Olhar Direto

Quinta-feira, 09 de julho de 2020

Notícias / Brasil

18 milhões de litros de sangue são desperdiçados por ano no Brasil

Notícias ao Minuto

20 Mai 2016 - 21:15

Homens homossexuais só podem ser solidários e doar sangue no Brasil com a condição de passarem um ano sem terem relações sexuais. O empecílho é imposto há anos pelo governo brasileiro, mas segundo levantamentos, têm prejudicado milhares de pessoas e desperdiçado milhões de litros de sangue, todos os anos. E já foi pior: até 2004, homens que fazem sexo com homens (HSH) eram proibidos de doar sangue.

Segundo a Super Interessante, em 2014, apenas 1,8% da população brasileira doou 3,7 milhões de bolsas. Segundo a ONU, o ideal é que entre 3 a 5% da população doe seu fluido. Ainda por cima, o IBGE avaliou que 101 milhões de homens vivem no Brasil e, desse total, 10,5 milhões se declara homo ou bissexual. Pela matemática, com o preconceito da legislação brasileira, são desperdiçados 18,9 milhões de litros de sangue por ano.

O Ministério da Saúde determina que as regras são estipuladas para que os receptores possam estar protegidos de doenças durante as transfusões. A restrição é ultrapassada e remonta uma época em que a orientação sexual era fator predominante na decáda de 1980, quando os homossexuais eram considerados o único grupo de risco.

Fontes ouvidas pela revista apontam que muitos homossexuais mentem que mantém relações sexuais para conseguir doar sangue: "O gay é obrigado a mentir a vida inteira. Mente para os amigos, mente no trabalho, mente para família. É injusto ter que passar por isso e mentir para um desconhecido sobre a orientação sexual, ainda mais por uma causa tão nobre quanto a doação de sangue. Não quero mais mentir", diz Salomão*.

No Brasil, de 1980 a junho de 2015, 65% dos infectados eram homens e 35%, mulheres. O número de casos se mantém estável no país, nos últimos dez anos. A cada ano, são 40,6 mil novos casos da doença.

"Se ficar provado que o sangue é infectado, é uma questão óbvia, lógica. Mas se um homem chegar e contar que é gay, isso o exclui sem critério lógico algum. Restringir o direito da pessoa sem nem testar o sangue, é partir do pressuposto que seu sangue é doente", afirma a jurista Adriana Galvão, presidente da Comissão da Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB de São Paulo.
Sitevip Internet