Olhar Direto

Quinta-feira, 20 de junho de 2019

Notícias / Política MT

Acordo entre governo e consórcio sobre o VLT pode sair nas próximas horas: “Estamos muito perto”

Da Redação - Wesley Santiago

22 Dez 2016 - 14:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Acordo entre governo e consórcio sobre o VLT pode sair nas próximas horas: “Estamos muito perto”
O secretário de Cidades (Secid), Wilson Santos (PSDB), deu a entender que um acordo entre o governo e o Consórcio VLT, sobre a retomada das obras do novo modal, pode sair nas próximas horas: “Estamos muito próximos de um entendimento. Daqui a algumas horas, esta entrevista pode ficar superada”, comentou o tucano, durante a entrega de 75 ambulâncias, na manhã desta quinta-feira (22), no Palácio Paiaguás, em Cuiabá.

Leia mais:
Engenheiro vê VLT do Rio de Janeiro mais complexo que o de Cuiabá e lembra: “Quase paramos o tráfego aéreo”

“Daqui a algumas horas esta entrevista pode ficar superada. Acredito que até amanhã (23) conseguimos fechar essa questão. Trabalhamos muito, foram dezenas de reuniões, idas e vindas. Todos os atores do VLT estiveram envolvidos querendo a retomada das obras. O Ministério Público Estadual (MPE) teve participação importante, assim como o Ministério Público Federal (MPF) e as empresas que compõe o Consórcio”, disse Wilson.
 
O tucano ainda deu a entender que o acordo será selado nas próximas horas: “Estamos muito perto de um entendimento. O VLT é composto de várias frentes. Estamos montando uma equipe de primeiro mundo para tocar a parte operacional, a mesma que esteve envolvida no modal do Rio de Janeiro (RJ). Na área da equação financeira está tudo muito bem encaminhado com o Ministério das Cidades, a Caixa Econômica Federal (CEF) e a área de negociação financeira com o Consórcio, que está muito perto de chegar”.
 
Ainda conforme Wilson Santos, “o governo começou oferecendo o valor de R$ 715 milhões (atualizado). Eles [Consórcio VLT] pediam R$ 1,299 bilhão. O montante ainda não posso falar, porque não está fechado, mas está muito perto de um acordo”, garantiu o secretário de Cidades, que finalizou: “Há um hiato entre o fechamento e o reinício das obras. Isso leva no mínimo 90 dias”.
 
VLT
 
A obra do modal de transporte está paralisada desde o final de 2014 e, devido à divergência entre os valores solicitados pelo consórcio para concluir o VLT e o valor que a atual gestão está disposta a pagar, o governador judicializaou a questão.
 
O governo passado já pagou R$ 1,066 bilhão ao consórcio VLT Cuiabá, do total de R$ 1,477 bilhão pelo qual a obra foi contratada. Com base no relatório da consultoria KPMG, o governo estadual ofereceu ao consórcio R$ 191 milhões a mais que o contrato assinado em 2012, que foi de R$ 1,477 bilhão. Ou seja, no total, o VLT sairia por R$ 1,668 bilhão. Para concluir a obra, o consórcio havia solicitado o total de R$ 2,2 bilhões.
 
Entre os valores cobrados pelo consórcio construtor, R$ 423 milhões são referentes ao reajuste e reequilíbrio financeiro e R$ 446 milhões de saldo (corrigido pelo Índice Nacional de Custo da Construção – INCC). No entanto, de acordo com assessoria do Governo de Mato Grosso,  o estudo da KPMG aponta que o valor do reajuste e reequilíbrio financeiro é de R$ 176 milhões e o saldo é de R$ 426 milhões, já com a devida correção.
 
Projeto
 
O modal terá dois eixos, Aeroporto-CPA e Centro-Coxipó, e será implantado no canteiro central das avenidas João Ponce de Arruda e FEB, em Várzea Grande; XV de Novembro, Tenente Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça, Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, em Cuiabá, totalizando 22 km de extensão.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ricardo
    23 Dez 2016 às 08:03

    Nao estou aqui para defender Wison Santos, mas os recursos do ministerio da cidades e 600mi da caixa economica, nao podem ser usados em outras areas como saude, educaçao e seguraça. Esse valores so podem ser usados no VLT. Se o governo nao usar nessa obra o recurso e devolvido a União e utilizado em outra obras de infra estrutura em outro estado

  • Rogério Cardoso
    22 Dez 2016 às 21:34

    Até que enfim. Embora existe corrente contra, todos sabemos que nós cuiabanos queremos muito esse VLT. O dinheiro federal para essa obra já está garantido desde 2012 e não vai sair da saúde e nem da educação. E mesmo que a obra não saia, o dinheiro não vai ser revertido para a saúde, não se iludam. Esse modal é a chave de ouro para a transformação de Cuiabá nos seus 300 anos e um grande presente para os 300 mil usuários de ônibus que sofrem com essas latas velhas desconfortáveis. Wilson Santos, estamos percebendo sua boa vontade. Faça o VLT e sua dívida para com nós cuiabanos estará paga e ainda vai ficar um bom crédito. Boa sorte.

  • Pedro Paulo
    22 Dez 2016 às 15:21

    Vai ter acordo? Com participação do MPE e MPF? Conta outro senhor Secretário, os promotores e procuradores encontram-se de recesso e só voltam ao trabalho em janeiro.

  • Carlos Nunes
    22 Dez 2016 às 15:20

    Esse governo não garante pagamento do RGA, nem repasse do dinheiro para os poderes, nem pagamento da folha dos servidores em dia, sem depender de repasse de verba federal, nada...e ainda vai torrar MILHÕES (ou Bilhões) no VLT. O bom é que, quando faltar, em 2017, dinheiro para a Saúde, por exemplo, do 141 municípios, ele pode dizer: NÃO TEM DINHEIRO, porque estamos torrando no VLT, uai. Nessa época das vacas magras, VLT agora ficou supérfluo pra burro...tem um montão de coisas mais prioritárias na frente. Mas pelo visto VLT vai virar prioridade estadual de novo. Ih! Essa novela do VLT ainda vai longe. Dá medo deixarem abrir Cuiabá de ponta a ponta, do Porto ao CPA, e do Centro além do Coxipó, aí, o dinheiro minguar, acabar, e a cidade ficar toda aberta, esperando o dinheiro aparecer...enquanto tem um montão de prioridades muito mais importantes SEM DINHEIRO.

  • Barros
    22 Dez 2016 às 14:59

    O Estado não consegue abastecer viaturas e nem pagar salários,ainda quer AVENTURAR com esse negócio bilionário,e brincadeira ou maldade.

  • cuiabano sincero
    22 Dez 2016 às 14:44

    eu não queria ser secretário da SECID de jeito nenhum, pensa nuns pepinos... e o pior é que essas obras da copa a maioria delas estão no judiciário... o que atrasa ainda mais o andamento.

Sitevip Internet