Olhar Direto

Segunda-feira, 26 de julho de 2021

Notícias | Política MT

Contrariando Kardec

Pivetta diz que PDT se distanciou de ideias de Brizola e descarta retorno ao partido

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Pivetta diz que PDT se distanciou de ideias de Brizola e descarta retorno ao partido
O vice-governador Otaviano Pivetta, atualmente sem partido, afirmou que está descartado seu retorno ao PDT, partido ao qual era filiado até outubro de 2020. Segundo o vice, a sigla se distanciou dos ideais de seu fundador, Lionel Brizola, que era um exímio defensor da educação. Na última semana, o presidente estadual do partido Alan Kardec, chegou a dizer que confiava no retorno de Pivetta exatamente porque ele era um ‘brizolista convicto’.

Leia também:
Kardec diz que PDT segue na base de Mauro e confia em retorno de Pivetta à sigla: “Brizolista convicto”



“Eu deixei o PDT há pouco tempo porque eu vejo que o PDT fala muito pouco sobre as ideias do fundador, ele era quase monotemático, mas ele falava com maestria e com autoridade de um setor que poderia mudar, assim como a Coreia do Sul mudou sua trajetória, o Brasil poderia mudar também, que é a educação. E eu tentei botar em prática o plano dele na cidade de Lucas, acho que conseguimos. Então eu vejo o PDT hoje preocupado com outras pautas e não me identifico mais com o atual pensamento partidário”, afirmou Pivetta na última segunda-feira (21) ao Programa Opinião, da TV Pantanal.

Pivetta deixou o PDT, em outubro de 2020, após decidir apoiar Coronel Fernanda (Patriota) na campanha ao Senado, enquanto a sigla apoiava o advogado Euclides Ribeiro (Avante). Ambos saíram derrotados do pleito eleitoral, e o vice-governador segue sem partido até hoje.

Diante do cenário, já discute-se nos bastidores as possibilidades de Pivetta sair candidato à reeleição como vice ou candidato ao Senado. Seu nome é visado por diversos partidos, além do PDT, como o MDB e o Republicanos, que já o convidaram para integrar o grupo de filiados. Ele, por sua vez, prefere esperar 2022 para tomar decisões.

“Então estou aí sem partido e para trabalhar, para viver, não precisa partido, precisa partido para concorrer eleição. Eu só vou definir se irei participar de alguma eleição em janeiro do ano que vem, e aí verei qual partido posso me encaixar ou escolher, em tempo”, afirmou.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet