Olhar Direto

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Educação

Mais de 300 crianças imigrantes são matriculadas na rede municipal de ensino em Cuiabá

Da Redação - Thaís Fávaro

30 Set 2019 - 17:00

Foto: Assessoria

Mais de 300 crianças imigrantes são matriculadas na rede municipal de ensino em Cuiabá
Cerca de 327 crianças de origem venezuelana, haitiana, peruana, boliviana, angolana, japonesa, inglesa ou de outras nacionalidades estão matriculadas nas 163 unidades educacionais da rede municipal de Cuiabá. A ideia é garantir a inclusão social e atendimento às crianças em situação de risco e suas famílias por meio da educação, possibilitando a alfabetização dos filhos de imigrantes que escolheram viver em Cuiabá.

Leia mais
Com minirreforma pronta, prefeito anuncia corte de 30% nos cargos de confiança 

Segundo a coordenadoria de Estatística da Secretaria Municipal de Educação (SME), o número de crianças estrangeiras matriculadas na rede pública do Município tem crescido nos últimos anos, e aumentou consideravelmente nos últimos três. Hoje, estão matriculados regularmente 327 alunos, de diversas nacionalidades, além de 72 estudantes indígenas. Os venezuelanos formam o maior grupo com 113 alunos, seguido pelos haitianos, com 111.

A rede tem ainda dois americanos, dois angolanos, dois argentinos, 17 bolivianos, dois chilenos, sete colombianos, um cubano, cinco dominicanos, 30 espanhóis, um inglês, um irlandês, um italiano, 10 japoneses, cinco paraguaios, dois peruanos e 15 portugueses.

Segundo a Coordenadoria de Estatística, a grande procura por vagas na rede pública por parte dos imigrantes se deve a qualidade do ensino e a oferta da pré-escola, alfabetização e o ensino até o quinto ano.

Recentemente, 28 crianças venezuelanas com idades a partir de 4 anos foram matriculadas em escolas do município. O secretário de Educação Alex Vieira Passos disse que na Educação Infantil, a partir da Pré Escola até o Ensino Fundamental, a rede absorve a demanda por vagas.

"A gestão Emanuel Pinheiro trabalha para atender aqueles que mais precisam do poder público e, é com esse olhar humanizado, que estamos criando novas vagas na rede, em especial na faixa etária de 0 a 3 anos e 11 meses, para atender a todos igualitariamente, cuiabanos e imigrantes", destacou Alex Vieira Passos lembrando que em parceria com o Ministério Público e outros órgãos e instituições, a Prefeitura de Cuiabá está participando de várias ações no sentido de atender essas famílias.

O Executivo Municipal estuda também a instituição de um comitê intersetorial que irá discutir políticas públicas no âmbito do Município, voltadas para a população imigrante. O comitê deverá seguir o modelo de funcionamento de outras capitais e cidades brasileiras, que passam pelo mesmo problema, o desordenamento e desiquilíbrio populacional.

Vania Joceli Araújo, representante da Educação na ação junto aos venezuelanos e outras populações, falou sobre a ação emergencial junto as crianças imigrantes, principalmente aquelas que estavam em situação de risco, em rotatórias e semáforos da capital e disse que a intenção é ir além.

"Nosso objetivo é fortalecer as ações coletivas para que possamos melhorar a situação dessas famílias não só de venezuelanos, mas de outros grupos de imigrantes que estejam vulneráveis, com orientações e apoio", explicou. A proposta é que integrem o comitê Intersetorial Conselhos Tutelares, Secretarias de Assistência Social e Desenvolvimento Humano, e Mobilidade Urbana, além da Secretaria Municipal de Educação, entre outros parceiros.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Norma Vânia
    30 Set 2019 às 19:33

    Enquanto isso, nossas crianças, padecem nas escolas públicas, sem ar condicionado, sem bons materiais didáticos, sem bons professores, merenda estragada... aí, nossos brilhantes e bondosos gestores públicos vêm fazer caridade com estrangeiros. Não dá pra entender. Daqui a pouco terão direito à bolsa família também.

  • Olga Benedito
    30 Set 2019 às 17:15

    Será que nós brasileiros, seríamos bem tratados assim no exterior. Resposta: não. Seríamos deportados.

Sitevip Internet