Olhar Direto

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Seis meses após eleição, 13 cidades estão sem prefeitos

Da Redação/ Kelly Martins

10 Abr 2009 - 10:04

Foto: Reprodução

Seis meses após eleição, 13  cidades estão sem prefeitos
Passados seis meses das eleições municipais , 13 cidades de Mato Grosso, que elegeram ou reelegeram prefeitos, estão com pendências por causa de decisões judiciais que tiveram registros de candidatura indeferidos ou cassados e estão sendo administradas por presidentes das Câmaras Municipais. No entanto, dois municípios mato-grossenses aguardam novas eleições.

Em Araguainha, distante 460 quilômetros de Cuiabá, e em Novo Horizonte do Norte, a 682 quilômetros, a população está sem prefeito e aguarda a decisão da Justiça Eleitoral. O Tribunal Regional (TRE) está elaborando o calendário eleitoral que deverá ser votado pelo Pleno. Após o feito, a data será marcada e a eleição deverá ocorrer no prazo de 20 a 40 dias, nos dois municípios.

Conforme o secretário judiciário do TRE, Edivaldo Rocha dos Santos, o pleito é marcado quando nenhum dos candidatos tiver mais que 50% dos votos. Na avaliação, o trâmite do processo se torna moroso, pois permite ao candidato cassado recorrer na segunda e terceira instâncias.

Em outras cidades, como Santo Antônio do Leverger e Nova Olímpia, os prefeitos cassados Faustino Dias e Francisco Soares tentam recorrer na Justiça para voltar aos cargos. Já em Ribeirão Cascalheira, o prefeito Francisco de Assis e  Juarez Costa, de Sinop, também podem perder o mandato. Eles conseguiram efeitos suspensivos das sentenças até o julgamento dos recursos pelo TRE. Da mesma forma acontece em Paranatinga e Poxoréu.

General Carneiro e Cáceres, os candidatos que ficaram em segundo lugar no pleito assumirão os cargos até o julgamento final dos recursos, que buscam reformar as decisões de cassações dos prefeitos eleitos decididas em sede de juízo local, com exceção apenas para Cáceres, onde a cassação foi por julgamento do TRE.

Em Cláudia, Juara e Barão de Melgaço, os prefeitos assumiram as funções, mas aguardam a decisão da Justiça.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Siqueira Campos
    11 Abr 2009 às 01:56

    Juara sera humanamente impossivel cassar o prefeito, pois km faz a lei ali é o cacique, com + de 80 processos tramitando na Justica por improbidade administrativa, mas, como tem dim dim seus direitos politicos permanecem intocaveis, como do seu pupilo. ISSO É UMA VERGONHA, so há JUSTICA para "P.P.P." me prove ao contrario. A JUSTICA DE MATO GROSSO NAO TEM MORAL EM JULGAR OS PROCESSOS E CASSAR OS DIREITOS POLIITICOS DO CACIQUE DE JUARA, provavelmente deve ter rabo preso ou coisa mais, fato esse lamentavel, + k esta ocorrendo de forma flagrante nos dias atuais

Sitevip Internet