Olhar Direto

Notícias / Carros & Motos

Chevrolet Celta some das lojas, e sindicato diz que produção acabou

Auto Esporte

20 Ago 2015 - 12:10

Foto: (Foto: Divulgação)

Chevrolet Celta 2014

Chevrolet Celta 2014

Depois de 15 anos e quase 1,7 milhões de unidades vendidas, o Chevrolet Celta virou raridade nas lojas no Brasil. Em 20 lojas de 9 estados consultados pelos G1 na última segunda (17) e terça (18), apenas duas disseram ter o modelo em estoque. O Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (RS), onde o Celta é fabricado, diz que a produção do hatch foi encerrada em junho passado. A General Motors, dona da Chevrolet, nega.
O Celta ainda pode ser configurado no site da Chevrolet, em versão única, LT, de R$ 34.990, sem opcionais. Ele já vem com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricos.

Porém, na prática, a história é bem diferente. Em 20 concessionárias nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Brasília, Curitiba, Recife, Salvador, Manaus e Belém, somente duas tinham o modelo em estoque, uma na capital paulista e outra no Rio. Em todas as outras, o discurso dos vendedores parecia ensaiado: “O Celta saiu de linha”.

Nos últimos anos, a marca renovou praticamente todo o seu portfólio no Brasil: entre os automóveis, apenas Celta e Classic, os mais baratos, são antigos. Mas a montadora nunca confirmou o fim da linha para o hatch. Em janeiro deste ano, questionado pelo G1 no Salão de Detroit, o presidente da GM do Brasil, Santiago Chiamorro, disse: "O meu trabalho neste ano ainda será vender muitos Celta e Classic”.

Como tudo começou

Fruto do projeto Arara Azul, o hatch compacto foi lançado em 2000 para ser o veículo mais barato da marca do país, custando pouco mais de R$ 10 mil. A missão era brigar de igual para igual com o Fiat Uno Mille e o o antigo Ford Ka.

Para isso, a GM criou o Celta, utilizando a plataforma do Corsa, de 1994. O modelo, porém, era bem mais simples e despojado, com um interior “franciscano” e espaço interno compatível com a concorrência. Já o desenho contava com linhas mais modernas do que as do Corsa hatch.

Foi um sucesso. Já em 2003, de acordo com a Fenabrave, a associação das concessionárias, o Celta foi o terceiro mais veículo mais vendido do país. Até 2012, ele nunca ficou de fora do “ranking” dos 5 mais vendidos, sendo o terceiro em outras cinco ocasiões.

Com a chegada do Onix, no fim de 2012, o Celta começou a sofrer um declínio. Envelhecido e defasado frente ao rival (e aos demais concorrentes), ele perdeu espaço – e versões. No ano final do ano seguinte, passou a contar com os itens obrigatórios de segurança, airbag e ABS.

Em 2015, o desempenho tem caído desde abril, quando foram emplacados 3.345 veículos. Em maio foram 2.123, em junho, 873, e em julho, apenas 326 unidades. O dado mais recente é inferior até ao do Audi A3 Sedan, sedã premium que custa 4 vezes mais do que o Celta.

Substituto indefinido

A GM não fala oficialmente em um substituto para o Celta. Há quem diga que o modelo será substituído por uma versão mais básica do Onix, que hoje parte de R$ 37.790. Por outro lado, aGM anunciou que irá aumentar os investimentos no Brasil para R$ 13 bilhões até 2019.

Desta quantia, R$ 6,5 bilhões serão utilizados no desenvolvimento de uma nova família de 6 veículos, que será produzida por aqui. A marca, porém, afirmou que estes novos modelos não serão no segmento de entrada, mas sim no que representa a maior fatia de vendas, justamente onde está posicionado o Onix e a derivação sedã, Prisma.

Outra opção, bem menos provável, é a venda do Opel Karl, compacto global lançado este ano no mercado europeu pela subsidiária alemã da GM. Cheio de equipamentos, ele conta com um moderno motor 1.0 de três cilindros de 76 cavalos. Na Europa, começa em, aproximadamente, 10 mil euros, ou R$ 38,8 mil, segundo a cotação do dia.

Por enquanto, o modelo mais próximo em preço do Celta é o Classic, que na verdade é o Corsa Sedã dos anos 1990 após várias reestilizações. Ele parte de R$ 33,6 mil na versão LS, e com opcionais, chega a R$ 34.640.
Sitevip Internet