Olhar Direto

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Política MT

Prefeito pede sensatez em ação da PF e teme quebra-quebra: “Tem gente que saiu só com a roupa do corpo”

Da Redação - Wesley Santiago

08 Out 2019 - 14:29

Foto: Reprodução

Prefeito pede sensatez em ação da PF e teme quebra-quebra: “Tem gente que saiu só com a roupa do corpo”
O prefeito de Aripuanã (704 quilômetros de Cuiabá), Jonas Canarinho (PR), pediu sensatez á Polícia Federal durante a segunda fase da ‘Operação Trypes’, deflagrada na última segunda-feira (07), com o objetivo de fechar um garimpo ilegal que contava com aproximadamente 1.500 pessoas. O gestor disse que muitos reclamaram que saíram só com a roupa do corpo e teme que a situação se transforme em um quebra-quebra, trazendo prejuízos á cidade.

Leia mais:
Garimpeiros arrastam carros de mineradora e clima fica tenso em cidade alvo de operação da PF; veja

“Eu estou em Brasília (DF) e fizemos um protocolo pedindo aos órgãos que não façam maldade com quem está lá. A cidade está vivendo uma situação muito difícil, aquela região é marcada por coisas bárbaras. Precisamos ter sensatez. Queremos que eles deixem as pessoas retirarem os maquinários e também pertences”, disse o prefeito ao Olhar Direto.

Segundo o gestor, muitos foram obrigados a deixar seus barracos apenas com a roupa do corpo e impedidos de retornar para pegar pertences. “O Brasil não está mais aceitando tratar pessoas nesta situação. Tem coisas que não precisam. O cara sai de lá sem dinheiro, com a roupa do corpo. Isso traz uma instabilidade muito grande, é claro que eles se revoltam”.
 
Ainda conforme o chefe do Executivo municipal, por temor de quebra-quebra, o comércio local fechou as portas. “A prefeitura, assistência social, estamos todos em alerta. Os lideres estão pregando tranquilidade, mas isto pode mudar”.

 

Imagens divulgadas pela Polícia Federal nesta terça-feira (08) mostram máquinas derrubando os barracos que foram erguidos na área do garimpo ilegal.

O garimpo ilegal contava com uma população de 1,5 mil pessoas. Atraídos pela ‘febre do ouro’, todos montavam seus barracos na extensa e depredada área. Nesta terça-feira (08), após a morte de um garimpeiro em confronto com o Batalhão de Operações Especiais (Bope), a população fez um protesto pelas ruas da cidade.

O garimpo ilegal esta em funcionamento desde outubro de 2018. No local, há pessoas armadas e isso tem contribuído para homicídios. Além disso, há outros crimes cometidos na área, como: ambientais, contra o patrimônio e tráfico ilícito de drogas.



Morte
 
Um garimpeiro, ainda não identificado, morreu em confronto com o Bope, na segunda-feira (07). Os policiais orientaram que todos deixassem o local. Porém, em um dos barracos, o homem disparou tiros contra a equipe, que revidou e o atingiu com dois tiros na região do tórax. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.
 
Fazem parte da ação, além das policiais Militar e Federal, Sistema Penitenciário, Polícia Judiciária Civil (PJC), Corpo de Bombeiros, Grupo de Operações Especiais (GOE) da PJC, Politec, Polícia Militar, Força Tática, Rotam e os fiscais do Ibama e da Sema.

Fase 1
 
No dia 26 de setembro, a Polícia Federal deflagrou a primeira fase da ‘Operação Trypes’, com o objetivo de investigar irregularidades na extração de ouro em garimpos de Mato Grosso.  Foram cumpridos mandados de prisão em Juína, Aripuanã, Alta Floresta e Paranaíta.
 
A ação tem ligação com o avião localizado em junho deste ano, na cidade de Aripuanã, com uma quantidade em ouro.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Junior
    08 Out 2019 às 20:03

    A verdade é que quando é descoberto ouro em algum lugar por pequenos garimpeiros, cresce o olho dos apadrinhados de políticos que fazer de tudo para expulsar os coitados, pois é só os grandes que tem esse direito

  • Poconeano
    08 Out 2019 às 18:16

    Uai? Mas não era isso que os ditos "cidadãos de bem" estavam pedindo? Força policial e do exército tomando conta das coisas. Então toma uma amostra grátis de militarismo nas costas para lembrar de quem realmente manda neste país. O PT já era... Vamos procurar um novo culpado ou tomar vergonha na cara e discutir seriamente o futuro do Brasil?

  • Ares
    08 Out 2019 às 16:44

    O país não tem fome nem miséria nem anda cambaleando das pois durante mais de 12 anos de governo de pt o lula pai dos pobres acabou com a pobreza não é isso que o pt que arrasou destruiu o Brasil prega e muitos desprovidos de inteligência atiram na polícia acredita e vivem gritando lula livre

  • Vinicius
    08 Out 2019 às 15:33

    Parabens Sr. Marcos, voce é uma daquelas pessoas que quer que a fome e a miseria aumente mais nesse pais que ja anda cambaleando das pernas, so queria que voce me dicesse o que é legal nesse pais porque o que eu vejo e tudo inlegal e soa agora que vão querer moralizar pra isso tem que começar desde dos politicos dos orgãos publicos e da nossa justiça

  • Marcos
    08 Out 2019 às 14:42

    Deixar o garimpeiro ilegal sair com maquinários é o mesmo que dizer para ele ir abrir garimpo ilegal em outro lugar.A Policia tem que destruir o equipamento da atividade ilegal sim. É uma possibilidade legal. O garimpeiro que morreu estava armado, atirou contra as forças policiais e não atendeu ao comando de desocupar a área, ou seja, ele escolheu o caminho da violencia. Aripuanã não é terra sem lei. O Estado brasileiro está atento a atividade garimpeira ilegal. Politicos que defendem essa ilegalidade não serão reeleitos novamente.

Sitevip Internet