Olhar Direto

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Política MT

Janaína cita “banda podre do MP” e pede que procurador explique acusações sobre grampos

Da Redação - Wesley Santiago

17 Jul 2019 - 08:38

Foto: Assessoria de imprensa - AL-MT

Janaína cita “banda podre do MP” e pede que procurador explique acusações sobre grampos
A deputada estadual Janaína Riva (MDB), citada nos depoimentos prestados pelo ex-comandante da Polícia Militar de Mato Grosso, Zaqueu Barbosa e o coronel Evandro Lesco como uma das pessoas grampeadas de forma irregular na ‘grampolândia pantaneira’, quer que o procurador-geral de Justiça, José Antonio Borges, vá até a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) para que esclareça o suposto envolvimento de membros do Ministério Público Estadual (MPMT) no esquema. Em seu discurso, na sessão que começou na terça-feira (17), mas só terminou após a meia noite, ela citou que existe uma “banda podre” do órgão.

Leia mais:
Lesco afirma que Taques ordenou grampo contra vice-governador;acompanhe a audiência
 
Após as pautas serem limpas, para que aconteça a Primeira Votação do projeto dos incentivos fiscais, a deputada usou a tribuna para pedir que José Antonio Borges seja convidado à prestar esclarecimentos sobre o suposto envolvimento de membros do Ministério Público Estadual nos grampos telefônicos ilegais do ex-governador Pedro Taques (PSDB).
 
“Depoimento vergonhoso que os militares envolvidos no caso dos grampos ilegais do ex-governador Pedro Taques, fizeram na tarde desta terça-feira (16), que expôs uma banda podre do Ministério Público e que uma instituição que deveria constitucionalmente zelar pelos direitos dos cidadãos, teria patrocinado os grampos ilegais e violado o direito fundamental à privacidade de centenas de pessoas  incluindo eu”, discursou a parlamentar.
 
A deputada ainda aproveitou para questionar se os fins justificam os meios e também quem são os verdadeiras bandidos desta história. “Pedi que o presidente Eduardo Botelho convide o procurador-geral de Justiça para prestar esclarecimentos sobre o assunto”.
 
“A sociedade precisa de uma resposta e que os culpados sejam punidos com a mesma mão de ferro que o MP usa para acusar aqueles que não fazem parte da instituição”, finalizou a deputada.
 
Apuração
 
O procurador-geral de Justiça José Antônio Borges determinou nesta terça-feira (16) a instauração de procedimento administrativo para investigar possível ocorrência de desvio de finalidade na utilização de "verbas secretas" do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), no período compreendido entre o segundo semestre de 2015 e o primeiro semestre de 2016.
 
Procedimento foi instaurado diante da divulgação de trechos de depoimento prestado pelo cabo Gérson Corrêa no processo do caso conhecido como ‘grampolândia pantaneira’. O militar acusou o Gaeco de falsificar prestações de contas.
 
Segundo nota do Ministério Público, as verbas são destinadas a cobrir despesas operacionais em procedimentos investigatórios reservados que exigem sigilo, porém há um controle do seu uso por meio de prestação de contas.
 
Em seus depoimentos na tarde de terça-feira, os coronéis Zaque e Lesco confessaram participação nos grampos, disseram que tudo teria sido feito a mando do ex-governador Pedro Taques e que Janaína Riva teria sido alvo de grampo ilegal.
 
Conforme Lesco, Janaína Riva teria sido grampeada na Operação Metástase, a pedido do promotor de Justiça Marco Aurélio, chefe do Gaeco. O ex-vereador João Emanuel, ex-marido da deputada, também foi outro alvo da arapongagem.

15 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Zé Silva
    18 Jul 2019 às 14:25

    Fazer oq?? Se não tem cão, caça com gata! Cade os nobres parlamentares?

  • Zé Silva
    18 Jul 2019 às 14:25

    Fazer oq?? Se não tem cão, caça com gata! Cade os nobres parlamentares?

  • Mauricio
    17 Jul 2019 às 17:11

    Como a maioria dos políticos, ela vive de fatos impactantes dos quais se aproveita para aparecer. Oportunista, como quase todos da classe, sabe aproveitar a deixa. Nenhuma novidade.

  • Itrio
    17 Jul 2019 às 14:24

    Por isso que querem derrubar o cidadão aí. Ele não doou nenhuma placa para a obtenção de grampo, e por certo não fará defesa gratuita de ninguém.

  • JOSE NILDO
    17 Jul 2019 às 14:17

    kkkk coitado da laranja só faz o bem, agora esses podres envolvidos só a justiça divina

  • MARIA TAQUARA
    17 Jul 2019 às 13:40

    que vergonha pro MPE-MT, levar sabão da família Riva!

  • Jorge
    17 Jul 2019 às 11:27

    Esses promotores acusados tem quer serem afastados das funções urgentemente,todos os indícios e confissões de réus do processo penal indicam eles como mandantes de grampos ilegais,clandestinos,ferindo às liberdades individuais do cidadão,à Constituição Federal,as garantias constitucionais,o Estado de Direito,é muito grave às acusações,abrir processo disciplinar nessa altura processual é escamotear o origem do ilícito penal...

  • Antônio
    17 Jul 2019 às 11:27

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Rita Menendes da Silveira
    17 Jul 2019 às 11:12

    Vejam só quem está falando em banda podre ! Desse assunto ela entende, pois sempre viveu na e da podridão da política.

  • Jari
    17 Jul 2019 às 10:58

    E AS CARTAS DE CRÉDITO DO MP ????????????????????????

Sitevip Internet