Olhar Direto

Segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Notícias / Cidades

Parados, trens do VLT recebem cuidados diários e secretário lamenta: “poderiam estar rodando”; veja fotos e 360º

Da Redação - Wesley Santiago

25 Jun 2018 - 08:22

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Parados, trens do VLT recebem cuidados diários e secretário lamenta: “poderiam estar rodando”;  veja fotos e 360º
Quase cinco anos após chegarem a Cuiabá, os trens do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) ainda continuam confinados dentro do Centro de Manutenções, localizado em Várzea Grande. O que poucos sabem é que as composições recebem atenção e cuidados diários. Os veículos têm manutenção para evitar problemas causados pelo forte sol da capital mato-grossense. O secretário-adjunto do VLT, José Picolli, lamenta que os trens não estejam a serviço da população. “Poderiam estar rodando, ainda estão cheirando a novos”.

Leia mais:
“Não adianta ter o RDC pronto sem a empresa para operar o VLT”, afirma secretário
 
A reportagem do Olhar Direto esteve no Centro de Manutenções e pôde conferir de perto como é feito o trabalho com as 40 composições. Uma equipe é responsável por zelar pelo patrimônio mato-grossense. “Os veículos têm manutenção todo dia. Eu mesmo vou pelo menos duas vezes por semana para acompanhar. São verificadas as borrachas, os trens são movimentados manualmente, porque não podem ficar parados. Cobrimos as principais partes de dentro para evitar problemas causados pelo sol. Não tem nada abandonado aqui”, garantiu o secretário à reportagem.
 
No Centro de Manutenções, também é possível notar que praticamente tudo o que é preciso para dar sequência na obra está no local, apenas aguardando a ordem de execução dos serviços. “Está tudo aqui, só precisamos montar tudo isto na cidade. Nós não tivemos aqui nada mau feito. O que aconteceu foi a paralisação. Você pode ver a qualidade de tudo, os parafusos que estão há mais de cinco anos parecem que foram colocados hoje. Os trilhos estão perfeitos, o que se vê é um pouco de mato, mas que é rapidamente resolvido”, comenta Picolli, que foi responsável pela implantação do VLT no Rio de Janeiro (RJ).
 
“Aqui [no Centro de Manutenções] temos uma área de 64 mil m². Para ter uma ideia, o do Rio de Janeiro tem 15 mil m². Tem um local para guardar os trens, a oficina para que possa ser dada manutenção. É uma cidade que temos aqui, que irá gerar muitos empregos para a população”, explicou o secretário.



A reportagem também teve a oportunidade de entrar nas composições. Dentro, o que se vê é que os veículos estão bem cuidados e ainda com cheiro de novos. Monitores ainda estão com os plásticos de proteção, para evitar que risquem. O maior problema do local é a poeira do lado de fora, o que torna impossível que todos os trens fiquem com a aparência de limpos na parte externa.
 
Além disto, a equipe responsável por cuidar do local também se preocupa com o mato que fica perto dos trens. Periodicamente o matagal é cortado ao redor das composições, para evitar problemas, como um possível incêndio, que poderia fazer os quase R$ 500 milhões gastos com as composições virarem fumaça.
 
“Quando nós vemos esta cena aqui, ficamos tristes. Estes trens estão todos parados, mas poderiam estar rodando. Poderia estar auxiliando o trânsito e dando maior conforto às pessoas. Com o VLT, não teríamos problemas com a greve dos caminhoneiros, já que ele é elétrico. Temos um ótimo serviço para oferecer, que em breve estará pronto para a população”, disse Picolli.


 
Chegada
 
As primeiras composições do VLT começaram a chegar à Cuiabá em novembro de 2013. Na ocasião, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), fez inclusive um ‘desfile’ de carro aberto para mostrar à população os novos trens. Os últimos, dos 40 vagões, chegaram à capital mato-grossense em junho de 2014, pouco antes do início da Copa do Mundo. Até o momento, foram pagos R$ 488.050.000 (98%), dos R$ 497.990.000,00 previstos em contrato.
 
Ao todo são 40 veículos, sendo que cada trem possui aproximadamente 44 metros de comprimento. Ele é composto por sete módulos, com capacidade para transportar até 400 pessoas (por veículo), sendo 77 sentadas. Todos eles foram importados da Espanha e chegaram de navio até o porto de Santos, depois foram transportados em carretas até a capital mato-grossense.



VLT
 
As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) tiveram início em 2012, com previsão de conclusão em março de 2014, três meses antes da Copa do Pantanal Fifa 2014, tendo Cuiabá como uma das sedes – quatro jogos foram realizados na Arena Pantanal José Fragelli. Alegando não ter recebido por parcela considerável do que já havia realizado, o Consórcio VLT paralisou as obras em dezembro de 2014.
 
Após a posse, o governador Pedro Taques determinou auditoria nas obras e no contrato do Consórcio VLT. Constatou-se superfaturamento e falhas pontuais, como a aquisição antecipada das locomotivas e vagões do VLT supostamente por causa de um período de baixa do dólar.
 
Em fins de 2015, por determinação do juiz Ciro Arapiraca, da Seção Judiciária de Mato Grosso, houve a retomada das conversações do governo com o Consórcio VLT, para que as obras pudessem ser concluídas. Após a delação premiada de Silval Barbosa, revelando que houve corrupção, o contrato foi rompido. No início, o valor do projeto foi fixado em R$ 1,447 bilhão.

24 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Burity
    26 Jun 2018 às 13:48

    Estas fotos tiradas a 4 anos mostra a realidade daquela época. Hj o que vemos é o abandono criminoso dos vagões que estão a mais de 4 anos sob sol, calor e Chuva apodrecendo. É o dinheiro publico jogado no lixo. Enquanto isso a população de Cuiabá e da região metropolitana são reféns de empresas de transporte de passageiros que são sucatas. Algumas delas sem uma licitação. O Cuiabano sonha com o VLT MAS INFELIZMENTE existem forças ocultas que trabalham contra. O ministério público não pode fingir de MORTO e não indiciar aqueles que deixou de cuidar da coisa pública. Vagões já deveriam estar sob uma cobertura . Isso seria o mínimo que aqueles que foram eleitos deveriam cuidar para que a coisa pública não virasse sucata por abandono proposital do gestor público de plantão.

  • Maria Rita
    26 Jun 2018 às 11:45

    OS VAGÕES DO VLT ESTÃO SOB SOL E CHUVA E CALOR POR MAIS DE 4 ANOS. ISTO É A FALTA DE CUIDADO COM A COISA PUBLICA. O GOVERNADOR DO ESTADO É RESPONSAVEL PELA INTEGRIDADE FISICA DOS VAGÕES. ONDE ESTA O MISTÉRIO PUBLICO. QUATRO ANOS . PODERIAM JÁ TER SIDO CONSTRUIDO UMA COBERTURA PARA PROTEGER O BEM PÚBLICO. ISTO É MAIS QUE DESCASO COM A COISA PÚBLICA. A ASSEMBLÉIA SE CALA . SERÁ QUE SERÁ PRECISO A POPULAÇÃO ACIONAR A JUSTIÇA DE MATO GROSSO PARA QUE ESTA TOME AS PROVIDÊNCIAS DEVIDAS. VAMOS GENTE A POPULAÇÃO DE CUIABÁ CLAMA PELA TERMINO DO VLT. CUIABÁ 300 ANOS DE TRANSPORTE PUBLICO MODERNO ISTO SERIA O MAIOR PRESENTE PRA NOSSA TRI CENTENÁRIA CAPITAL..

  • Cleiton
    26 Jun 2018 às 10:30

    Só bobó-cheira-cheira pra acreditar que essas imagens são atuais. Como disse Jeferson Matos, não existe imprensa livre, o que exite é alguém pagando a notícia, portanto quando aguem paga, logo, a matéria é a favor do pagador e não do leitor. Simples Assim.

  • Benedito
    26 Jun 2018 às 08:43

    Vendam tudo e façam o BRT logo

  • Marcos
    26 Jun 2018 às 08:10

    Alguém pode me dizer onde esse trenzinho vai rodar? Pois as áreas destinadas à passagem dos trilhos estão sendo aos poucos arborizadas ou alteradas de alguma forma. Será que vão adaptar rodas nos vagões e colocar pra rodar nas ruas mesmo?

  • Cidadão Atento
    25 Jun 2018 às 19:50

    Não há opção, a não ser colocar para rodar o mais rápido possível ainda que em trechos menores do que os previstos inicialmente. Agora, com esse (des) governo que está aí não sairá nunca mesmo. Perdeu-se muito tempo. Quem irá comprar esses vagões? E a que preço? Tem que ter competência e planejamento e terminar isso.

  • Jeferson Pereira
    25 Jun 2018 às 17:40

    Só colocar no Desapega, OLX para revenda kkkkkk só assim para resolver o problema dele parado.

  • fernando
    25 Jun 2018 às 17:35

    OTÁRIO AQUELE QUE ACREDITA NA ESTÓRIA DO TRENZINHO DA ALEGRIA. ESSAS IMAGENS ERAM DE QUANDO O VLT ESTAVA NOVO. VÁRIOS VAGÕES JÁ ESTÃO CORROÍDOS. TEM ATÉ NOIADO FAZENDO MORADIA NOS VAGÕES. ACORDA, CAMBADA DE BESTA.

  • deovaldo
    25 Jun 2018 às 16:59

    As mesmas pessoas que enganaram , são as mesmas que irão concorrer ao pleito eleitoral este ano. Então , não querem renovar porque será hein povo ? Chegou a hora de varrer todos da assembléia de MT..A hora é essa acordemmmmmmmmmmmmm,,,mas trocam cargos para ficarem em seus cargos né...povo corrupto e cultura corrupta que escolheram, por isso vivemos esta mazela e dependemos da UNIÃO......não precisamos de pires, produzimos muito, basta equacionar os tributos e traríamos diversas Industrias para beneficiarmos a matéria prima e ganharíamos mais...povo burrro governos idem

  • joao do pedegral
    25 Jun 2018 às 15:35

    Com cordo plenamente co JEFERSO, isso sem contar com essa justiça corrupta tb que se e de entrar para dar continuidade, esta fazendo o jogo do Gov. quer dizer enrrolar para não sair mesmo, pois e so mentiragem, direto falam que vai dar incio, a justiça entre e arruma um pe de desculpa e quantinua enterrado.

Sitevip Internet