Olhar Direto

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Cidades

Avião da Passaredo que ‘errou a pista’ teve danos na fuselagem e hélice; veja fotos exclusivas

Da Redação - Wesley Santiago

09 Jan 2016 - 16:24

Foto: Do Internauta

Avião da Passaredo que ‘errou a pista’ teve danos na fuselagem e hélice;  veja fotos exclusivas
A aeronave (ATR-72) da Passaredo Linhas Aéreas que atingiu uma lavoura de soja e rompeu uma cerca de arame farpado ao tentar pousar no Aeroporto Maestro Marinho Franco, em Rondonópolis, sofreu danos em sua fuselagem e na hélice. Relatos apontam que o avião ‘errou a pista’ e pousou na plantação. Em nota, a empresa informou ter sido necessário o procedimento de arremetida, após toque da aeronave no solo.

Leia mais:
Ao tentar pousar, avião atinge lavoura de soja e cerca em Mato Grosso
 
Um internauta do Olhar Direto, identificado como Leonardo, comentou que o pouso não ocorreu normalmente, como foi dito pela empresa: “Realmente a aeronave pousou na plantação de soja e rompeu sim a cerca, danificando parte do nariz da aeronave, ponta da hélice e algumas partes da fuselagem”.
 
Pelas fotos obtidas pela reportagem, que seriam do avião, é possível ver os danos mencionados pelo internauta. Também é possível identificar na plantação marcas do pneu da aeronave. A cerca que teria sido rompida, já estava consertada pela manhã. Após a arremetida, o pouso foi realizado às 00h23.
 
O "possível" pouso na lavoura foi negado pela Passaredo, que em nota informou ter sido necessário o procedimento de arremetida, após toque da aeronave no solo. A companhia aérea informou à reportagem que o pouso ocorreu normalmente, após o fato, e que nenhum passageiro ficou ferido.
 
Confira nota enviada pela Passaredo Linhas Aéreas:
 
“Durante a noite de ontem, em função de condições meteorológicas adversas durante o pouso do voo 2330 em Rondonópolis-MT, foi necessário efetuar uma arremetida após o toque da aeronave no solo. Após o procedimento, foi realizado nova aproximação e pouso normal. O desembarque dos passageiros ocorreu normalmente próximo ao horário previsto. A aeronave passa por inspeção dos técnicos do departamento de manutenção da companhia.
 
O pouso aconteceu as 00h23 e o voo era procedente de Brasília (DF).”

24 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Controlador
    05 Fev 2016 às 18:57

    Nossa isto ocorreu a noite. Vendo os danos na aeronave (e também as marcas no chão) só pode-se dizer uma coisa: Ficamos a poucos centímetros de um desastre total. O que aconteceu? Ele furou o mínimo? Ou perdeu o visual com a pista?

  • Soninha
    23 Jan 2016 às 18:42

    Cmte errou e foi demitido da empresa.

  • Mario
    20 Jan 2016 às 17:03

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Zacky
    15 Jan 2016 às 18:23

    Uma pergunta de quem ja voou muito ( piloto ) pela regiao Amazonica. Se nao ha procedimento, que eu saiba, de aproximacao instrumento, como pode ter acontecido isso. Um crime isso que fazem. Por certo os pilotos fazem por serem obrigados, mas o governo tem que ter a responsabilidade de criar o minimo de infraestrutura para operacao IFR . Um absurdo o que aconteceu. Por um milagre e boa reacao dos pilotos nao houve uma catastrofe. Minha opiniao...

  • Cleonice
    13 Jan 2016 às 18:24

    Foi horrivel esse incidente que aconteceu com essa aeronave da Passaredo primeira vez que venho passear aqui e acontece tudo isso quando a aeronave conseguiu aterrizar todos os tripulantes estavam em pânico e ninguem disse nada pras pessoas achei um descaso credo e ai falam no jorna com a maior naturalidade como se tivesse tudo bem

  • Marcelo Idiarte
    11 Jan 2016 às 15:31

    Felipe, se você soubesse o que é edição em jornalismo, não depositaria tanta esperança assim na capacidade ou na vocação da imprensa para informar tudo a todos. Nem tudo no mundo passa ou é gerido pela imprensa. Especialmente assuntos relacionados à aviação. William Waack tem breve de piloto privado. Ou seja: deveria ser uma fonte confiável para notícias sobre aviões, já que para outras notícias sua competência e isenção são questionáveis. Mas eu já vi ele no ar chamando motor aeronáutico de "turbina", algo que qualquer aviador que se preze não faria. Ou seja: cuidado com o que você lê, vê ou ouve na imprensa, porque nem sempre o que é informado procede. Especialmente em relação a aviões. Sobre o Cenipa: óbvio que o órgão tem conhecimento do incidente. Existe um sistema integrado chamado SIGIPAER que é destinado a exatamente isso: comunicação de acidentes ou incidentes aeronáuticos. Equipes do Seripa VI estiveram no local no mesmo dia do incidente. Provavelmente antes mesmo da imprensa, como já falei.

  • felipe
    11 Jan 2016 às 13:04

    entao sr. marcelo, nao sou do mundo da aviacao e nem sei como funciona, por isso acho muito importante as materias jornalisticas informar a todos. Tentando principalmente levar luz a todos os niveis de conhecimento (aos que entendem e aos que nao entendem sobre aviacao). Um Repórter deve reportar o ocorrido e mostrar tudo que acontece sobre o fato. Um bom jornalista que acho que faz bem esse papel de informar, explicar e trazer a luz do assunto é o willian waack do JG (glob). Entao a pergunta que fica para o olhar direto: O CENIPA tem conhecimento do ocorrido?

  • Marcelo Idiarte
    11 Jan 2016 às 10:34

    Felipe, o fato da reportagem não mencionar não significa que o Cenipa não sabia do evento muito antes da própria reportagem. Se você acompanhasse o mundo da aviação comercial, saberia como isso funciona.

  • Jose Alfredo
    10 Jan 2016 às 22:17

    Cmte totalmente irresponsavel, por fazer uma operação que deveria ser realizada somente em condições visuais com referencia com o local de pouso. Certamente o mesmo estava em situação instrumento , ou seja dentro de alguma formação meteorologica e arriscou descer abaixo da altitude minima de segurança sobre o terreno, como esse tipo de localidade não oferece recurso algum de aproximação por instrumentos , no minimo o "artista" deve ter plotado alguns pontos no GPS do avião e tentou a sorte ...... Não poderia dar outro resultado ... Quase uma tragédia.

  • joseluizdacosta@bol.com.br
    10 Jan 2016 às 19:53

    O governo federal quer 270 aeroportos atualizados, mas parece que está longe de funcionar, fartura de dinheiro...

Sitevip Internet