania disputam relatoria de CPI sobre medicamentos vencidos

“Nada a temer, jamais me envolvi em decisões internas da Câmara Municipal. Nem naquelas barbaridades, aquelas violências constitucionais e políticas contra mim na legislatura passada eu me envolvi, muito menos agora. A Câmara é um poder independente, quero continuar a ter uma relação institucional autônoma de muita harmonia e respeito e independência, e eles podem tomar, eu não me envolvo em hipótese alguma em decisões internas da Câmara de Cuiabá”, afirmou, fazendo referência a CPI que investigou o caso do vídeo em que aparece colocando dinheiro nos bolsos do paletó.

“A CPI na Câmara presidida por um grande vereador que não me apoiou, inclusive, na legislatura passada, então a oposição não tem o que temer. Um vereador sério, equilibrado e esforçado está à frente desse trabalho e quero que esse trabalho contribua para virarmos essa página que há décadas afeta a saúde pública da Capital”, completou.

Primo de Emanuel, Lilo chegou a ser líder do prefeito na Câmara, mas no fim da legislatura passada se juntou ao grupo de oposição e não apoiou o emedebista na campanha de reeleição. No início da atual legislatura, no entanto, apoiou o grupo do prefeito na disputa pela Presidência da Mesa Diretora, vencida por Juca do Guaraná (MDB).

Acontece que a articulação de Lilo para propor a CPI foi vista pela oposição como uma articulação da base governista para blindar o prefeito. A composição da comissão ainda será definida e o cargo de relator é disputado pelas bancadas do PV e Cidadania.

Investigação

Quanto a grande quantidade de medicamentos vencidos, Emanuel afirma que além das investigações realizadas pela própria Secretaria Municipal de Saúde, ele acionou a Controladoria Geral do Município para realizar apuração paralela.

Emanuel também destaca que o Tribunal de Contas (TCE-MT) também acompanha o caso e que seu objetivo é identificar a causa e o causador do problema.

“Eu não cometo injustiças, então vou esperar o relatório da Controladoria Geral do Município, se os órgãos de controle tiverem um relatório preliminar, ótimo, mas eu tenho a Controladoria, sob o comando da controladora Mariana (Cristina Ribeiro), muito séria, muito competente e tenho uma equipe toda de servidores efetivos competentes. Vamos esperar o relatório principal, deve ser entregue em 30 dias. Será divulgado, para tomar as primeiras medidas pelo bem da população cuiabana e mais essa etapa vencida avançando na saúde pública humanizada e de qualidade para a nossa gente”, declarou.

CPI dos contratos

Além da CPI dos medicamentos, a base de Emanuel, por meio do vereador Chico 2000 (PL), também propôs investigações sobre os contratos emergenciais e não emergenciais na área da saúde. A investigação será feita no período de 2013 até abril de 2021, incluindo dessa forma a gestão do governador Mauro Mendes (DEM), que comandou o município de 2013 a 2016.

Assim como sobre as apurações em relação aos medicamentos vencidos, Emanuel afirma que os parlamentares são independentes para cumprir uma das prerrogativas do Legislativo.

“Eu não me envolvo nas questões internas da Câmara, acho ótimo que possa investigar qualquer dúvida. Investigue contratos ou não, na minha gestão, gestão passada, gestões anteriores. Se tiver elementos, acho que é papel do vereador. Não tenho nenhuma preocupação com isso e acho que a Câmara tem independência e autonomia para fazer isso”, afirmou.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet