Olhar Direto

Notícias / Ciência & Saúde

Estudantes de medicina e outros cursos poderão se formar antes do tempo para atuar contra o coronavírus

Da Redação - Isabela Mercuri

06 Abr 2020 - 15:50

Foto: Reprodução / Ilustração

Estudantes de medicina e outros cursos poderão se formar antes do tempo para atuar contra o coronavírus
Estudantes universitários de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia poderão se formar antes do tempo para atuar no combate ao novo coronavírus (COVID-19). Para os futuros médicos, o tempo ‘antecipado’ será de até 15% do internato, e para as demais áreas, 15% do ensino curricular obrigatório, ou seja, terão que ter cursado no mínimo 75%.

Leia também:
Secretário diz que não adianta construir hospitais: “não vamos ter equipamentos”

A medida foi autorizada pelo Ministério da Educação (MEC), e consta em uma portaria publicada nesta segunda-feira (6) no Diário Oficial da União (DOU). Como bonificação, a carga horária dedicada no combate à pandemia deverá ser computada pelas instituições de ensino para complementar o estágio curricular obrigatório, a Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS) deve emitir certificados das participações dos profissionais, que receberão um acréscimo de dez por cento na nota final do processo de seleção pública para o ingresso nos programas de residência.

A medida tem caráter excepcional, valerá enquanto durar a situação de emergência na saúde pública e servirá exclusivamente para atuação no combate ao novo coronavírus.

"O objetivo dessa medida é reforçar o combate à pandemia do novo coronavírus. Permitir que mais profissionais possam atuar nessa situação de emergência é imprescindível", destacou o secretário de Educação Superior do MEC, Wagner Vilas Boas de Souza.

Além disso, o Ministério da Saúde será responsável pela seleção e alocação, no combate à disseminação da Covid-19, dos médicos, enfermeiros, farmacêuticos e fisioterapeutas formados de forma antecipada. 

A portaria do MEC abrange o sistema federal de ensino. Este engloba, entre outros, as instituições de ensino mantidas pela União e as instituições privadas de educação superior.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • santiago
    07 Abr 2020 às 10:17

    tomara que isso nao venha matar mas doque o virus gente é serio sao pessoas que vao salvar vidas tem que termina no tempo certo nao porque esta precisando de proficionais da saude que ja vai coloca vidas na mao de pessoas que ainda nao vai esta preparada completamente

  • Bugre
    07 Abr 2020 às 08:20

    Agora sim teremos um problema ainda maior.

  • Pedro Mota
    06 Abr 2020 às 20:49

    Por que não oferecer também uma oportunidade para os brasileiros formados em outros países, possibilitando que estes profissionais após a pandemia estariam habilitados no programas de residência.

  • joana
    06 Abr 2020 às 20:26

    concordo mas se for pra ficar na linha de frente... formar pra ficar em casa dizendo que é médico não da, né

  • Aiai
    06 Abr 2020 às 17:29

    Catástrofe

  • Alguém
    06 Abr 2020 às 16:34

    Super bacana isso! Já n basta aulas EAD que forma uma "ótimos profissionais"! Que bela merda, estamos caminhando p abismo!

Sitevip Internet