Olhar Direto

Quarta-feira, 16 de junho de 2021

Notícias | Política MT

Crítica ao Estado

Samaniego diz que audiência pública do BRT foi direcionada e teve pouco tempo para questionamentos técnicos

Foto: Davi Valle / Prefeitura de Cuiabá

Samaniego diz que audiência pública do BRT foi direcionada e teve pouco tempo para questionamentos técnicos
Secretário municipal de Mobilidade Urbana de Cuiabá, o presidente do Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá Juares Samaniego criticou a audiência pública realizada pelo Estado de Mato Grosso na última sexta-feira (7) para discussão sobre a decisão pelo BRT. Segundo Samaniego, a audiência foi direcionada e teve pouco tempo para os questionamentos técnicos.

Leia também:
Detoni diz que nunca defendeu o VLT e que diferente da gestão Silval, foi ouvido por Mauro Mendes

"Foi uma audiência direcionada. Fizeram uma explanação jurídica do VLT de quase uma hora que não é parte do tema e os questionamentos técnicos foram só dois minutos - concordo com as 35 indagações embasadas na   Consulta Pública - VLT Cuiabá-Várzea Grande Estudos do BRT, que são inconsistentes. O que posso dizer é, estamos pegando o bonde andando e essa discussão tinha que ter sido desde o início e não somente dois minutos para questionar um investimento de R$430 milhões. Como o Governo chegou nesse valor, já que que não tem o projeto executivo de estudo de viabilidade econômica e financeira? Investimento no projeto baseado em estudo técnico econômico em que Cuiabá e Várzea Grande não participaram deste estudo de trabalho. É muito difícil defender a causa em dois minutos", pontuou.
 
Segundo Samaniego, a Prefeitura de Cuiabá não foi convidada para participar da audiência. De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Cuiabá, por entender a necessidade de que Cuiabá participe das discussões, à Prefeitura de Cuiabá organizou o Comitê de Análise e foi á Justiça para garantir o amplo debate. 
 
O vice-presidente do Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários (Simefre), Marcio Andrade, também apontou o sistema BRT sendo inviável. "Basicamente concluímos que os estudos são inconsistentes. Parabenizo o estudo, muito detalhado, mas existem erros conceituais. VLT tem vida útil de 30 anos e ônibus têm 15 anos. Também não foi considerada a troca de bateria, que aumentou o custo operacional. O BRT precisa incluir os termos de reversão de massa.  Na fotografia verifiquem a porta, a do VLT é bem maior. Existe um estudo da SB-Trans que fala sobre o tempo de parada que não foi considerado.  Então, são erros consideráveis", pontuou.
 
Durante sua fala de apresentação, o engenheiro de transportes da Sinfra, Rafael Detoni, disse que em julho de 2019 o governo buscou junto ao Governo Federal estudos alternativos, mas, em nenhum momento citou a participação dos dois municípios em que existe a obra do VLT em andamento, no caso, Cuiabá e Várzea Grande, lamentou a Prefeitura.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet