Olhar Direto

Terça-feira, 28 de maio de 2024

Notícias | Cidades

caso Lucas Veloso

Coronel indicia 3 militares por morte de aluno soldado na Lagoa Trevisan

Foto: Reprodução

Coronel indicia 3 militares por morte de aluno soldado na Lagoa Trevisan
O coronel do Corpo de Bombeiros Dércio Santos da Silva, encarregado do inquérito policial militar (IPM) que investiga a morte do aluno soldado Lucas Veloso Perez, 27 anos, concluiu as investigações e indiciou três militares da corporação que estavam sendo investigados. A informação foi confirmada oficialmente pelo governo do Estado nesta quarta-feira (15).


Leia também
Coronel responsável por investigação de aluno soldado nomeia tenente-coronel para ser escrivão
 
Informações apuradas pela reportagem apontam que o capitão Daniel Alves Moura e Silva foi indiciado pelo crime de homicídio doloso eventual – quando se assume o risco de matar. O soldado Kayke Gomes – auxiliar do capitão - também foi responsabilizado por maus-tratos. O nome do terceiro agente não foi revelado.
 
Ao ser relatado o IPM, o relatório será encaminhado ao Ministério Público (MPMT) poderá promover o arquivamento, requerer novas diligências ou oferecer denúncia. Em caso de oferta, o órgão ministerial conterá a exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do investigado, a classificação do crime e, quando necessário, o rol das testemunhas. 

Oferecida a denúncia, os autos serão conclusos ao juiz para análise. Nessa fase, o magistrado poderá receber, rejeitar, ou até mesmo determinar diligências. 

O caso

Lucas morreu no dia 27 de fevereiro. Ele estava realizando um procedimento de resgate durante o curso de formação. Durante a aula, Lucas pegou um "flutuador" e foi questionado se tinha condições de finalizar a atividade.

Em certo momento, Lucas acabou afundando na água e foi resgatado. Foi apontado que pouco antes de se afogar, o jovem teria reclamado que sentia falta de ar.

Lucas foi levado para uma unidade médica e diversas manobras de reanimação foram realizadas, porém sem sucesso.

Alunos do curso de formação de soldados do Corpo de Bombeiros discutiram a morte de Lucas em um grupo do Whatsapp e um deles sugeriu que a vítima levou um "caldo", quando a cabeça é afundada na água para testar resistência. 
Entre no nosso canal do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
 

Comentários no Facebook

xLuck.bet - Emoção é o nosso jogo!
Sitevip Internet