Olhar Direto

Sexta-feira, 30 de julho de 2021

Notícias | Ciência & Saúde

Em 2020

Mato Grosso recebeu 63 mil comprimidos de cloroquina do Ministério da Saúde, aponta relatório entregue à CPI da Covid

Foto: Reuters

Mato Grosso recebeu 63 mil comprimidos de cloroquina do Ministério da Saúde, aponta relatório entregue à CPI da Covid
Mato Grosso recebeu 63 mil comprimidos de hidroxicloroquina do Ministério da Saúde em 2020, atendendo a recomendação da pasta para aquele ano de “uso da cloroquina como terapia adjuvante no tratamento de formas graves da Covid”. O dado consta em documento enviado à CPI da Covid, onde o ministro da Defesa, Walter Souza Braga Neto, confirmou que o exército recebeu um pedido do ministério para aumentar a demanda da droga. O relatório foi compartilhado pelo portal Congresso em Foco. 

Leia também:
Vacinômetro: Em cinco meses, MT imunizou 301 mil pessoas contra a Covid; 8,5% da população

O documento assinado no dia 11 deste mês detalha o valor recebido para a operação em todo o país. “De 2 e 20 de abril de 2020, respectivamente, de R$ 450 mil e R$ 1 mi, ambas da Ação Orçamentária 21C0”, diz trecho do texto. Em Mato Grosso, o Governo Federal distribuiu o medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19 entre abril e agosto do ano passado. 

De acordo com o relatório, no Estado, os comprimidos da droga foram distribuídos às secretarias municipais de Várzea Grande (2.000), Nova Maringá (500), Santa Rita do Trivelato (500), Salto do Céu (500), Reserva do Cabaçal (500), Tapurah (2.000), Santa Carmem (1.000), Porto Esperidião (1.500), Nova Ubiratã (1.000), Nova Mutum (5.000), Nova Lacerda (1.500), Mirassol D’Oeste (1.000), Vila Bela da Santíssima Trindade (4.000), Lucas do Rio Verde (3.500), Lambari D’Oeste (3.500), Jauru (500), Itanhangá (500), Glória D’Oeste (500), Figueirópolis D’Oeste (500), Feliz Natal (2.000), Curvelândia (500), Comodoro (1.500), Cláudia (4.500), Cáceres (1.000) e Araputanga (2.000). 

Além destes, também receberam as remessas o Fundo Estadual de Saúde (16.000) e a Secretária Municipal de Mato Grosso (9.000). Totalizando desta forma, o montante de 63.000 comprimidos de hidroxicloroquina distribuídos em território mato-grossense, que teve início em 14 de abril e fim em 19 de agosto de 2020. 

Apesar do alto número, os principais destinatários foram as regiões do Norte, Nordeste e Sudeste. O Nordeste, por exemplo, contabilizou a entrega de cerca de 215 mil comprimidos de hidroxicloroquina nos meses de abril, julho e agosto. Apenas o Ceará recebeu 49% da droga. Ao estado do Amazonas, que sofreu com o colapso de saúde em janeiro deste ano, foram destinados 50 mil comprimidos.

CPI da Covid e Cloroquina 

No dia 8 de abril de 2021, o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso determinou a instalação da CPI da Covid-19 no Senado Federal. Desde então, a Comissão Parlamentar de Inquérito tem como objetivo apurar se houve falhas por parte do Governo Federal no enfrentamento da pandemia. 

Neste cenário, a hidroxicloroquina, medicamento sem comprovação científica, tem sido uma das principais pautas abordadas durante as sabatinas, por ser considerada como ponto central das discussões da CPI. Isto porque a droga faz parte do conhecido tratamento precoce 'Kit Cloroquina', que é abertamente incentivado pelo presidente Jair Bolsonaro, mesmo sem eficácia comprovada contra o novo coronavírus.

Confira o ofício na íntegra aqui.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet